Mateus 5 – Almeida Revista Atualizada 1993

O sermão da montanha. As beatitudes

1 ¶ Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos;

2e ele passou a ensiná-los, dizendo:

3¶ Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.

4Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.

5Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.

6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.

7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

8Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.

9Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.

10Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

11Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós.

12Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós.

Os discípulos são o sal da terra e a luz do mundo

13¶ Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.

14Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte;

15nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa.

16Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.

O cumprimento da lei e dos profetas

17¶ Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir.

18Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.

19Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus.

20Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino dos céus.

21¶ Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento.

22Eu, porém, vos digo que todo aquele que [sem motivo] se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento; e quem proferir um insulto a seu irmão estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo.

23Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,

24deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta.

25Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão.

26Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo.

27¶ Ouvistes que foi dito: Não adulterarás.

28Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.

29Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno.

30E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não vá todo o teu corpo para o inferno.

31Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.

32Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério.

33¶ Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos.

34Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus;

35nem pela terra, por ser estrado de seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei;

36nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto.

37Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno.

38¶ Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente.

39Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra;

40e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa.

41Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas.

42Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes.

43¶ Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.

44Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;

45para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos.

46Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo?

47E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios também o mesmo?

48Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.