Apostila
34
Estudo
Teológico Sobre Satanás Guerra Espiritual dividida em VIII Partes em 20 paginas
GUERRA
ESPIRITUAL
Parte
I
Introdução:
“Há dois erros iguais e contrários em que nossa raça pode cair com
respeito aos diabos. Um é não acreditar na sua existência. O outro é acreditar
e sentir um interesse excessivo e insalubre neles.” (C.S. Lewis, Screwtape
Letters, p.3)

Creio que hoje mais do que nunca se cumprem estas palavras de C.S. Lewis, temos
igrejas que nem acreditam no diabo e por outro lado temos igrejas que acreditam
demais no diabo. Você está em guerra, não estamos vivendo uma vida de
Disneylandia espiritual, esta guerra acontece 24 horas por dia, Satanás não
descansa, não tira férias, não passa mais tarde.

Hoje a Igreja vive uma diferente perseguição de Satanás, pois hoje ele está
agindo dentro da Igreja. Durante muitos anos ele agiu fora da Igreja, mandando
matar os cristãos, mas hoje ele está matando os cristãos com as mais variadas
heresias. Pastores estão exorcizando cidades, crentes estão sendo possuídos por
demônios.

“Para que Satanás não alcance vantagem sobre nós,
pois não lhe ignoramos os desígnios.” (2 Co 2:11)

I – QUEM É O INIMIGO: Satanás e seus anjos

A.) Terminologia bíblica: Satanás é achado em 7 livros do A.T., e por cada
autor do N.T.:

Satanás:
a.) A.T. hb. satan, “adversário” do verbo “ficar em emboscada
(como inimigo); opor-se”; satã é usado 15 de 23 vezes para a pessoa de
Satanás.

b.) N.T. gg. satanás é quase sempre o grande adversário de Deus e do homem – o
Diabo; das 36 vezes, só três não se referem absolutamente à pessoa de Satanás. (Mt 16:23; Mc 8:33: Jo 6:70).

Diabo: gg. diábolos, 33 vezes, “caluniador, difamador”.

Outros nomes de Satanás: Nos nomes vemos o caráter de Satanás:

“O grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás,
“O sedutor de todo mundo” Ap. 12:9;
“Acusador dos nossos irmãos , Ap.12:10:
“Lúcifer” ou “a estrela da manhã” Is.14:12 (cf. 2 Co 11:14:
anjo de luz)
“Belzebu” maioral dos demônios – Mt 12:24
“Maligno” Mt 13:38
“Belial” – “sem lei; anárquico; desordenado” 2 Co 6:15
“Tentador” – Mt 4:3; 1 Ts 3:5
“Inimigo” Mt 13:28,29
“Homicida” Jo 8:44
“O Pai da mentira” Jo 8:44
“O deus deste século” – 2 Co 4:4
“O Príncipe da potestade do ar” Ef. 2:2
“O Príncipe deste mundo” Jo 14:30; 16:11
“O Abadom” (Hb); “Apoliom” (gg) Ap. 9:11
destruidor; exterminador” (Abadom = sheol ou hades 3 vezes; a morte 2
vezes; provavelmente aqui “o anjo do abismo”, o rei dos demônios.

Demônios, gg. daímon 5 vezes: daimónion 60 vezes vb. daimonízomai
13 vezes: fora de 10 vezes, todos os usos ficam nos Evangelhos. Geralmente =
seres espirituais e maus (às vezes, deuses dos pagãos); provavelmente os
demônios sãos os anjos de Satanás que caíram com ele.

Os demônios tem personalidade; inteligência (2 Co 11:3); vontade (2 Tm 2:26);
emoções (Ap 12:17)
Eles sabem da sua condenação
(Mt 8:29; Lc 8:28-31)
Alguns já estão encarcerados no abismo e alguns destes serão libertados na
grande tribulação
(2 Pe 2:4; Jd 6; Ap 9:14; 16:14: Lc 8:31, etc.)
Eles conhecem a Jesus (Mt 8:29: Mc 1:24)
Eles tem suas doutrinas e promovem doutrinas falsas (1Tm 4:1-3)
Podem habitar em homens e animais (Mc 4:24; 5:13)
Eles podem causar doenças (Mt 9:33; cf. Jo 2:7)
Alguns poderosos enganam as nações
(Dn 10:13; Ap 16:13,14; Is 24:21)

B. Caráter e Atividade de Satanás:

1.) A pessoa de Satanás (Ez 28:12,17; Is 14:12-15)

No mundo antigo, um rei freqüentemente foi deificado e visto como o mediador
entre a sua cidade-país (i.é., Tiro, Babilônia, Roma) e o deus nacional. Nestas
passagens, os profetas falam não somente ao rei, mas ao deus-espírito atrás do
rei.
Satanás foi criado “querubim da guarda ungido, o sinete da perfeição,
formoso, poderoso, mas finito.
Ele caiu por causa do orgulho (Is. 14:12-14; Ez 28:15-17 cf.. I Tm 3:6)
O que Satanás tem, é dado, permitido e limitado pelo Deus soberano.
“O Diabo acha que ele está livre; mas ele tem um freio na boca e Deus
segura as rédeas”(B.B. Warfield).

2.) Posição de Satanás:

Ele ainda tem acesso ao trono de Deus.
(Jo 1:6; 2:1; Zc 3:1-6; Lc 22:31; Ap 12:7-10)
Ele reina sobre a hierarquia dos demônios.
(Mt 25:4; Ef 6:12: Ap 12:7)
Ele reina sobre este mundo.
(Lc 4:5,6; 2 Co 4:3;4; Ef 2:1-3; I Jo
5:19-20)
3.)
Atividade do Diabo e seus anjos:

Tentar: (Gn 3:1; Mt 4:11; 16:23; Lc 22:31; At 5:3; I Co 7:5; I Tm 3:6,7; I Jo
2:16)
Confundir, enganar, contrafazer, imitar ( I Co 10:20; 2 Co 4:3,4; 11:13-15
(anjo de luz); 2 Ts 2:9; Ap 16:13s; 20:3)
Destruir – (Lc 8:12 (tirar a Palavra); I Pe 5:8; Ap 12:13-17)
Habitação: “possessão demoníaca” não comunica bem o conceito do gg.
daimonizomenos (Mt 15:22) = “endemoninhado”, que é um estado de
passividade humana causada pelos demônios; o controle de alguma forma dum
demônio (cf. Mt 12:22-28, 43-45)
Especificamente contra os cristãos: tenta-os a mentir (At 5:3); à imoralidade
(1 Co 7:5); semeia o joio para enganar e atrapalhar (Mt 13:38s; 1 Ts 2:18);
perseguição (Ap 2:10); difamação e calúnia (Ap 12:10); cria problemas físicos
(2 Co 12:7-10)
Qual a diferença entre Opressão Satânica e Possessão Demoníaca?

Possessão é Demoníaca e Opressão é Satânica:

Na Possessão a vítima é dominada pelo demônio, corpo, alma e espírito.

O crente que estiver andando com Deus em fé e obediência não pode ser possuído
de um espírito demoníaco, cf: (Ap 3:20; Rm 12:1;2; II Co 5:17; Jo 3:3-5; Ef
1:13-14; Jo 14:23-30; Jo 14:16; II Co 2:16: 12-13; 1 Co 3:16-18; 1 Co 6:19-20;
Rm 8:9-10; 1 Jo 5:19; Jo 14:30).

Opressão – todos os cristão são alvos de Satanás para cairmos numa vida de
pecado, por isso muitos cristãos podem sofrer, cf. (E 6:13; Tg 4:7)

Obsessão demoníaca – é um ataque mais intenso de ataque demoníaco (II Co
12:7-10)

II – QUEM É O VENCEDOR? O poder do Sangue de Cristo

A.) O que Cristo fez na cruz: 17 cumprimentos

“Porque Jesus Cristo é Deus e homem, a Sua morte na cruz tem valor
infinito para todos que crêem” (F.Schaeffer)

Substituição: Ele morreu no nosso lugar (Lv 1:4; Mt 20:28; Tm 5:6-8; 2 Co
5:15-21; 1 Pe 3:18)
Redenção: pagou o preço para libertar-nos (At 20:28; Rm 3:24; Ef 1:7; 1 Pe
1:18-19)
Propiciação: satisfez a ira santa de Deus contra os pecados (Rm 3:25; Hb 2:17;
1 Jo 2:2)
Reconciliação: o homem pode ser amigo de Deus (Rm 5:10,11; 2 Co 5:18-21; Ef
1:10; 2:16)
Justificação: a justiça de Cristo é imputada a nós (At 13:39; Rm 3:19-26; 5:9;
8:30,31; 2 Co 5:21; Ef 1:4)
Base do perdão dos pecados antes da cruz (Rm 3:25; Hb 9:15; 10:1-14)
O fim da lei Mosaica; agora há “a lei de Cristo”, a lei do Espírito.
Rm 3:19-28; 6:14; 8:2-4; 10:4; 13:8s; 2 Co 3:6-17: Gl 3:19-25; Fp 3:3; Cl 2:14;
I Jo 3:23)
Base da adoção como filhos e herdeiros maduros – Rm 8:14-17; Gl 3:23-26; 4:1-7.

Base da obra do Espírito Santo em nós – Jo 3:1-7; 16:8-11; I Co 12:13; Ef
1:13-14; 4:30; 5:18)
Base da santificação – posicional e experimental – I Co 1:2; 6:11; Ef 5:26-27;
I Ts 4:3; I Pe 1:15-16.
O juízo da natureza pecaminosa: quebrou o poder controlador do pecado; podemos
viver vidas que agradam a Deus. Rm 6:1-14; Gl 5:13-25.
Base do perdão dos pecados do crente: filhos que caem da comunhão com Deus devido
ao pecado. Rm 8:1s; I Jo 1:7; 2:2.
Jesus é o primogênito do processo da morte, ressurreição, ascensão e
glorificação que nós seguiremos (I Co 15:12-23; Cl 1:18; I Ts 4:13-17: Hb
2:9-15; I Jo 3:1,2.)
Base da redenção da natureza. Rm
8:18-22; Is 65:17-25; Ap 21:1s.
Base da purificação das coisas no céu – Hb 9:22-24 (cf. 8:1-5;
9:11)
A cruz é a base do juízo dos incrédulos – o dom da salvação rejeitado – Jo
16:8-11, cf. Jo 3:14-18,36; 2 Ts 1:6-11; Ap 20:11-15.
Na cruz, o pecado, a morte e Satanás foram vencidos:
o pecado – I Jo 5:18-19; cf. n.11 acima
a morte – Jo 5:24-27; I Co 15:55-57; Hb 2:14-15; Ap 20:14
Satanás e os demônios – Jo 12:31-33; Hb 2:14,15; Ap 20:10
B. Os Juízos de Satanás e seus anjos:

Satanás e os anjos perderam sua posição no céu (Ez 28:16)
Ele foi julgado profeticamente no jardim do Éden
(Gn 3:16)
Cristo veio a primeira vez para destruir as obras do maligno. (I Jo 3:8; 5:18;
Cl 2:14,15)
Quando Cristo voltar, Satanás receberá um castigo temporário dum mil anos no
abismo (Ap 20:1-3)
No fim do milênio, no juízo final, Satanás e os seus anjos serão lançados no
lago de fogo e enxofre para eternidade. (Ap 20:10)

III – COMO DEVEMOS LUTAR?

Três passos à vitória

A. Observações Iniciais:

1.. Satanás é feroz: “A razão pela qual muitos cristãos falham por toda
vida é esta: eles sub-estimam o poder do inimigo. Temos um inimigo terrível com
quem temos que lutar. Não deixa Satanás nos enganar. Pois assim estaremos
mortos! Isto é guerra. Quase tudo que nos rodeia (neste mundo) nos desvia de
Deus. Não saltamos do Egito ao trono de Deus num pulo só. Há um deserto, uma
viagem, e há inimigos na terra.” (D.L.Moody,
cf. I Pe 5:8)

2.. Satanás é finito: não é onipotente, onipresente ou onisciente.
Geralmente, no sentido direto, o diabo e os seus demônios não nos tentam
diariamente. Claro, o mundo está controlado espiritual e moralmente por
satanás. Mas tentação vem principalmente da nossa própria carne: cobiça,
orgulho, concupiscência, falta de auto-controle, etc. (Tg 1:13-16; 4:1-8)

3.. Satanás e os demônios são limitados por Deus. O Senhor os permitem ser
ativos, mas a graça que restrita não deixa-os fazem tudo que quiserem (Jó 1:6 ,
2:7; Lc 22:31; 2 Co 12:7-9). Em qualquer situação. “…Deus é fiel, e não
permitirá que sejais tentados além das vossas forças… (mas) com a tentação
vos proverá livramento…” (I Co 10:13). Cristo, nosso Sumo-Sacerdote,
constantemente intercede por nós – Jo 17:15; Hb 7:25: I Jo 2:1-2.

Passo Um: Pureza

1. Cristo adquiriu nossa pureza na cruz. Apesar de falhas nas nossas vidas –
das quais satanás gosta de nos acusar (Zc 3:1-5; Ap 12:10) – somos
posicionalmente puros, vestidos na justiça de Jesus Cristo. Satanás não pode
tocar nossa salvação, nem nos separar do amor de Deus (Rm 8:38,39); temos uma
posição de aceitação e autoridade em Jesus Cristo. (Rm 8:1; Ef 1:6)

2.. Mas devemos buscar a santidade, experimentalmente realizando Sua chamada
alta. O pecado na vida nos destrói, abrindo a porta para opressão.

Seja santificado pela Palavra – Jo 17:17: 2 Tm 3:16
Confessar e renunciar tudo na nossa vida contra Deus – Ef 4:27; I Ts 4:3 cf. Êx
20:4-6.
Nada disponhais para a carne – Rm 13:12-14
Chegai-vos a Deus – Tg 4:8

Passo dois: As armas de Deus

1.. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, cada peça tem propósito para lutar,
e sugere como satanás ataca.

o largo cinto da verdade
a couraça da justiça
calçai os pés com a preparação do evangelho
o escudo da fé
o capacete da salvação
2. A espada do Espírito = a Palavra de Deus (Mt 4:4)

3. O poder conquistador da oração:

no nome de Jesus – Jo 14:13,14′; 15:7;16; 16:23-27
com consciência pura – Tg 4:2,3; 5:16; I Jo 3:21s.
poder do Espírito Santo – Rm 8:26s; Ef 6:18; Jd 20s
com fé – Hb 11:1-6; Mc 11:22-24; Tg 1:5-8; 5:14,15
com perseverança – Ef 6:18; Cl 4:2; Lc 11:5-10
às vezes com jejum – At 13:2-3; 14:23; Mc 9:29

Passo três: Como Vencer Satanás e os demônios

1.. Seja sempre sóbrio e vigilante – 1 Pe 5:8-9a

2.. Quando você confrontar a presença satânica, não seja tolo. Tome cuidado –
Jd 9; 2 Pe 2:10s; At 19:12-17

3.. Reconheça a sua autoridade em Jesus Cristo – Lc 9:1; 10:1-20; At 5:16; 8:7;
16:16-18; I Jo 4:4; Mc 16:17.

4.. Também; os demônios crêem e tremem – Tg 2:19

5.. Imediatamente, no nome de Jesus, peça que o Senhor quebre os poderes de
Satanás e os demônios e limpe a situação. Lembre-se que o Sangue de Cristo é a
prova que Satanás foi conquistado na cruz, e que o seu juízo foi selado.

6. Em casos graves, ache outros irmãos logo que possível. Junte-se com eles
para orar e resistir ao maligno. Não tente exorcizar ou confrontar sozinho um
demônio, exceto quando é difícil de achar ajuda. Nos casos de habitação
demoníaca, seria sábio em procurar líderes cristãos que tem experiência nisso.
Entretanto, você, bem preparado, pode exorcizar sozinho.

7. “Sujeitai-vos pois à Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de
vós”(Tg 4:7)

“Eles, pois o (Acusador) venceram por causa do sangue do Cordeiro e por
causa da palavra do testemunho que deram, e mesmo em face de morte, não amaram
a própria vida”.

Parte
II
O
DIABO EXISTE
A existência de Satanás é ensinada em sete livros do Antigo
testamento – Gênesis, 1 Crônicas, Jó, Salmos, Isaías, Ezequiel e Zacarias, bem
como por todos os autores do Novo Testamento e, principalmente, por Jesus. Das
vinte e nove passagens sobre o diabo nos Evangelhos, vinte e cinco são citações
do próprio Senhor Jesus.

A partir de relato bíblico sabemos que Satanás tem características de uma
personalidade, podendo falar e planejar, sendo tratado sempre com pronomes
pessoas e sendo apresentado como um ser moralmente responsável, Jó 1.6-12;
Mateus 4.1-12 e Apocalipse 20.10.

A Bíblia registra a atuação do inimigo na realidade experiencial da humanidade
desde os primórdios da humanidade, Gênesis 3.1; 4 e 13. É bem verdade que o
nome diabo não aparece no texto. No original a palavra é “serpente”,
que é traduzida em outras passagens como “o acusador”. Sabemos que o
ocorrido em Gênesis 3 foi atuação do diabo quando comparamos a narrativa com a
sua atuação na tentação de Jesus, registrada em Mateus 4.1-11, pois a
estratégia foi a mesma; concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e
soberba da vida.

Na verdade, a Bíblia se refere a Satanás como um ser espiritual criado por
Deus. Até Gênesis 3, o Texto Sagrado assevera que toda a criação era muito boa,
Gênesis 1.31, o que inclui os anjos maus que um dia foram como os bons, mas
pecaram e perderam o privilégio de servir a Deus. Isto significa dizer que
mesmo no mundo espiritual criado por Deus não existiam os demônios, que são
anjos que pecaram e que se tornaram maus e que hoje continuamente praticam o
mal no mundo.

Satanás é descrito no Texto Sagrado como o ser angelical que, movido por
soberba e desejo de usurpação, se rebelou contra Deus, mas que antes do pecado
esteve presente no Éden, o Jardim de Deus, sendo considerado como o “selo
da perfeição” e “perfeito em formosura”, que “vivia no
monte de Deus” e que era “querubim da guarda ungido” pelo
próprio Deus.

A despeito de todas estas qualidades, achou-se iniqüidade em seu coração e o
seu interior se encheu de violência e de pecado, o que o levou a ser expulso da
presença de Deus e lançado sobre a Terra e tornado em cinza diante dos olhos
dos que o contemplavam, como lemos em Ezequiel 28.1-3 e 11-20, que por
inferência hermenêutica e consenso teológico é admitida como sendo a mais
objetiva narrativa sobre a criação e destituição do diabo. O texto na realidade
fala de Itabol II, rei de Tiro, mas apresenta as mais precisas informações
sobre Satanás.

Outros textos ricos em informações sobre o diabo e sua queda são Isaias
14.3-23, em uma profecia contra a Babilônia, mas que é, na verdade, uma alusão
clara a Satanás, e 2 Pedro 2.4, juntamente com Judas verso 6 e Apocalipse
12.7-11, que confirmam a queda e o abismo espiritual dos demônios, Mateus 25.41,
visto que depois da queda Satanás constituiu-se em inimigo de Deus e tornou-se
um mentiroso, o pai da mentira conforme Jesus, procurando sempre matar, roubar
e destruir as obras e as criaturas de Deus, João 8.44 e 10.10.

Satanás, que significa adversário, é o nome mais usado para se referir ao diabo
na Bíblia, aparecendo 52 vezes. Depois vem o termo diabo, derivado do Diábolos,
que significa acusador ou caluniador, que é usado 35 vezes. Também vemos
aparecer nomes como maligno, inimigo, grande dragão, Belzebu, serpente, Belial,
homicida, pecador e tentador, ou expressões como “o príncipe dos
demônios”, “aquele que está no mundo”, “o deus deste
século”, “o enganador de todo o mundo”, “o príncipe das
potestades do ar”, “o poder das trevas” e “o espírito que opera
nos filhos da desobediência”, Mateus 4.3, 12.24 e 27, 13.19 e 38-39;
Marcos 3.22; Lucas 11.15 e 19; João 8.44; 2 Coríntios 6.15; 1 Tessalonicenses
3.5; 1 João 2.13, 3.8 e 12 e 5.18; 1 Pedro 5.8 e Apocalipse 12.3 e 9.

Todos estes nomes indicam um pouco do caráter e da atividade do diabo que, como
indica os seus nomes, está empenhado na oposição a Deus e à obra de Cristo,
juntamente com os demônios que realizam seu trabalho no mundo e infligindo
tentação, engano e as mais diversas doenças a fim de impedir o progresso
espiritual do povo de Deus.

Em Efésios 6.10-20, o Texto Sagrado assevera sobre a confrontação com os
principados e potestades, ou seja, com os demônios, quando o apóstolo Paulo
alerta a igreja sobre a necessidade do revestimento da armadura de Deus para o
combate. O texto fala das “ciladas do diabo”, vs. 11, onde ciladas,
methodeías no original, pode significar a astúcia, os planos, os esquemas ou os
estratagemas que visam destruir a igreja.

Vemos também que há uma luta, ou seja, uma disputa que exige preparo, força e
coragem. Não podemos sair de peito aberto, sem o devido preparo, para o
confronto. Lutamos contra principados e potestades. Principado é uma espécie de
autoridade superior sobre grandes regiões e muitíssimos seres e potestades são
autoridades subordinadas que exercem funções específicas.

Lutamos contra os dominadores deste mundo, kosmkrátoras, que é a figura é de um
governante mundial que se auto-arroga o deus salvador, mas que atua motivado
pela malignidade de suas intenções. Também lutamos contra as hostes espirituais
da iniqüidade, que são seres espirituais malignos que constituem as forças do
mal, que metaforicamente retratam um exército opositor liderado pelo próprio
maligno, o diabo.

Destas passagens e seus ensinamentos, concluímos que o diabo existe e que está
atuante no mundo, habitando nos lugares celestiais, mas também rodeando a terra
e os filhos de Deus, exercendo o controle geral sobre o sistema mundano,
Zacarias 3.1 e 1 Pedro 5.8. Duvidar da sua existência é o mesmo que
desacreditar da Palavra de Deus.

Parte
III
NOSTRADAMUS
Profeta de deus ou do diabo?
A verdadeira profecia é a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.
Sabemos que “toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para
ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça, a fim de que
o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente preparado para toda boa
obra” (2 Tm 3.16-17). O que Deus nos revelou a respeito do fim de todas as
coisas é a porção ideal para o nosso entendimento. É claro que todos desejamos
saber mais, conhecer mais, nos aprofundar mais nos mistérios do Altíssimo. Mas
o que não está revelado pertence a Deus.

De quando em vez ressuscitam as Centúrias de Nostradamus e divulgam suas
profecias sobre os tempos do fim. Quem foi esse homem? Por que suas premonições
continuam sendo lidas e analisadas por quase 500 anos?

Michel de Notredame (ou Nostredame), conhecido como Nostradamus, nasceu em 14
de dezembro de 1503 em Saint-Rémy (França), e faleceu em 2 de julho de 1566.
Além de haver exercido a Medicina, estudou Filosofia, Astronomia, Astrologia e
Alquimia. Seu filho Michel de Nostradamus também era astrólogo. Suas predições
foram publicadas em 1555 com o título Centúrias (quadras em grupo de cem),
escritas em linguagem metafórica, de difícil interpretação. Atribui-se a ele
haver predito a morte de Henrique II, Rei da França de 1519 a 1559; há indícios
de que conhecia a lei da gravidade antes de Newton, e de que sabia da
existência dos planetas Urano e Netuno; teria ele descrito com antecedência de
400 anos os satélites de comunicação (“cães que ladravam no céu”) e o
surgimento dos automóveis (“carroças que andam sem cavalos”).

Os admiradores de Nostradamus esperavam para julho ou agosto uma grave
convulsão no planeta: talvez um terremoto de proporções gigantescas; talvez uma
terceira guerra mundial com bombas atômicas. Alguma tragédia espetacular
deveria ter acontecido em razão da seguinte profecia de Nostradamus:

“O ano de 1999, no sétimo mês. Do céu virá um um grande rei do terror.
Ressuscitará o o grande rei de Angoulmois. Antes, depois, marte reinará por
sorte”.

Ou, em linguagem mais popular:

“No ano de 1999 e sete meses, do céu virá o rei do terror. Ele fará viver
o grande conquistador. Antes e depois da guerra, reinará com felicidade”.

A verdade é que nada de novo aconteceu nem em julho nem em agosto deste ano
(1999). A Terra continuou girando ao redor do Sol e em torno do seu eixo, e a
lua girando ao redor da Terra; não houve nenhuma convulsão social; nenhum
acontecimento catastrófico foi registrado. A única ocorrência forte, em agosto,
foi o terremoto na Turquia, em que milhares de vidas foram ceifadas. Mas
tremores de terra não chegam a ser mais uma novidade. Nostradamus falhou nas
suas previsões. Vejamos o que diz a Palavra sobre o assunto:

“Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os
homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo”(2 Pe 1.21).

“Não deixem que no meio do povo haja adivinhos ou pessoas que tiram
sortes; não tolerem feiticeiros, nem quem faz despachos, nem os que invocam os
espíritos dos mortos. O Deus Eterno disse também:Se um profeta tiver o
atrevimento de dar uma mensagem em meu nome, quando eu não tiver dito nada, ou
se falar em nome de outros deuses, deverá ser morto. Mas vocês vão ficar
pensando assim: Como é que vamos saber que aquilo que o profeta diz não é
mensagem do Deus Eterno? Fiquem sabendo que, se um profeta falar em nome de
Deus, mas se o que disser não acontecer, então o que disse não foi mensagem de Deus.Esse
profeta foi atrevido,e vocês não precisam ter medo dele” (Dt 18.10,1120-22
– A Bíblia na Linguagem de Hoje).V. também Jeremias 28.9.

Nostradamus não foi um profeta de Deus, pelas seguintes razões:

1) Falhou o seu vaticínio sobre um acontecimento catastrófico em
julho deste ano, ou no dia 11 de agosto como muitos sugeriram, em razão do
eclipse solar. Ora, o modo simples, fácil e mais lógico para sabermos se a
profecia tem origem divina, é verificar o seu cumprimento. As profecias que se
não cumprem não são de Deus. São obras do engano. Nenhuma “nova”
profecia deve ser aceita se contrária à Palavra de Deus. O padrão é a Palavra.
A verdade é a Palavra.

2) O padrão da verdade deve ser sempre a Palavra de Deus. A verdade revelada
nas Escrituras é o único caminho para conhecermos o futuro. O que passar disso
não vem de Deus. Vem do maligno. As profecias bíblicas se cumprem porque os
homens santos de Deus falaram sob inspiração do Espírito Santo.

3) A predição de Nostradamus fala de um “rei do terror”, que reinaria
“com felicidade”, ou seja, seria um rei vitorioso. O mal sairia
vitorioso da grande batalha. Esse monstro e grande governador tem tudo a ver
com o Anticristo, que será esmagado – ele e seus comandados – na batalha do
Armagedom. Neste ponto Nostradamus também mente porque atribui vitória ao
“homem feroz de cara”.

4) Somente Deus sabe a hora, dia, mês e ano em que a Igreja será arrebatada (Mt
24.36, 44). Este será o passo inicial para os demais acontecimentos
escatológicos. Retirada a Igreja da Terra, o campo ficará livre por um breve
período para as atividades do monstro.

5) Nostradamus era estudioso da Astrologia, prática condenada por Deus:
“Levantem-se agora os astrólogos, que contemplam os astros, os que nas
luas novas prognosticam o que há de vir sobre ti [sobre Babilônia]. Certamente
são como restolho; o fogo os queimará” (Is 47.13-14). “Os videntes se
envergonharão, e os adivinhadores se confundirão” (Mq 3.7). Além disso
Nostradamus era versado em Alquimia, prática que oscilava entre a ciência e
misticismo.

6) Não nos deve surpreender o fato de Nostradamus haver citado Urano e Netuno
em suas premonições, antes da descoberta desses planetas, em 1781 e 1846; nem
de haver conhecido a lei da gravidade, antes do físico Isaac Newton. Lembram-se
do que o Diabo afirmou através de uma musiquinha? Vejam:

“Eu nasci há dez mil anos atrás, e não tem nada neste mundo que eu não
saiba demais”.

7) Satanás e seus demônios conhecem os fenômenos meteorológicos, as ondas
eletromagnéticas, a lei gravitacional, a posição dos astros. Eles povoam os
espaços siderais (Ef 3.10; 6.12).

8) As Centúrias de Nostradamus não foram escritas sob a inspiração do Espírito
Santo. Suas atividades de adivinho, astrólogo e alquimista, eram incompatíveis
com a divina missão de um profeta de Deus. Os profetas são homens “santos
de Deus”. Deus não elevaria à condição de profeta um homem que procurava
respostas nos astros. A Astrologia, associada ao Espiritismo e ao ocultismo, é
prática condenada na Bíblia.

A mentira, o engano, o embuste, a trapaça pertencem ao Diabo. Na qualidade do
maior inimigo de Deus e dos homens, ele tem prazer em apresentar uma versão do
fim do mundo diferente da que ensinam as Sagradas Escrituras. A Bíblia tem uma
palavra para Nostradamus: “Vós pertenceis ao vosso pai, o Diabo, e quereis
executar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na
verdade, pois não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe
é próprio, pois é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8.44).

Parte
IV
É
TRAMBIQUE!…
“Acautelai-vos, que ninguém vos engane…” (Mt 24.4)

Quando ainda seminarista, conheci o falecido Rev. José Lins de Albuquerque,
pastor de uma igreja batista na cidade do Moreno, em Pernambuco. Conversávamos
sobre certos espertalhões que aparecem nas igrejas evangélicas com cara de
piedade, olhos de santidade e lábios de mentira. O experimentado obreiro
disse-me que se o sabido viesse pela manhã, ele o convidava para o almoço; se
viesse à noite, para jantar depois do culto. No jantar, ele o desmascarava.

Certa ocasião, um desses enganadores foi convidado pelo Pr. Lins de Albuquerque
para uma refeição. À mesa, pediu-lhe que orasse. O homem gaguejou:
“Deus… Deus… Deus…”; “Deus… Deus… Deus…” Todos
olharam para ele. Meio sem graça, disse o finório: “Desculpem… Não é que
eu esqueci o diabo da reza!…”

CASO 1: “DIABO LOURO”

Aconteceu no fim dos anos 70. Eu era pastor da Igreja Batista da Concórdia, no
Recife. Num domingo pela manhã, apresenta-se à porta do Gabinete Pastoral um homem
de meia idade, forte, cabelos grisalhos, vestindo terno com gravata. Pergunta
se sou o pastor e pede licença para entrar.

Sentou-se, e me disse: “O senhor não me conhece, mas eu sou o ex-Diabo
Louro. Antes fui um criminoso, hoje sou salvo pelo sangue de Jesus, sou
caminhoneiro e pregador da Palavra. Mostrou-me inúmeras fotos tiradas em
igrejas de diversas denominações (Assembléia de Deus, igrejas batistas, Casa da
Bênção, etc).

“Fizeram comigo o que eu costumava fazer com os outros antigamente: roubaram-me
tudo. Cheguei ontem com uma carga para ser entregue à transportadora, mas
estava fechada porque era à tarde. Resultado: não entreguei a carga, não recebi
meu dinheiro, e desde ontem que não me alimento. Quero pedir ao irmão que me
empreste algum dinheiro para poder almoçar e jantar hoje, e tomar o café da
manhã. Entrego a carga amanhã cedo na empresa, e venho trazer o dinheiro”.

Pastorzinho novo, com o coração tocado, procurei o tesoureiro, pedi-lhe algum
dinheiro (como 50 reais de hoje), e passei-o para o “irmão”.

Passou a semana, o domingo seguinte, e a outra semana também. No seminário, os
colegas conversavam sobre esse mesmo cidadão que teria estado na Igreja Batista
da Rua Imperial, na de Afogados, do Zumbi, e outras tantas. Em algumas, o pastor
até fizera uma coleta durante o culto, repassando-a ao espertalhão.

Depois de dois meses, ocorreu-me um caso perfeito de dèja vu. “Num domingo
pela manhã, apresenta-se à porta do Gabinete Pastoral um homem de meia idade,
forte, cabelos grisalhos, vestindo terno com gravata. Pergunta se sou o pastor
e pede licença para entrar”.

– “O senhor é o pastor? Posso entrar? O senhor não me conhece…”
– “Conheço, sim, o senhor não é o ex-Diabo Louro? Veio trazer o dinheiro
que pediu emprestado?”

Ele havia esquecido que estivera lá anteriormente. Ficou sem jeito, mas não
perdeu a esportiva:

– “Não, mas trarei esta semana…”
– “Não precisa trazer mais! Não vou ficar mais rico se trouxer ou mais
pobre se não trouxer… Mas não volte mais aqui, nem vá às igrejas porque os
pastores se comunicam, e todos já sabem acerca do senhor”

Sem se dar por vencido, arrematou: “Pastor,o senhor não quer que eu dê um
testemunho no culto?”

CASO 2: O EXECUTIVO DE MISSÕES

Esse me aconteceu em Salvador, na Igreja Batista Sião, onde sou pastor. Foi por
volta de 1994 ou 95. Numa sexta-feira, à tarde, minha secretária me telefona
dizendo que um missionário havia me procurado na igreja, afirmando ser irmão de
alguém que fora meu colega no seminário onde fiz mestrado nos Estados Unidos.
Deixara o telefone do hotel onde estava hospedado no Porto da Barra (em
Salvador). Não lembrei de qualquer colega que tivesse o mesmo sobrenome desse
missionário.

No dia seguinte (sábado), pela manhã, recebi um telefonema em casa: era o
“missionário”. Pediu-me que fosse ao seu encontro no hotel, pois
necessitava falar comigo. Fui.

Em lá chegando, já me esperava no terraço de um hotel de baixa categoria.
Fiquei desconfiado, mas cumprimentei-o, e nos sentamos numa das mesas para
conversar.

Procurei lê-lo. Trajava uma roupa meio de malandro, portava uma agenda e tinha

uma cara de esperto. Falava um inglês perfeito com sotaque que me
pareceu jamaicano ou caribenho. Apresentou-se como um dos diretores de uma
Missão Evangélica interdenominacional estabelecida na Guiana, cujo propósito
era ajudar igrejas na região do Caribe e Norte da América do Sul. Disse-me ter
vindo ao Brasil para visitar igrejas no Amazonas, Ceará, Pernambuco e havia
chegado à Bahia. Minha desconfiança aumentou, porque que teriam os estados do
Nordeste com a organização que se propunha a ajudar estados do Norte?
Relatou-me, ainda, que sua Missão enviara cerca de 25 mil dólares para ajudar
uma igreja batista dissidente de Manaus. E ele descobrira que o pastor (bem
conhecido do Brasil evangélico) havia comprado um automóvel Omega, da GM, topo
de linha na época.

Viera ao Ceará, passara por Pernambuco, e na viagem de ônibus do Recife a
Salvador fora furtado. Levaram todos os seus documentos e mais 23 mil dólares.
Minha desconfiança já estava no limite, e eu me perguntava porque alguém que
carregava tanto dinheiro não viera de avião (cinqüenta minutos de viagem,
apenas).

A agenda era aberta de vez em quando. No entanto, ele a colocava de tal modo
que eu não podia ler o que estava escrito. Finalmente, percebi que a agenda era
em português. Estranhei. Podia ter sido, porém, um presente de algum
brasileiro, quem sabe. Engoli essa.

Aí veio o golpe. Disse-me que ligara para o pai, que ficara de lhe enviar
dinheiro. Como não tinha qualquer documento, pedia-me que lhe dissesse o Banco,
Agência e Número da minha conta para que o dinheiro fosse transferido para ela.
Quando a importância chegasse, eu iria com ele ao banco, sacaríamos o dinheiro,
descontaríamos as despesas, ele daria uma oferta à igreja, e levaria o restante
do dinheiro. É natural que não fiz o que pedia.

Voltando à casa, liguei para um irmão da igreja, que é delegado de polícia, que
se comunicou com a titular da Delegacia especializada em Turismo, a qual enviou
dois agentes policiais ao hotel. O “missionário” já era procurado
pela polícia.

CASO 3: O PETROLEIRO

Cerca de três ou quatro meses depois deste incidente, recebo um telefonema de
um pastor de uma igreja congregacional em Juazeiro (BA). Disse-me que havia
aparecido na sua igreja um moço angolano, que dizia trabalhar numa plataforma
da Petrobrás, e afirmava ser noivo de uma jovem da igreja que pastoreio, a
Igreja Batista Sião. O moço “petroleiro” precisava de ajuda.

Disse o pastor que ele fora roubado na viagem de Salvador a Juazeiro, mas já
havia se comunicado com os colegas do escritório, que lhe enviariam dinheiro.
Como não tinha documentos… E nesse ponto, repetiu-se toda a história acima.

O pastor queria confirmar se ele era de confiança, suposto noivo de uma suposta

ovelha, e se podia fornecer-lhe a própria conta bancária para a
remessa dos fundos.

Contei ao pastor o acontecido comigo, a coincidência do incidente e da solução
proposta. A descrição do tipo físico encaixava na mesma personagem da minha
história. Disse ao pastor que chamasse a polícia.

CASO 4: O “RECIFENSE”

Esse foi também em Sião. Apareceu-me no horário da Escola Bíblica um homem que
disse ser do Recife. Seu sotaque era acentuadamente do Sudeste, carioca com
quase 100% de certeza.

Sem dizer que sou procedente da capital pernambucana, perguntei-lhe de que
igreja era membro. Respondeu que da Igreja Batista da Mangueira (existe, é
verdade, o bairro da Mangueira naquela cidade, mas não igreja com esse nome).
“Quem é o pastor da igreja?” “Pastor Oliveira”, respondeu
(o pastor da igreja que fica na Mangueira não tem esse nome). Dava para ler que
era trambique.

Disse-lhe que conversaríamos depois do Culto, e pedi a um irmão muito leal ao
pastor e à igreja que cuidasse dele.

Daí a sete ou oito minutos, volta o irmão. “Cadê o homem?”,
perguntei. “Deixei-o na Classe Gideão. Se ele se meter a besta, tem
oitenta homens lá…” Enfatizou o zeloso ordenança.

Após o Culto, o “Recifense” me procurou:
– “Então, vai me ajudar com a passagem?”
– “Meu amigo”, disse-lhe, “estive pensando nas suas informações,
e nunca ouvi falar na igreja que você mencionou, nem no pastor”
– “E o senhor conhece Rêcífe”

(Isso já me deixou ainda mais desconfiado, pois os recifenses se referem a
“o Recife, do Recife, no Recife para o Recife”, e alguns capricham na
pronúncia “Ricífi” (como sou recifense, não estou ofendendo nem
ridicularizando as variações regionais).

– “Conheço perfeitamente, pois lá eu nasci, fui crado, estudei, casei,
pastoreei e ensinei”.
– “Está me chamando me mentoroso?”
– “De modo algum; estou dizendo que não conheço essa igreja e esse
pastor”.

Foi embora, mas teve que assistir à EBD e ao Culto.

Pois é. “Acautelai-vos que ninguém vos engane”, alertou Jesus Cristo.
Nada custa ser “prudentes como as serpentes”, guardando a
simplicidade das pombas (Mt 10.16).
[O autor apreciará receber outros relatos de casos semelhantes.
Fineza utilizar o endereço eletrônico abaixo para remetê-los]

Parte
V
CARTA
AOS BRASILEIROS
Advertência: Leitura desaconselhável para menores de dezoito anos,
salvo se com assistência dos pais ou responsáveis, para lhes explicar o porquê
da mensagem. Autorizada a reprodução por quaisquer meios e sua ampla
distribuição, mencionando-se a autoria.

Esta obra de ficção é um grito de alerta contra as astutas ciladas do diabo.
Ele tem lançado seus tentáculos sobre a humanidade para escravizar os
desprevenidos. Vale lembrar o conselho bíblico:

“Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, pois não há
verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, pois é
mentiroso e pai da mentira” (Jo 8.44).

“Não deis lugar ao diabo” (Ef 4.27).

“Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o diabo, anda em derredor, rugindo
como leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pe 5.8).

BRASILEIROS

Escrevo-lhes para expressar a minha gratidão pelo bom trabalho que em algumas
áreas está sendo realizado nesse país; informar sobre as atividades dos meus
departamentos, os planos para o próximo ano, e dizer que, no geral, graças a
mim, os objetivos estão sendo alcançados.

O Departamento para Expansão do Sexo e da Violência (DESOVA) está com uma
atividade infernal. Designei dois milhões de anjos para esse setor e não estão
dando conta do recado. Os resultados são fantásticos. Mas o serviço não pára de
crescer. Temos aí uma grande aliada: a televisão. Alguns programas têm seguido
direitinho minhas recomendações: sensualidade, sexo, violência, traição,
ocultismo, idolatria e babaquices. As babaquices são úteis porque prendem meus
amados filhos defronte à telinha, e não terão tempo para ouvir o que não devem.

A Sedrog – Secretaria Especial das Drogas – vem alcançando bons resultados.
Introduzi o crack e estou produzindo outros alucinógenos para a garotada.
Alguns aliados meus estão divulgando as propriedades medicinais da maconha e
tentando sua legalização. Tenho filhos em todas as áreas. Estou satisfeito com
o consumo de álcool. Parabéns. Tenho conseguido muito sangue nessa área. O bom
desempenho do DESOVA depende do bom desempenho da Sedrog, por óbvias razões.

O Departamento de Danças, Ritmos Sensuais e Músicas com Mensagens

Diabólicas (DERISE) está funcionando a todo vapor. Preocupo-me em
agradar ao máximo meus filhos. Aliás, qual é o pai que o filho lhe pede um pão
e ele lhe dá uma pedra? Recebi do Secral (Secretaria pró-Carnaval) um pedido
que me deixou contente: já autorizei o pré-carnaval, indo ao encontro, assim,
de um velho anseio. Essa autorização não elimina a anterior sobre os carnavais
fora de época, como, por exemplo, o FORTAL, CARNATAL e RECIFAL.

Autorizo e recomendo o aumento dos focos de idolatria. O Brasil é muito extenso
e há campo para mais uns dez. As cidades, onde a idolatria se transforma numa
festa do povo, não mais atendem à demanda. Estou muitíssimo satisfeito com o
desempenho do DECULF – Departamento de Ocultismo, e Outras Feitiçarias. É o
único setor que tem crescimento real, ou seja, com percentual acima da taxa de
crescimento populacional. Muitos estão me ajudando na construção de um Brasil
mais espiritual. O avanço foi considerável, graças a mim. Não posso deixar de
mencionar o brilhante trabalho do movimento Nova Era, ao qual dispenso atenção
especial.

Tudo começou há cerca de cem anos. Admito ter sido um plano audacioso, mas eu
sou audacioso e astuto. O inimigo das minhas almas diz que eu sou mentiroso e
que só penso em matar, roubar e destruir. Vocês sabem que isso não é verdade.
Eu tenho meu lado bom. Não exijo moralidade, bom caráter, fidelidade conjugal
ou sexo somente entre casados. Dou completa liberdade aos meus filhos. Vivam
suas vidas do jeito que eu gosto. O Nova Era é o meu braço forte em todo o
mundo. Recomendo que comprem suas músicas, seus amuletos, suas essências e seus
livros.

Conto com uma grande aliada, a televisão. Milhões de brasileiros ouvem a minha
voz e recebem as minhas mensagens. Diariamente estou dando entrevistas
televisivas. Continuem recebendo e seguindo minhas mensagens. Foram necessários
muitos anos até que eu pudesse ter um horário especial na televisão. Não sejam
apenas ouvintes, mas praticantes. Nessas entrevistas eu recomendo quais os
templos que devem ser visitados e como conseguir rápido progresso. Os amuletos
funcionam muito bem, seja uma fitinha amarrada no braço, um pedaço de madeira
ou qualquer outra coisa. Qualquer coisa serve para que vocês esqueçam esse tal
de Jes… confiem em tudo, até um pedaço de pano, menos nesse tal de salvador.
Todos os que me ajudam nesse trabalho receberão a devida recompensa. Não serão
esquecidos. Lembrar-me-ei deles quando estiver no meu reino.

Não peço nada em troca, agora. No meu reino há muitas moradas. Estou preparando
lugar para os que me amam e me obedecem. Saibam que pecado não existe. Façam o
que suas consciências pedirem. Sejam livres. Todos somos deuses. Eu sou deus.
Vocês podem todas as coisas. Basta mentalizar, pensar positivo, entrar em alfa,
alterar o estado do consciente (nesse estado eu falo e vocês ouvem). Salvação?
Vocês já estão salvos. Deixem rolar. No final, através de sucessivas
reencarnações, vocês terão perfeição igual à minha. Desta feita não dá pra
relatar todos os planos que tenho em mente e os que estão em execução.
Cheguei às lágrimas de emoção quando vi meu pessoal aí no Brasil me
homenageando no meu grande dia, o Dia das Bruxas. Estou convicto de que as
comemorações vão aumentar a cada ano. Essa programação está sob os bons
cuidados do zeloso Pomba-Gira. As cores do meu reino vocês já sabem que são
preto e vermelho. É bom continuarem no time que está ganhando. Minha maior
alegria é ver homens, mulheres e crianças, de todas raças, tribos e línguas
vestidos a caráter. Visitei todas as festas. Um detalhe: as máscaras usadas por
vocês, ou as pinturas no rosto, estão longe de assemelhar-se ao original. Não
sou tão bonito como se pinta. Em razão disso, estou ultimando um plano
audacioso: mostrar a minha cara na televisão. A minha voz vocês já conhecem. A
minha aparição será em horário nobre e num programa bem popular. Então vocês
poderão conhecer melhor minha fisionomia e até gravá-la em vídeo. Depois disso,
as máscaras para o carnaval e para o meu Dia estarão mais próximas da
realidade.

Até aqui falei das minhas alegrias e meus progressos. Porém, nem tudo são
flores. Tem uma turma aí que está me dando muita dor de cabeça e, por causa
disso, minha vida se tornou um verdadeiro inferno. Não gosto de falar em
inferno, mas já que escrevi, está escrito. Não existe esse lugar chamado
inferno. Dizem até que eu e meus auxiliares seremos jogados lá. Imagina! Não
fossem as muitas alegrias que vocês me proporcionam, não sei como suportaria.
São os seguidores de uma seita chamada protestante. Esses malucos estão botando
água fria no meu caldeirão. Perseguem-me dia e noite. Essa gente não dorme. Eu
também não durmo, quer dizer não posso dormir com tanto barulho, com essa tal
de glória e aleluia. Prometo lutar até o fim. Aliás, eu não gosto de falar em
fim. Vamos mudar de assunto.

O que mais me preocupa é o crescimento vertiginoso dessa seita. Quando eram
poucos, dava pra levar. Já perdi milhões de almas para essa gente. Milhões que
estavam me ajudando aí no Brasil, nos diversos setores. O desfalque é grande.
Devo confessar que não suporto quando eles pronunciam o nome desse Je…
Desculpem-me, mas não posso pronunciar esse nome por óbvias e irrefutáveis
razões. Esse nome é sinônimo de cruz, de sangue e de perdão, e só em pensar
nele fico todo me tremendo. Não sei explicar. Adorem qualquer outra pessoa,
menos esse tal de Je… Devo lembrar que só eu tenho palavras de vida eterna.
Eva foi uma mulher sábia porque ouviu a minha voz e seguiu o meu conselho.
Graças a ela, e a Adão, eu me tornei o rei deste mundo. Sigam o exemplo do
primeiro casal.

Não temam os que tentam transformar as minhas verdades em mentiras. Eu declaro
guerra aos protestantes de todo o mundo, de modo especial aos do Brasil. Estou
preocupado com o ataque desses fanáticos às programações da Disneylândia, onde
eu tenho um quartel-general. Através das músicas e filmes da Disneylândia tenho
conseguido êxito junto às crianças, alvo das minhas preocupações. Há dezenas de
anos desenvolvo projetos nessa área sem nenhuma oposição. Agora, ouço vozes
discordantes; combatem minhas mensagens sobre lesbianismo, homossexualismo e
minhas lições sobre violênci  e
ocultismo. Porém, tenho conseguido segurar os meninos diante dos vídeos. Para isso
conto com a valiosa colaboração dos pais, os que são meus aliados.

Estou profundamente triste porque meus mensageiros têm sido expulsos de muitas
casas, em que habitavam há muitos anos; famílias que recebiam nossa assistência
há séculos, conhecíamos seus gostos, seus pratos prediletos, seus costumes e
até imitávamos seus modos de andar e falar; servíamos até de canal entre os
vivos e os que já passaram de lá para cá. Quantos favores não fiz! De uma hora
para outra, essas ingratas criaturas resolvem virar a cabeça e dar ouvidos a
esses crentes e, quando menos espero, meus auxiliares são expulsos sem mais nem
menos. São demitidos sem indenização ou aviso prévio. Nem uma xícara de sangue
recebem! Essas perdas me deixam angustiado. Se fosse um caso aqui, outro acolá,
tudo bem. Mas continuamente sou perseguido.

Filhinhos, a hora da vitória se aproxima. Anotem minhas últimas recomendações.
Estarei na televisão transmitindo outras mensagens: não leiam essa tal de
Bíblia que só contém mentiras; continuem consultando os astros, as cartas, o
mapa astral e tantas outras coisas boas que coloco à disposição de vocês.
Estarei sempre presente em suas consultas para consolar, instruir e fazê-los
progredir. Vocês não ficarão desamparados. Estou pronto a sacrificar minha vida
por vocês, desde que vocês sacrifiquem sua alma por mim. Outra coisa: os
duendes são uma realidade. Creiam neles. Creiam em tudo, menos naquele cujo
nome já citei. Não me esqueçam e eu não esquecerei vocês. Meditem dia e noite
nas minhas palavras. Cuidado, não sirvam a outros deuses. Rezem por mim.

O DIABO

Parte
VI
IRMÃO,
CUIDADO COM A FEITIÇARIA!
Satanismo é a adoração de Satanás e o uso da feitiçaria com
intenções malignas. Hoje, grande parte das pessoas que pertencem ao movimento
satanista declaram-se neopagãos. Na cosmovisão dos neopagãos, os cristãos
distorcem o desenvolvimento da humanidade ao enfatizar o domínio do intelecto
sobre outros aspectos da psiquê humana. Os neopagãos afirmam que os seres
humanos devem viver em harmonia com a natureza e não subordinar vontade e
emoções a Deus.

Para os neopagãos, a religião é uma atividade prática realizada mediante
rituais e cerimônias para alinhar os participantes com a ordem cósmica e assim
liberar o poder místico que existe dentro deles.

As raízes do movimento neopagão estão no romantismo do século 19 e no desejo de
exaltar as emoções e sentimentos acima do intelecto. O poeta William Blake e o
escritor Alphonse Louis Constant [1810-75], também conhecido por Eliphas Levi,
são considerados pelos neopagãos como expoentes modernos do movimento. Mas não
param aí. Também incluem a fundação da Ordem da Aurora Dourada, em 1888, na
Inglaterra, o poeta W. B. Yeats e o mago negro Alistair Crowley. Esta lista foi
crescendo e incluiu Margaret Murray, que disse ter descoberto evidências de uma
religião de bruxaria na Inglaterra anterior à Reforma protestante, e Gerald
Gardiner, dono de um museu da bruxaria na ilha de Man. A maioria dos grupos de
feitiçaria ritual acham suas origens nessas fontes e na crença comum de que são
herdeiros de tradições religiosas milenares.

E A BÍBLIA, O QUE DIZ DISSO?

Tecnicamente, o feiticeiro seria uma pessoa possuidora de conhecimentos
sobrenaturais, sob a forma de bruxaria ou magia. Serve-se de poções, cuja
eficácia depende de palavras mágicas, proferidas segundo determinados rituais,
já que acredita estar investido de forças sobrenaturais, adquiridas por meio da
comunicação com os espíritos dos mortos [Is 8.19]. Já a palavra mago, empregada
na Bíblia, é tradução grega [magoi] do hebraico hartom, e refere-se à pessoa
que pertence a classe dos escribas sagrados, peritos na escrita e possuidor de
vastos conhecimentos [Dn 1.20], inclusive ocultos. No Egito, dois magos
chamados Janes e Jambres [2 Tm 3.8] se opuseram a Moisés. Os feiticeiros e
magos existiram também na Babilônia, Síria e outros países pagãos.

A Bíblia considera as práticas de idolatria, feitiçaria e magia atividades
relacionadas às forças satânicas.

“Entre ti se não achará quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua
filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem
encantador de encantamentos, nem quem consulte um espírito adivinhante, nem
mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é
abominação ao Senhor, e por estas abominações o Senhor teu Deus as lança fora
de diante dele. Perfeito serás, como o Senhor teu Deus. Porque estas nações,
que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o
Senhor teu Deus não permitiu tal coisa”. [Deuteronômio 18.10-14]

“Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como
iniqüidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do Senhor, ele também
te rejeitou a ti, para que não sejas rei”. [1Samuel 15.23].

E a atividade satânica no Antigo Testamento é apresentada como uma força oposta
a Deus e aos Seus seres intermediários pessoais, os malakim [anjos]. No Novo
Testamento, juntamente com a expressão grega daimon [demônio], a presença de
demônios é descrita como sinônimo de espírito imundo [akatharton – Mc 1.24-27;
5.2-3; 7.26; 9.25; At 5.16; 8.7; Ap 16.13] e também espíritos malignos [ponera
– At 19.12-16]. A maioria das referências descrevem a atividade desses
espíritos ou demônios, em especial a possessão.

Na Bíblia nunca se faz menção do feiticeiro a não ser em conexão com os
demônios familiares, porque pertencem a mesma classe dos que invocam os
espíritos dos mortos.

Os cananeus consultavam feiticeiros [Dt 18.9-12], assim como os egípcios [Is
19.3], mas ao hebreu fazer tal coisa era uma desonra, significando pecado de
apostasia [Lv 19.31; 20.6; Is 8.19]. O pecado de feitiçaria era punido com a
morte, Lv 20.27. Saul e depois dele o rei Josias deram execução a esta lei [1Sm
28.3, 9; 2Rs 23.24. Porém Manassés a violou vergonhosamente [2Rs 21.6].

Simão, o mago, e Barjesus foram dois célebres magos na história apostólica [At
8.9, 11; 13.6,8].

CRISTO É O LIBERTADOR!

Devemos levar em conta que muita coisa que era considerada possessão demoníaca
no primeiro século, hoje é entendida corretamente como enfermidade psicológica.
Mas, o aumento das atividades ligadas à prática da idolatria, feitiçaria e
ocultismo, assim como a aceitação da existência e adoração de Satanás [o
adversário], devem fazer com que fiquemos alertas quanto aos perigos do
satanismo.

Nós, evangélicos pregamos que a libertação da sujeição aos demônios envolve a
confissão de fé do indivíduo em Cristo como Salvador, a confissão e o
arrependimento por seu envolvimento com a prática da idolatria, feitiçaria e
ocultismo e o recebimento da libertação que se pode achar em Cristo. É
importante entender que “a ênfase dada à libertação da possessão através
do poder operante de Jesus Cristo deve ser coerente com os ensinamentos do Novo
Testamento e não refletir, de modo algum, os abusos e superstições associados
com a Idade Média”. [S. E. McClelland, Demônio e possessão demoníaca, in
Walter A Elwell, Enciclopédia Histórico Teológica da Igreja Cristã, SP, EVN,
1993, pp.405-408].

“Tornou pois Jesus a dizer-lhes: Em verdade vos digo que eu sou a porta
das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas
as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; se alguém entrar por mim,
salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. O ladrão não vem senão a
roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com
abundância. Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Mas
o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo,
e deixa as ovelhas e foge; e o lobo as arrebata e dispersa. Ora o mercenário
foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas. Eu sou o bom Pastor,
e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. [João 10.7-14].
BIBLIOGRAFIA mínima recomendada Norman L. Geisler, Philosophy of Religion,
Grand Rapids, Zondervan, 1979.
Harris, Archer Jr., Waltke, Dicionário Internacional de Teologia do Antigo
Testamento, SP, EVN, 1998.
Russell Shedd e Alan Pieratt,
Imortalidade, SP, EVN, 1992.
Walter A Elwell, Enciclopédia Histórico Teológica da Igreja
Cristã, SP, EVN, 1993.

Parte
VII
VOZES
DO INFERNO
Circula na internet a notícia publicada num jornal da Finlândia,
sobre uma gravação de sons do interior da Terra, realizada pelo Dr. Azzacove,
que seriam gritos dos moradores do inferno. O pesquisador conta a sua
experiência da seguinte forma:  Como
comunista, não acredito no céu ou na Bíblia, mas como cientista eu agora
acredito no inferno, disse o Dr. Azzacove. Inútil para nós dizer que ficamos
chocados ao fazer tal descoberta, mas nós sabemos o que vimos e ouvimos e
estamos absolutamente convencidos que perfuramos através das portas do inferno!
As brocas começaram de repente a girar descontroladamente, indicando que nós
tínhamos alcançado um bolso ou uma grande caverna vazia. Os sensores de temperatura
mostraram um aumento dramático no calor de 2000 graus Fahrenheit. Nós abaixamos
um microfone projetado para detectar os sons de movimentos de placas de baixo
eixo. Mas em vez de movimentos de placas nós ouvimos voz humana que gritava de
dor. No início pensamos que o som estava vindo do nosso próprio equipamento,
mas quando fizemos os ajustes nossas más suspeitas foram confirmadas. Os gritos
não eram de um único ser humano, eles eram os gritos de milhões de seres
humanos…! Esses sons podem ser encontrados no seguinte endereço:
http://www.uol.com.br/aleluia/estudos/inferno/parte7.htm

A notícia surpreende a todos pelo inusitado: seria a primeira vez que humanos
ouvem vozes de pessoas mortas que estariam no castigo eterno. Antes, porém, de
avalizarmos essa fantástica descoberta e a usarmos como meio de evangelização
que se procedente confirmaria as palavras da Bíblia sobre a existência do
inferno e sobre a condenação dos ímpios, e daria mais uma pancada mortal na
doutrina espírita da reencarnação e inexistência do inferno -, de bom alvitre
deveríamos responder, primeiro, as seguintes questões:

1 – Os sons gravados são realmente vozes humanas? Não haveria a mínima
possibilidade de engano? A gravação foi apresentada a perito para comprovar ou
não a procedência dos sons? Pela importância do assunto, tal providência já
deveria ter sido tomada por alguma denominação.

2 – Qual a extensão da sonda usada pelo cientista para atingir o interior da
Terra, sabendo-se que a litosfera (envoltório sólido e externo da Terra) tem
uma extensão aproximada de 100 quilômetros? Vejam as características da
litosfera (BARSA): Ao estudar a estrutura da Terra, os especialistas empregam
duas classificações. Na primeira, dividem-na em litosfera, astenosfera e
mesosfera. A litosfera é a parte mais rígida, com cerca de cem quilômetros de
profundidade. Menos espessa sob os oceanos, onde pode chegar a cinqüenta
quilômetros, a litosfera pode atingir a profundidade de 150km sob os
continentes. A astenosfera é uma camada menos rígida, de 100 a 700km de
profundidade, e a mesosfera é a parte mais profunda, em estado de fusão. Pela
segunda classificação, a Terra compõe-se de crosta, manto e núcleo. A crosta
vai da superfície até cerca de 35km de profundidade, ponto em que se encontra a
descontinuidade de Mohorovicic (ou simplesmente Moho). Nos continentes, é mais
espessa, com até cinqüenta quilômetros, enquanto no fundo dos oceanos, em
geral, não passa de dez. Embaixo da crosta situa-se o manto, que vai até
2.900km de profundidade, composto de materiais fluidos e heterogêneos quanto à
temperatura e à densidade. O núcleo, formado essencialmente de materiais de
níquel e ferro de grande densidade, situa-se entre os 2.900 e os 6.370km de
profundidade (Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda).

3 Pela descrição da experiência, a sonda do cientista teria atingido o núcleo
da Terra, onde as temperaturas são elevadíssimas. Seria aí o Lago de Fogo e
Enxofre, de Apocalipse 19.20? Parece-me remota a possibilidade de uma sonda
chegar a esse núcleo, em razão da distância, como vimos acima.

4 Digamos que a sondagem tenha sido realizada numa região vulcânica, onde o
magma um material semifluído e altamente aquecido – tenha ficado retido num
bolsão mais próximo da superfície. Ainda assim, teríamos de questionar essa
possibilidade e submeter a acurado debate e exame por pessoas qualificadas.

5 Admitida a hipótese da perfuração por materiais altamente resistentes, a
exemplo das perfurações petrolíferas, seria o caso de se usar, também, uma câmera
de vídeo para que imagem e som do inferno chegassem à superfície.

6 Excluída a hipótese de a sonda do cientista haver perfurado a litosfera até
chegar a um bolsão , dadas as dificuldades insuperáveis, nossa atenção estaria
voltada, então, para a tese da região vulcânica. Ora, existem uns 600 vulcões
ativos, ou seja, com história de erupção conhecida. Perguntamos: em qual deles
estaria o inferno? O inferno estaria estratificado, dividido por seções, e
assim espalhado por muitas regiões? Cada país teria seu inferno particular?
Onde estaria o inferno do Brasil?

7 Por outro lado, só com muito esforço poderíamos admitir a hipótese vulcânica,
pelo simples fato de que o inferno seria uma prisão vulnerável. A não ser que
circundado com portas invisíveis pelo Deus do impossível, o inferno nessas
condições teria uma porta de escape a cratera por onde os mais rebeldes
escapariam.

8 – Por essas e outras o Dr. Azzacove, o cientista ateu, bem que poderia ter
descido a detalhe técnico na explicação do fenômeno. O inferno é sem dúvida um
lugar de castigo eterno, haja vista Números 16.31-33, Isaías 14.15, Provérbios
15.24, Mateus 25.41,46, Apocalipse 14.10, 20.15. O que se deve indagar, quanto
ao episódio, é se esse lugar preparado por Deus para o diabo, os demônios, e os
ímpios, de cujas portas Jesus possui as chaves (Ap 1.18) pode ser facilmente
penetrado por mecanismos humanos.

9 Ora, se Deus permite o acesso através de uma sonda, permitiria também a
entrada de uma filmadora. Com isso, muitos conheceriam, com bastante
antecedência, sua eterna morada. O ibope televisivo explodiria e todos teriam
em casa, ao vivo e em cores, imagens do abismo eterno. Com o avanço vertiginoso
da ciência, não estaríamos muito distante de serem feitas perfurações
gigantescas, de até 2.000km de profundidade, para visita, via férrea, ao Lago
de Fogo e Enxofre. São hipóteses viáveis, se procedentes as suspeitas
levantadas pelo Dr. Azzacove.

10 O assunto precisa ser analisado com cautela, antes de darmos ampla
divulgação nas igrejas. Não me parece fácil aceitarmos a idéia de que o
inferno, possa, doravante, ser acessado por qualquer pessoa, bastando que
possua o equipamento necessário. Se admitirmos a literalidade na interpretação
de alguns textos bíblicos (Efésios 4.9: regiões mais baixas da terra ; Jó
38.16: Profundo abismo ; Apocalipse 19.20; 20.15; 21.8: Lago de fogo e enxofre
; Marcos 9.43; Isaías 66.24: Fogo que não se apaga ) e formos levados ao
entendimento de que o inferno é um lugar físico, devemos entender que esse
lugar é no profundo abismo, onde o fogo nunca se apaga. Ainda que válida a
interpretaçào literal, esse lugar de suplício eterno não se encontraria tão
próximo da superfície terrestre, e vulnerável, que uma sonda de um cientista
ateu pudesse descobri-lo.

Parte
VIII
Diabo:
O nome que está acima de todos os nomes?
Satanás, diabo, maligno, demônios, anticristo – são esses os nomes
mais pronunciados no discurso de alguns púlpitos brasileiros. E dão ibope. O
Evangelho genuíno perdera o significado? O medo do diabo apressa a conversão
dos pecadores? O maligno é responsável direto e único pela doença, falta de
emprego, contendas familiares, falta de fé, preguiça, dificuldade em dizimar,
adultério, por tudo?

A fé, pela qual e através da qual a graça alcança os pecadores, aumenta através
de “ouvir a Palavra” (Ef 2.8-9; Rm 10.17). Não é por saberem o que o diabo faz
ou deixa de fazer. Mas por que mudar o time do diabo, satanás, demônios,
maligno, anticristo se estão marcando gol? Portanto, o despautério continuará.
Todos os dias, o mesmo refrão.

Reparem no discurso do apóstolo Pedro, o primeiro pronunciado logo após o
pentecostes (At 2.14-36). Nenhum nome dessa corte infernal foi mencionado.
Apesar disso, quase três mil almas se converteram (v. 41).

Se duvidam, liguem a televisão em qualquer dia e anotem quantas vezes aqueles
nomes são citados em programas evangelísticos. Embora já soubesse, fiz uma
experiência. Liguei a TV, e nesse exato momento o orador disse: “Isso é um
demônio…”. Para não sofrer desconforto espiritual, mudei de canal
imediatamente.

Ocorre que o diabo dá audiência, dá entrevista, faz malabarismo nos púlpitos,
discursa, faz a festa. Há uns dez anos escrevi um artigo em que citava mais o
nome de satanás do que o de Deus. Então um leitor me advertiu. Sem a invocação
diabo, muitos púlpitos ficariam sem brilho, insossos, esmaecidos, desfigurados.
As ovelhas precisam vir a Cristo por medo do diabo, pensam. Isso tudo tem um
nome: INVERSÃO DE VALORES.

Observem como o nome do diabo e assemelhados é evidenciado num trecho de um
comunicado que recebi nesta data, como abaixo. Não coloquei o nome do
ministério, pois não faço oposição a pessoas nem a igrejas, mas ao fato em si,
a dogmas, doutrinas, teses, modismos, heresias:

“Nós do Ministério… recentemente recebemos esta palavra do Senhor com relação
a 6 de junho de 2006….”.

“O mundo está em agitação. Jesus está perto de visitar a terra com Sua justiça
e glória. Deus está enviando Seu povo para salvar almas, multiplicar igrejas,
cuidar dos pobres e transformar a sociedade em que vivemos. Nós veremos
manifestações do Espírito Santo que irão converter cidades inteiras em um só
dia. A igreja está perto de entrar em seus dias mais poderosos de colheita,
enquanto as forças do mal simultaneamente liberam os espíritos do anti-Cristo
para impedir a igreja de alcançar o destino de Deus. Estamos em guerra!”.

“O diabo entende muito bem o significado e simbolismo atrás de datas e números.
Ele está consciente do plano de Deus para a igreja vitoriosa. Ele fará tudo que
esteja ao seu alcance para conter a poderosa colheita que já se iniciou. Uma
parte de sua estratégia se concentra em uma data chave no ano que vem”.

“A Bíblia nos diz que não devemos ser ignorantes às artimanhas de Satanás. O
diabo colocou 6 de junho de 2006 em negrito em sua agenda de destruição. Pense
nesse número: 6-6-6!”

“As mais poderosas forças ocultas ao redor do mundo como Satanistas, maçons,
feiticeiras (Wicca), Nova Era, bruxas, médiuns e outros estarão ocupados em 6
de junho de 2006 para tentar lançar os planos de Satanás sobre a terra”.

“Eu estou mais certa do que nunca que Deus me falou profeticamente que isso é
um plano do inimigo, e que ELE deseja que o corpo de Cristo ao redor de todo o
mundo tome uma ação para neutralizar o poder de Satanás e levá-lo à derrota”.

Qual foi o nome mais pronunciado nesse comunicado? O de Jesus, o mais valente,
nosso Senhor e Salvador, o Filho de Deus, o Verbo encarnado, o Todo-Poderoso, o
nome que está acima de todos os nomes (At 4.12)? Não. O nome em evidência é do
que já foi derrotado na cruz; que tem um inferno novinho preparado para ele e
seus anjos (Mt 25.41); que foge dos crentes (1 Jo 5.18). Mas a nota declara que
satanás será levado à derrota no dia seis de junho, data em que, segundo a nota
profética, coisas extraordinárias acontecerão. Nada de extraordinário que eu
saiba aconteceu em 06.06.1996, 06.06.1986, 06.06.1976… 06.06.1876…
06.06.1536, 06.06.1666 – datas em que o número SEIS aparece três vezes e
apontam para o número da besta. O apóstolo Pedro não fez nenhuma referência a
datas, a simbologia, ao número a besta, ao diabo e seus anjos. Apenas pregou o
Evangelho do arrependimento e do Cristo ressuscitado. Resumindo, disse:
“Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão
dos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2.38). Eis a essência do
Cristianismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *