João 5 – Almeida Revista Atualizada 1993

A cura de um paralítico de Betesda

1 ¶ Passadas estas coisas, havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu para Jerusalém.

2Ora, existe ali, junto à Porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, o qual tem cinco pavilhões.

3Nestes, jazia uma multidão de enfermos, cegos, coxos, paralíticos

4[esperando que se movesse a água. Porquanto um anjo descia em certo tempo, agitando-a; e o primeiro que entrava no tanque, uma vez agitada a água, sarava de qualquer doença que tivesse].

5Estava ali um homem enfermo havia trinta e oito anos.

6Jesus, vendo-o deitado e sabendo que estava assim há muito tempo, perguntou-lhe: Queres ser curado?

7Respondeu-lhe o enfermo: Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; pois, enquanto eu vou, desce outro antes de mim.

8Então, lhe disse Jesus: Levanta-te, toma o teu leito e anda.

9Imediatamente, o homem se viu curado e, tomando o leito, pôs-se a andar. E aquele dia era sábado.

10Por isso, disseram os judeus ao que fora curado: Hoje é sábado, e não te é lícito carregar o leito.

11Ao que ele lhes respondeu: O mesmo que me curou me disse: Toma o teu leito e anda.

12Perguntaram-lhe eles: Quem é o homem que te disse: Toma o teu leito e anda?

13Mas o que fora curado não sabia quem era; porque Jesus se havia retirado, por haver muita gente naquele lugar.

14Mais tarde, Jesus o encontrou no templo e lhe disse: Olha que já estás curado; não peques mais, para que não te suceda coisa pior.

15O homem retirou-se e disse aos judeus que fora Jesus quem o havia curado.

Jesus declara-se Filho de Deus e igual ao Pai

16E os judeus perseguiam Jesus, porque fazia estas coisas no sábado.

17¶ Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.

18Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.

19Então, lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz.

20Porque o Pai ama ao Filho, e lhe mostra tudo o que faz, e maiores obras do que estas lhe mostrará, para que vos maravilheis.

21Pois assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos, assim também o Filho vivifica aqueles a quem quer.

22E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento,

23a fim de que todos honrem o Filho do modo por que honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou.

24Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.

25Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão.

26Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo.

27E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem.

28Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão:

29os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo.

30Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim a daquele que me enviou.

31¶ Se eu testifico a respeito de mim mesmo, o meu testemunho não é verdadeiro.

32Outro é o que testifica a meu respeito, e sei que é verdadeiro o testemunho que ele dá de mim.

33Mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade.

34Eu, porém, não aceito humano testemunho; digo-vos, entretanto, estas coisas para que sejais salvos.

35Ele era a lâmpada que ardia e alumiava, e vós quisestes, por algum tempo, alegrar-vos com a sua luz.

36Mas eu tenho maior testemunho do que o de João; porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizasse, essas que eu faço testemunham a meu respeito de que o Pai me enviou.

37O Pai, que me enviou, esse mesmo é que tem dado testemunho de mim. Jamais tendes ouvido a sua voz, nem visto a sua forma.

38Também não tendes a sua palavra permanente em vós, porque não credes naquele a quem ele enviou.

39Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.

40Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida.

41Eu não aceito glória que vem dos homens;

42sei, entretanto, que não tendes em vós o amor de Deus.

43Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis; se outro vier em seu próprio nome, certamente, o recebereis.

44Como podeis crer, vós os que aceitais glória uns dos outros e, contudo, não procurais a glória que vem do Deus único?

45Não penseis que eu vos acusarei perante o Pai; quem vos acusa é Moisés, em quem tendes firmado a vossa confiança.

46Porque, se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em mim; porquanto ele escreveu a meu respeito.

47Se, porém, não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.