Jó 37 – Almeida Revista Atualizada 1993

O homem, por conhecer as obras de Deus e a sua sabedoria, deve temê-lo

1  Sobre isto treme também o meu coração e salta do seu lugar.

2Dai ouvidos ao trovão de Deus, estrondo que sai da sua boca;

3ele o solta por debaixo de todos os céus, e o seu relâmpago, até aos confins da terra.

4Depois deste, ruge a sua voz, troveja com o estrondo da sua majestade, e já ele não retém o relâmpago quando lhe ouvem a voz.

5Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisas, que nós não compreendemos.

6¶ Porque ele diz à neve: Cai sobre a terra; e à chuva e ao aguaceiro: Sede fortes.

7Assim, torna ele inativas as mãos de todos os homens, para que reconheçam as obras dele.

8E as alimárias entram nos seus esconderijos e ficam nas suas cavernas.

9De suas recâmaras sai o pé-de-vento, e, dos ventos do norte, o frio.

10Pelo sopro de Deus se dá a geada, e as largas águas se congelam.

11Também de umidade carrega as densas nuvens, nuvens que espargem os relâmpagos.

12Então, elas, segundo o rumo que ele dá, se espalham para uma e outra direção, para fazerem tudo o que lhes ordena sobre a redondeza da terra.

13E tudo isso faz ele vir para disciplina, se convém à terra, ou para exercer a sua misericórdia.

14¶ Inclina, Jó, os ouvidos a isto, pára e considera as maravilhas de Deus.

15Porventura, sabes tu como Deus as opera e como faz resplandecer o relâmpago da sua nuvem?

16Tens tu notícia do equilíbrio das nuvens e das maravilhas daquele que é perfeito em conhecimento?

17Que faz aquecer as tuas vestes, quando há calma sobre a terra por causa do vento sul?

18Ou estendeste com ele o firmamento, que é sólido como espelho fundido?

19Ensina-nos o que lhe diremos; porque nós, envoltos em trevas, nada lhe podemos expor.

20Contar-lhe-ia alguém o que tenho dito? Seria isso desejar o homem ser devorado.

21¶ Eis que o homem não pode olhar para o sol, que brilha no céu, uma vez passado o vento que o deixa limpo.

22Do norte vem o áureo esplendor, pois Deus está cercado de tremenda majestade.

23Ao Todo-Poderoso, não o podemos alcançar; ele é grande em poder, porém não perverte o juízo e a plenitude da justiça.

24Por isso, os homens o temem; ele não olha para os que se julgam sábios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.