Provérbios 8 – Almeida Revista Atualizada 1993

A excelência e justiça dos preceitos da Sabedoria

1 ¶ Não clama, porventura, a Sabedoria, e o Entendimento não faz ouvir a sua voz?

2No cimo das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas ela se coloca;

3junto às portas, à entrada da cidade, à entrada das portas está gritando:

4A vós outros, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens.

5Entendei, ó simples, a prudência; e vós, néscios, entendei a sabedoria.

6Ouvi, pois falarei coisas excelentes; os meus lábios proferirão coisas retas.

7Porque a minha boca proclamará a verdade; os meus lábios abominam a impiedade.

8São justas todas as palavras da minha boca; não há nelas nenhuma coisa torta, nem perversa.

9Todas são retas para quem as entende e justas, para os que acham o conhecimento.

10Aceitai o meu ensino, e não a prata, e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido.

11Porque melhor é a sabedoria do que jóias, e de tudo o que se deseja nada se pode comparar com ela.

12¶ Eu, a Sabedoria, habito com a prudência e disponho de conhecimentos e de conselhos.

13O temor do SENHOR consiste em aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu os aborreço.

14Meu é o conselho e a verdadeira sabedoria, eu sou o Entendimento, minha é a fortaleza.

15Por meu intermédio, reinam os reis, e os príncipes decretam justiça.

16Por meu intermédio, governam os príncipes, os nobres e todos os juízes da terra.

17Eu amo os que me amam; os que me procuram me acham.

18Riquezas e honra estão comigo, bens duráveis e justiça.

19Melhor é o meu fruto do que o ouro, do que o ouro refinado; e o meu rendimento, melhor do que a prata escolhida.

20Ando pelo caminho da justiça, no meio das veredas do juízo,

21para dotar de bens os que me amam e lhes encher os tesouros.

A Sabedoria existe desde a eternidade

22¶ O SENHOR me possuía no início de sua obra, antes de suas obras mais antigas.

23Desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes do começo da terra.

24Antes de haver abismos, eu nasci, e antes ainda de haver fontes carregadas de águas.

25Antes que os montes fossem firmados, antes de haver outeiros, eu nasci.

26Ainda ele não tinha feito a terra, nem as amplidões, nem sequer o princípio do pó do mundo.

27Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava o horizonte sobre a face do abismo;

28quando firmava as nuvens de cima; quando estabelecia as fontes do abismo;

29quando fixava ao mar o seu limite, para que as águas não traspassassem os seus limites; quando compunha os fundamentos da terra;

30então, eu estava com ele e era seu arquiteto, dia após dia, eu era as suas delícias, folgando perante ele em todo o tempo;

31regozijando-me no seu mundo habitável e achando as minhas delícias com os filhos dos homens.

32¶ Agora, pois, filhos, ouvi-me, porque felizes serão os que guardarem os meus caminhos.

33Ouvi o ensino, sede sábios e não o rejeiteis.

34Feliz o homem que me dá ouvidos, velando dia a dia às minhas portas, esperando às ombreiras da minha entrada.

35Porque o que me acha acha a vida e alcança favor do SENHOR.

36Mas o que peca contra mim violenta a própria alma. Todos os que me aborrecem amam a morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.