Juízes 13

Juízes 13

1 Os israelitas pecaram outra vez contra Deus, o SENHOR, e por isso ele deixou que sofressem quarenta anos nas mãos dos filisteus.

2 Havia um homem chamado Manoá, que era da cidade de Zora e pertencia à tribo de Dã. A sua mulher não podia ter filhos.

3 O Anjo do SENHOR apareceu a ela e disse: —Você não podia ter filhos e por isso nunca foi mãe. Mas agora você ficará grávida e terá um filho.

4 Não tome vinho nem cerveja e não coma nenhuma comida proibida

5 porque você ficará grávida e dará à luz um filho. Não corte nunca o cabelo dele, pois ele será consagrado a Deus como nazireu desde o dia do seu nascimento. Ele vai começar a livrar o povo de Israel do poder dos filisteus.

6 Então a mulher procurou o marido e disse: —Um homem de Deus falou comigo. Ele parecia um anjo de Deus, e isso me deixou apavorada. Eu não perguntei de onde ele vinha, e ele não me disse como se chamava.

7 Mas prometeu que eu ficarei grávida e que terei um filho. E mandou que eu não beba vinho nem cerveja e não coma nenhuma comida proibida, pois o menino será dedicado a Deus como nazireu por toda a vida.

8 Então Manoá orou ao SENHOR, dizendo: —Ó meu Deus, peço que mandes de volta o homem de Deus que enviaste, para ele nos dizer o que devemos fazer com o menino quando nascer.

9 Deus fez o que Manoá pediu: o Anjo apareceu de novo à sua mulher quando ela estava sentada no campo. E o marido não estava por perto.

10 Então ela correu depressa para o lugar onde ele estava e disse: —O homem que falou comigo outro dia apareceu novamente.

11 Manoá se levantou e seguiu a mulher. Foi até onde estava o homem e perguntou: —Você é o homem que falou com a minha mulher? —Sim! —respondeu ele.

12 Então Manoá disse: —Quando acontecer o que você falou, como é que o menino deverá agir? O que deverá fazer?

13 O Anjo do SENHOR respondeu: —A sua mulher deve fazer tudo o que eu já disse a ela.

14 Não vai comer nada que seja feito de uvas. Não vai tomar nem vinho nem cerveja e não vai comer nenhuma comida proibida. Ela deve fazer tudo o que eu disse.

15 ( 15 – 16 ) Manoá não sabia que aquele era o Anjo do SENHOR. E disse: —Por favor, não vá embora ainda. Espere, que nós vamos cozinhar um cabrito para você. —Se eu ficar, não comerei a sua comida! —respondeu o Anjo. —Mas, se você quiser prepará-la, então queime-a como oferta ao SENHOR.

16 ( 15 – 16 ) Manoá não sabia que aquele era o Anjo do SENHOR. E disse: —Por favor, não vá embora ainda. Espere, que nós vamos cozinhar um cabrito para você. —Se eu ficar, não comerei a sua comida! —respondeu o Anjo. —Mas, se você quiser prepará-la, então queime-a como oferta ao SENHOR.

17 Manoá disse: —Qual é o seu nome? Nós precisamos saber para poder prestar-lhe uma homenagem quando acontecer aquilo que você disse.

18 —Por que você quer saber o meu nome? —perguntou o Anjo. —O meu nome é um mistério.

19 Então Manoá pegou o cabrito e cereais e os ofereceu numa pedra ao SENHOR, o Deus dos mistérios.

20 Enquanto as chamas subiam do altar, Manoá e a sua mulher viram o Anjo do SENHOR subir para o céu, no meio das chamas. Aí se ajoelharam e encostaram o rosto no chão.

21 Manoá e a sua mulher nunca mais viram o Anjo. E Manoá compreendeu que aquele homem era o Anjo do SENHOR.

22 Então disse à mulher: —Nós vamos morrer porque vimos Deus!

23 Porém ela respondeu: —Se o SENHOR nos quisesse matar, não teria aceitado nossas ofertas. Ele não nos teria mostrado tudo isso, nem falado todas essas coisas.

24 A mulher de Manoá deu à luz um filho e pôs nele o nome de Sansão. O menino cresceu, e o SENHOR o abençoou.

25 Sansão estava no campo de Dã, entre Zora e Estaol, quando começou a sentir que o Espírito do SENHOR o dirigia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *