PREGAÇÕES  EVANGELÍSTICAS  

473. CINCO PERGUNTAS IMPORTANTES. 
1. Onde estás? Gn. 3:9; Ef. 2:12. 
2. Que fizeste? Gn. 4:10; Rm.3:23. 
3. Donde vens? Gn. 16:8. 
4. Para onde vais? Gn. 16:8. 
5. De quem és tu? 1 Sm. 30:13. 
a) Do mundo, 1 Jo. 2:15-17; 
b) do pecado, Jo. 8:34; 
c) de Satanás, Jo. 8:44; 
d) ou do Senhor? Jo. 3:16. 

474. SETE CONSEQÜÊNCIAS DA QUEDA NO PECADO PARA O HOMEM E PARA SEU SALVADOR. 
1. Dores. Gn. 3:16; Is. 53:3-5. 
2. Sujeição á lei. Gn. 3:16; Gl. 4:4,5. 
3. Maldição. Gn. 3:17; Gl. 3:13. 
4. Fadiga. Gn. 3:17; Is. 53:11. 
5. Espinhos. Gn. 3:18; Mt. 27:29. 
6. Suor. Gn. 3:19; Lc. 22:44. 
7. Morte. Gn. 3:19; Lc. 23 :46. 

475. O QUE DEUS FEZ DE NOÉ. 
1. Seu confidente. Gn. 6:13,17. 
2. Seu amigo. Gn. 6:18; 9:9; Jo. 15:15. 
3. Um pregador. 2 Pe. 2:5. 
4. Salvador do mundo. Gn. 9:1,8,9,11. 
5. Portador da promessa. Gn. 6:18. 
6. Um monumento da graça. Hb. 11:7. 


476. COBIÇA. 
1. Para Eva custou o paraíso. Gn. 3:6,24. 
2. Através dela Ló perdeu tudo. Gn. 13:11; 19:17. 
3. Ela levou Balaão a maus caminhos. Nm. 22:7; 2 Pe. 2:15. 
4. Aos filhos de Coré ela trouxe a morte. Nm. 16:10,32. 
5. Conduziu Acã à perdição. Js. 7:1,25. 
6. Por causa dela Geazi foi castigado com lepra. 2 Rs. 5:27. 
7. Impeliu Judas a cometer suicídio. At. l :18; Mt. 27:5.
8. Por isso observe a exortação do Senhor. Lc. 12:15. 

477. OUTRORA E AGORA. 
1. Outrora, abandonamos a Deus como Adão. Gn.3:8. 
Agora, andamos com Deus como Enoque. Gn. 5:22. 
2. Outrora, erramos como Balaão. Nm.22:21,22. 
Agora, andamos na verdade como a mulher crente. 2 Jo. 4. 
3. Outrora, amamos o mundo como Demas. 2 Tm. 4:10. 
Agora, nós o deixamos como Abraão. At. 7:3,4. 
4. Outrora, vivemos na incredulidade como Israel. Rm. 11:20,22. 
Agora, vivemos na fé como Moisés. Hb. 11:24-28. 
5. Outrora, estivemos nas trevas como Judas. Jo. 13:21-30. 
Agora, vivemos na luz como João. 1 Jo. 1:7. 
6. Outrora, odiamos os irmãos como Saulo. At. 9:1. 
Agora, os amamos como Paulo. 1 Ts. 2:8. 
7. Outrora, andamos em pecado como os efésios. Ef. 2:1-3. 
Agora, andamos no temor de Deus como a igreja. At. 9:31. 

478. O HOMEM NATURAL EM GÊNESIS. 
1. Seu estado corrompido. 6:3,5,6. 
2. O justo juízo de Deus sobre ele. 6:13. 
3. A única saída da sua ruína. 6:14. 
4. O convite divino para a salvação. 7:1. 
5. Uma última advertência. 7:4. 
6. O convite aceito. 7:7.
7. Em plena segurança. 7:16; 8:15-22. 

479. CONFISSÕES OPERADAS POR DEUS. 
1 . Abraão: “Sou pó e cinza”. Gn. 18:27. 
2. Jó: “Eu me abomino”. Jó 42:6. 
3. Asafe: “Sou um ignorante e como um irracional”. Sl. 73:22. 
4. Isaías: “Sou impuro”. Is. 6:5. 
5. Pedro: “Sou um pecador”. Lc. 5:8. 
6. Paulo: “Sou o principal dos pecadores”. 1 Tm.1:15. 
7. João: “Cai a Seus pés como morto”. Ap. 1:17. 

480. SETE GRANDES PROMESSAS EM ÊXODO 6. 
1. Sereis tirados. V.6; Gl. 1:4. 
2. Livrar-vos-ei. V.6; Jo. 8:32-36. 
3. Resgatar-vos-ei. V.6; Tt. 2:14. 
4. Tomar-vos-ei. V.7; 1 Pe. 2:9,10. 
5. Serei vosso Deus. V.7; 2 Co. 6:16. 
6. Levar-vos-ei á terra prometida. V.8; Jo. 17:24. 
7. Dar-vos-ei a terra como possessão. V.8; 1 Pe. 1:3-5. 

481. UMA PALAVRA CLARA SOBRE O ADULTÉRIO. 
1. O adultério é proibido na Escritura. Êx. 20:14. 
2. Deus fala claramente contra ele. Ml. 3:5. 
3. O adultério é julgado por Deus. Hb. 13:4. 
4. O adultério leva à perdição. Pv. 6:32,33; 1 Co. 6:9,10. 
5. Adúlteros encobrem o seu pecado. Jó 24:15. 
6. Começa no coração, mancha-o e prejudica a vida interior. Mt. 5:28; 15:19; Mc. 7:21; 2 Pe. 2:14. 



482. CINCO MANUSCRITOS DISTINTOS. 
1. Os mandamentos de Deus sobre as tábuas de pedra. Êx. 31:18; 34:1. 
2. O manuscrito na parede, para anunciar o juízo. Dn. 5:5. 
3. O que era contra nós. Cl. 2:14. 
4. Na cruz, que nos traz salvação. Mt. 27:37. 
5. No coração, que glorifica a graça. 2 Co. 3:2 

483. A LEPRA, UM RETRATO DO PECADO. LV. 13. 
1. No começo é apenas uma pequena mancha. 2 Rs. 5:11; Lv. 13:2,22,23; 1 Co. 5:6. 
2. Contamina o homem. Is. 1:4-6; Lc. 17:12-19. 
3. É contagiosa. Pv. 4:14,15; Ef. 5:11. 
4. É incurável. Jr. 13:23. 
5. A conseqüência é exclusão. Lv. 13:46; Nm. 5:2-4; Is. 59:2. 
6. Leva à morte. Rm. 6:23; 5:12; Tg. 1:15. 
7. Mas Jesus, e somente Ele, pode curá-la. Hb. 9:22; 1 Jo. 1:7. 

484. FIGURAS DA NOSSA SALVAÇÃO. 
1. A rocha. Dt. 32:15; Sl. 95:1. 
2. A fonte. Is. 12:3; Zc. 13:1. 
3. O capacete. Is. 59:17; Ef. 6:17. 
4. O cálice. Sl. 116:13. 
5. As vestes. Sl. 132:16; Is. 61:10. 
6. O escudo. 2 Sm. 22:36; Sl. 18:2,35. 
7. A tocha acesa. Is. 62:1. 

485. RAABE. JS. 2. 
1. Seu caráter: era uma grande pecadora. 
2. Deus advertiu-a através dos Seus mensageiros. 
3. Sua fé: aceitou a mensagem. 
4. Sua esperança: confiou na palavra. 
5. Seu sucesso: toda sua casa foi salva. 
6. Seu galardão: entrou na genealogia de Cristo. Mt.1:5. 

486. O QUE SANSÃO PERDEU DEVIDO AO PECADO. JZ. 14 E 16. 
1. A confiança de seus pais. 14:3. 
2.Auto-domínio. 16:1. 
3. Sua condição de nazireu. 16:17. 
4. A força divina. 16:19. 
5. Sua visão. 16:21. 
6. Sua liberdade. 16:21. 
7. Sua vida. 16:30. 

487. SEIS CONFISSÕES ABENÇOADAS. 
1. Pequei contra o Senhor. 2 Sm. 12:13; 24:10. 
2. Confesso-me culpado. Jó 42:6 
3. Não me envergonho do Evangelho de Cristo. Rm. 1:16. 
4. Confessei-te meu pecado. Sl. 32:5. 
5. Fizeste a boa confissão. 1 Tm. 6:12. 
6. Sei em quem tenho crido. 2 Tm. 1:12. 

488. ATÉ QUANDO? 
1. Até quando viverei? 2 Sm. 19:34. 
2. Não crerão em mim? Nm. 14:11. 
3. Oscilareis entre dois pensamentos? 1 Rs. 18:21. 
4. Quereis ser néscios? Pv. 1:22. 
5. Ficarás deitado? Pv. 6:9. 
6. Recusarás humilhar-te? Êx. 10:3. 

489. A COMPAIXÃO DE DEUS E A RESPOSTA DO HOMEM. 2 CR. 36:15,16. 
1. A compaixão de Deus. V.15. 
a) Deus compadeceu-se de Seu povo. 
b) Deus lembrou-se deles por causa dos patriarcas. 
c) Lembrou-se do Seu santuário. 
d) Advertiu-os no tempo próprio. 
e) Enviou-lhes Seus mensageiros. 
2. A resposta dos homens à bondade de Deus. V.16. 
a) Zombaram dos mensageiros de Deus. 
b) Desprezaram a advertência divina. 
c) Injuriaram os profetas de Deus. 
d) Desafiaram a ira de Deus. 
e) Não encontraram mais salvação. 

490. REJEITADORES DA GRAÇA DE DEUS. NE. 9:25,26. 
– A bondade de Deus para com Seu povo. V.25. 
– A resposta dos homens á bondade de Deus. V.26. 
1. Eram renitentes e incrédulos. 
2. Rebelaram-se contra Deus. 
3. Rejeitaram Sua lei, a palavra de Deus. 
4. Mataram os profetas de Deus. 
5. Blasfemaram contra Deus. 

491. O OLHAR CONFIANTE PARA O SENHOR OPERA: 
1. Convicção do pecado. Jó 42:5,6; Is. 6:1,5; Ap. 1:7. 
2. A salvação, a redenção de Deus. Êx. 14:13. 
3. Fé viva. At. 7:2-4; Hb. 11:8-10; Jo. 1:29,36,37,46-49. 
4. Libertação da pior escravidão. Mc. 5:6-15. 
5. Alegria permanente. Jo.20:20; Sl.34:5. 
6. Transformação na Sua imagem. 1 Jo. 3:2. 

492. CONVERSÃO. IS. 55:7. 
1. Por que o pecador deve converter-se? 
a) Porque está indo na direção errada. Is. 53:6. 
b) Porque Deus o chama de volta. Ez. 33:11; 18:31,32; Jl. 2:12,13. 
c) Pois as conseqüências do pecado são terríveis. Sl. 7:12,13. 
2. Como o pecador deve converter-se? 
a) Cada um pessoalmente. Ez. 18:20. 
b) Sem hesitar. Mt. 3:10. 
c) Radicalmente, como os Tessalonicenses. 1 Ts. 1:9. 
3. O fruto da conversão: 
a) Descanso e paz no coração. Mt. 11:28-30. 
b) Vida no lugar da morte. Ez. 18:21-23. 
c) Ele é uma nova criatura. 2 Co. 5:17. 
d) Ele está preparado para a volta do Senhor. Mt. 25:10. 

493. QUEM É UM INSENSATO? 
1. Aquele que diz: “Não há Deus”. Sl. 14:1; 53:1. 
2. O que se satisfaz apenas com a aparência exterior. Lc. 11:38-40. 
3. Quem constrói sua casa sobre a areia. Mt. 7:26,27. 
4. Aquele que despreza a instrução. Pv. 15:5; 13:1. 
5. Quem não estiver preparado quando Jesus voltar. Mt. 25:8-11. 
6. Todo o que não crê no Evangelho. Lc. 24:25. 
7. Aquele que confia no seu próprio coração. Pv. 28:26. 

494. EXPERIÊNCIAS DE SALVAÇÃO NO SALMO 32. 
1. O reconhecimento do pecado causa grande aflição. V.3. 
2. A confissão sincera do pecado. V.5. 
3. O resultado: perdão do pecado. V.5. 
4. A oração: o recurso do pecador. V.6. 
5. O refúgio do salvo: Deus. V.7. 
6. A direção divina serve de proteção ao salvo. V.8. 
7. A alegria do salvo conduz para louvar a Deus. V.11. 

495. TRÊS SINAIS DA FÉ VIVA. SL. 40:1-10. 
1. Clamar. V.1. 
a) Esperei pelo Senhor – Ele ouviu o meu clamor. V. l. 
b) O clamor do pecador por compaixão. Sl. 51 :1; Lc. 18:13. 
c) Do discípulo em perigo. Mt. 8:25. 
d) Do necessitado: segue a salvação. Mt. 15:22,25,28 
e) Da fé que traz a salvação. Sl. 40:1,2. 
2. Cantar. V.3. 
a) Ele pôs um novo cântico na minha boca. V.3. 
b) Quem é o cantor? O salvo. 
c) O que ele canta? O novo cântico. Ap. 5:9,10. 
3. Falar e testemunhar. Vv.3-5,9,10. 
a) Primeiro fala o seu andar – muitos o verão. Vv.3-5. 
b) Ele testemunha as incontáveis maravilhas feitas por Deus. Vv.4,5. 
c) Depois a sua língua glorifica na congregação. Vv.9,10. 

496. AS SOLUÇÕES PARA COM OS NECESSITADOS. 
1. Pensa neles e não os esquece. Sl. 40:17. 
2. Salva-os dos seus opressores. Sl. 35:10; 9:9. 
3. Ouve seu clamor receoso. Sl. 69:32,33. 
4. Liberta-os. Sl. 109:31; Jó 5:19. 
5. Farta-os de pão. Sl. 132:15; 112:9. 
6. Levanta-os da miséria. Sl. 107:41. 

497. O QUE O PECADO FAZ. SL. 51; 2 SM. 12. 
1. Mancha o homem. Sl.51:1-5. 
2. Deixa-o infeliz. Sl. 51:8. 
3. Afasta-o da presença de Deus. Sl. 51:11. 
4. Entristece o Espírito Santo. Sl. 51:11. 
5. Tira paz e alegria. Sl. 51:12. 
6. Escandaliza o nome do Senhor. 2 Sm. 12:14. 
7. Afeta o testemunho perante o mundo. Sl. 51:11-13. 
8. Cerra a boca para o testemunho. Sl. 51:14. 
9. Leva ao juízo. 2 Sm. 12:15-23. 
10. É perdoado, quando confessado honestamente. 2 Sm.12:13. 

498. A IMAGEM DO ÍMPIO. 
1. Ímpio desde a sua concepção. Sl. 58:3. 
2. Seu nome cai em podridão. Pv. 10:7. 
3. Sua alma deseja o mal. Pv. 21:10. 
4. Seu caminho conduz à escuridão. Pv. 4:19. 
5. Seu fim é terrível. Sl. 73:18,19. 
6. Sua morte. Sl. 37:20; Jd. 15. 
7. Seu destino eterno. Sl. 9:17. 

499. BUSCA VERDADEIRA. SL. 63. 
1. Como devemos buscar ao Senhor? 
a) Ansiosamente: “A minha alma tem sede de ti”. V.1. 
b) De dia e de noite. V.6. 
c) Com toda confiança. V.8. 
2. Onde devemos buscá-lO? 
a) No Seu santuário. V.2. 
b) Na palavra de Deus. 
c) A sós com Ele. V.6. 
3. Quando devemos buscá-lO? 
a) Na madrugada. Mc. 1:35. 
b) Na vigília da noite. At. 16:25; V.6. 
c) Em todo tempo. 1 Ts. 5:17. 
4. Por que devemos buscá-lO? 
a) Porque Ele enche com júbilo nossos lábios. V.5. 
b) É o nosso auxílio. V.7. 
c) Sua destra ampara-nos. V.8. 

500. O CLAMOR DA SABEDORIA. PV. 1:20-26. 
Nesse clamor nós ouvimos Jesus, que foi feito por Deus sabedoria para nós. l Co. 1:30. Este clamor é: 
1. Em público: ela clama nas praças e nas cidades. Vv.20-21. 
2. Compassivo: “Até quando amareis a necedade?”. V.22. 
3. Repreensivo: “Até quando aborrecereis o conhecimento?” V.22. 
4. Convidativo: “Atentai para mim”. V.23. 
5. Abençoado: “Vos farei saber a minha mensagem”. V.23. 
6. Recusado: “Vós recusastes”. V.24. 
7. O final: “Eu me rirei e zombarei, quando vier o vosso terror”. V.26. 

501. ARROGÂNCIA. PV. 8:13. 
1. É um pecado abominável. Pv. 21:4; 6:17. 
2. Conduz à perdição. Pv. 11:2; Dn. 5:20; Ez. 31:10,11; Ob. 3,4. 
3. Vem antes da queda. Pv. 16:18; 1 Co. 10:12. 
4. Separa de Deus. SI. 10:4;  Pv. 16:5. 
5. O arrogante gloria-se de suas práticas injustas. Sl. 73:6-9. 
6. Engana-se a si mesmo. Gl. 6:3; Ap. 3:17. 

502. CARACTERÍSTICAS DO ÍMPIO CONFORME PROVÉRBIOS 10. 
1. A sua alma permanece insatisfeita. V.3. 
2. Seu nome cai em podridão. V.7. 
3. Na sua boca mora a violência. Ele será arruinado. Vv. 10,11. 
4. Sua obra exalta o pecado. V.16. 
5. Seu entendimento vale pouco. V.20. 
6. Seu temor lhe sobrevém. V.24. 
7. Seus anos serão abreviados. V.27. 
8. Sua esperança perecerá. V.28. 

503. O VINHO ARRUINA A PESSOA. 
1. Siga o conselho do sábio Salomão. Pv. 20:1; 23:29-35. 
2. O exemplo de Daniel e de seus três amigos. Dn. 1:5,8,12. 
3. Uma advertência séria. Hc. 2:15,16. 
4. A grande queda de Noé. Gn. 9:20-25. 
5. Aos sacerdotes era proibido beber vinho. Lv. 10:8-11. 
6. Aja como os filhos de Recabe. Jr. 35:14-19. 

504. UM CONVITE GENEROSO. IS. 1. 
1. Os convidados: 
a) Filhos desviados e revoltados. V.2. 
b) Infiéis e insensatos. V.3. 
c) Iníquos e corruptos. V4. 
d) Doentes e miseráveis. V.5. 
e) Desesperados. V.6. 
2. O convite: 
a) Vir para conversar com o Senhor. V.18. 
b) Aqui se encontram a rebelião do homem e a misericórdia de Deus. 
3. A promessa: 
a) Pleno perdão de todos os delitos. V.18. 
b) Bem-aventurança na terra. V.19. 
4. Uma advertência severa: 
Extermínio, se o convite for recusado. V.20. 

505. UMA PALAVRA AOS REINCIDENTES. IS. 1. 
1. O relacionamento do reincidente com Deus. Is. 1:2. 
2. Os sentimentos do amor de Deus pelo reincidente. Os. 11:8,9. 
3. O chamado amoroso do Senhor. Jr. 3:22. 
4. A grande promessa aos que voltam. Os, 14:4,5. 
5. Deus recebe o filho pródigo cheio de amor. Lc. 15:20-24. 
6. O caminho do regresso é simples. Is. 1:16,17; 1 Jo. 1:9. 
7. A condição para regressar: reconhecimento dos pecados. Jr. 3:13. 
8. O convite e a promessa. Jr. 3:14; Hb. 3:15. 

506. A IMAGEM DO HOMEM. 
1. Natural. 
a) A cabeça. Is. 1:5. 
b) Os olhos. At. 28:27. 
c) A boca. Rom. 3:14. 
d) O ouvido. Mt. 13:15.
e) As mãos. Is. 1:15. 
f) Os pés. Rm. 3:15. 
2. Transformado pela graça. 
a) A cabeça. Sl. 23:5. 
b) Os olhos. Jo. 9:25. 
c) A boca. Sl. 40:3. 
d) O ouvido. Jo. 10:27. 
e) As mãos. Ef. 4:28. 
f) Os pés. Ef. 6:15. 

507. O QUE ISAÍAS FOI E O QUE ELE SE TORNOU. IS. 6. 
1. Um homem impuro. V.5. 
2. Convicto. V.5. 
3. Confesso. V.5. 
4. Purificado. Vv.6,7. 
5. Santificado. V.8. 
6. Obediente. V.8. 
7. posto em serviço. V.9. 

508. QUATRO QUESTÕES SÉRIAS E A ÚNICA SAÍDA. IS. 10:3,4. 
1. O que quereis fazer no dia do juízo? 
a) O juízo temporário. Is. 8:7,8. 
b) O juízo eterno. Mt. 8:12; 13:41,42,50; 22:13; 24:50,51; 25:30. 
2. Para onde você quer fugir? Sl. 139:7-10; Hb. 2:3. 
a) Desculpas tolas. Lc. 14:16ss. 
b) Obras vãs. Mt. 7:22,23; 25:1-12. 
3. Onde você encontra abrigo diante da tempestade? Mt. 8:24-27. 
a) O juízo temporário. Ez.13:10ss. 
b) O juízo eterno. Ap. 18:21. 
4. Onde você guarda os seus tesouros? Tg. 5:2,3. 
Perdas temporárias e eternas dos tesouros. Mt. 6:19-21. 
5. A única saída: Is. 10:20ss; 11; 2 Co. 5:21. 

509. EIS QUE DEUS É A MINHA SALVAÇÃO. IS. 12. 
1. No passado. 
a) Tu estavas irado contra mim, por causa do meu pecado. Is. 54:7; Nm.25:3; Sl. 38:1-5. 
b) Como outrora, contra o mundo antigo. Êx. 6:13; 7:21-23; Sl. 90:11. 
2. No presente. 
a) Deus é minha salvação: Jesus carregou a ira. Is. 53:5-8. 
b) Ele foi feito pecado por nós. 1 Pe.3:18; Gl. 3:13. 
3. No futuro. 
a) Confiarei e não temerei. V.2; Sl. 27:1. 
b) É minha força. V.2; 40:31. 
c) É a minha alegria e o meu cântico. Vv.2,3; Êx. 15:2. 
d) Merece meu louvor. V.4; Sl. 103. 
e) Por Ele, dou meu testemunho: pregai Seu nome. V.4. 
f) E a minha glória: Ele fez cousas grandiosas. V.5. 
g) Grande é o Santo de Israel no meio de ti. V.6; Mt. 28:20. 

510. NOSSA SALVAÇÃO. 
Deus é: 
1. A fonte da salvação, da qual tiramos água. Is.12:3. 
2. O caminho da salvação, pelo qual andamos. Jo. 14:6. 
3. A confissão da salvação para bem-aventurança. Rm. 10:10. 
4. A certeza da salvação pelo Sangue de Jesus. Hb. 10:19-22. 
5. A alegria da salvação para gozo interior. Sl. 51:12. 
6. O capacete da salvação para proteção. Ef. 6:17. 
7. As vestes da salvação para nos cobrir. Is.61:10. 

511. DEUS CONVIDA-NOS PARA UMA FESTA. IS. 25:6. 
1. A entrada é livre e gratuita. Is. 55:1. 
2. Vários mensageiros estão convidando. Mt. 22:8,9; Jo. 11:28; 1:43ss; Ap. 22:17. 
3. Também os pequeninos são bem vindos. Mt.19:14. 
4. Convida pobres e abandonados. Lc. 14:21. 
5. Os pecadores são chamados. Mt. 9:13. 
6. Ele espera por cansados e sobrecarregados. Mt. 11:28. 
7. Ninguém será lançado fora. Jo. 6:37. 

512. FALSAS DESCULPAS. IS. 28:17. 
1. Deus é amor, por isso não condena ninguém. 2 Ts. 1:8,9; Sl. 143:2. 
2. Sou tão bom quanto os outros. Hb. 11:6. 
3. Faço sempre o melhor que posso. Rm. 3:19,20. 
4. Também creio em Deus. Jo. 3:36; Tg. 2:19. 
5. Fui educado dentro da religião. Jo. 8:39ss; Mt. 3:7-9. 
6. Tenho um bom coração. Jo. 3:5; Jr. 17:9. 
7. Todos fomos salvos. Mt. 7:21; Mc. 16:16. 
8. Cada um se salvará segundo seu próprio caminho. Is. 55:7,8. 

513. REFÚGIO E SALVAMENTO VERDADEIRO E FALSO. IS. 28:17. 
1. O motivo para o profeta: 
O juízo anunciado e a busca por um lugar de salvamento. 
2. Saídas e desculpas erradas: 
a) Esforços próprios e morais. Mt. 23 :23ss; Rm. 3:20; Gl. 3:10. 
b) Jogar a culpa sobre os outros: indicação para o certo e o aparente fracasso dos crentes. Mt. 12:1ss. 
c) O ensino da salvação universalista. Ele é contestada pela escritura. Jo. 1:12; 2 Ts. 1:8,9; Jo. 3:36. 
d) Outras heresias, l Tm. 4:1; 2 Tm. 4:3,4; 1 Jo. 2:18. 
3. Sinais do refúgio verdadeiro: 
a) A consciência tranqüiliza-se. Hb. 4:16; 10:22. 
b) Renovação total. 2 Co. 5:17. 
c) Comunhão e perdão de pecados. 1 Jo. 1:7-9. 
d) Morte bem-aventurada. Fp. 1:21. 
e) Livramento do juízo. Jo. 5:24. 
4. Qual é o verdadeiro refúgio? 
a) O sacrifício de Jesus Cristo pelos pecadores. Rm. 4:25; 5:1-11; 1 Co. 3:11. 
b) Ele é o único fundamento. Is. 28:16. 

514. TEM MISERICÓRDIA DE MIM. IS. 38. 
1. O pecador reconhece seu pecado. V.17. 
2. Sua grande necessidade. Vv.13,14. 
3. O salvamento: “Tu me livraste da cova”. V.17. 
4. Seu privilégio: “Tu perdoaste tudo”. V.17. 
5. Sua alegria: ele louva todos os dias a graça de Deus. V.20. 

515. O OLHAR DA FÉ. IS. 45:22. 
Através deste precioso convite Charles Spurgeon (um grande pregador na Inglaterra, no século passado) se converteu. 
1. Olhai para mim. 
a) Somente para Ele; não para nenhum substituto humano ou outro qualquer. 
b) Confiantemente, como a pecadora. Lc. 7:37-50. 
c) Esperançosamente, como os mordidos pelas serpentes. Nm. 21:9. 
2. A grande benção que sucede. 
a) Sereis salvos da culpa do pecado. Jo. 3:16. 
b) Igualmente do poder do pecado. Mt. 1:21; Lc. 19:10. 
c) Da ira vindoura de Deus, do inferno. l Ts. 1:10; Is. 50:9. 
3. Os convidados. 
a) Os que estão perto e aqueles que estão longe. Ef. 2:17. 
b) Homens honestos como Nicodemos. Jo. 3. 
c) Perdidos profundamente como a samaritana. Jo. 4. 
d) De todas as raças, nações, classes e línguas. At. 2:5-11; Is. 65:1. 
4. O simples caminho para essa salvação: “Olhai”. 
a) Não por boas obras ou ofertas. Is. 52:3. 
b) Vale somente olhar para Ele. Hb. 12:2; Jo. 1:36. 
5. A bênção que provém desse olhar. 2 Co. 3:18; 4:4. 
6. A perda decorrente da omissão. 
a) Eu sou Deus e há nenhum outro. At. 4:12. 
b) Fora dEle não há salvação, somente a horrível expectativa do juízo vindouro. 2 Ts. 1:8,9; Hb. 10:26 ss. 

516. ATRAVÉS DE SUAS PISADURAS FOMOS SARADOS. IS. 53:4,5. 
1. Uma doença incurável. 
a) Neste mundo todos os homens estão doentes. Is.1:5,6. 
b) A doença é hereditária. SI. 51:5. 
c) Nenhum médico pode ajudar. Jr. 8:22; 46:1 1. 
d) Leva, com certeza, à morte eterna. Jr. 9:15; Lv. 26:38,39. 
2. Um médico que nunca falha. 
a) Ele é onisciente e conhece qualquer doença. Jo. 11:4,11. 
b) E compassivo. Jo. 9:1ss; Lc. 22:50,51. 
c) Pode ser consultado a qualquer hora. Lc. 18:15,16. 
3. Seu método de cura. 
a) “Certamente, tomou sobre Si as nossas enfermidades”. Is. 53:4. 
b) O Senhor fez cair sobre Si a iniqüidade de todos nós. 2 Co. 5:21; Gl. 3:13. 
c) Esse tratamento ajuda a todos, sem exceção. Jo. 3:16. 
d) “Através de Suas pisaduras fomos sarados”. Is. 53:5; 1 Pe. 2:24. 
4. O que este médico exige dos doentes. 
a) Fé. At. 16:31. 
b) Reconhecimento dos pecados. Jr. 3:13. 
c) Confissão dos pecados. 1 Jo. 1:9. 


517. RIQUEZA PARA NECESSITADOS. IS. 55:1-3. 
1. A tolice dos homens. 
a) Gastam muito dinheiro em cousas sem valor e muitas vezes prejudiciais. 
b) Gastam seu salário naquilo que não satisfaz. 
2. Um bom conselho de Deus. Ap. 3:18. 
a) Ouçam-me. Ap. 3:20; Hb. 3:7,8. Is. 45:22. 
3. O rico suprimento que Deus oferece. 
a) Água para matar a sede e para purificação. Jo. 4:14; 13:5. 
b) Pão com fartura, para saciar a fome. Lc. 15:17; Jo. 6:35. 
c) Leite, para o crescimento. l Pe. 2:2. 
d) Vinho, para alegrar o coração. Sl. 104:15. 
4. Para quem vale este convite? 
a) Para todos que têm sede. 
b) Para todos sem recursos. 
c) Mas somente para aqueles, que reconhecem a sua necessidade. 

518. UM QUÁDRUPLO CHAMADO DE DEUS. IS. 55:6,7. 
Sem Isaías 53, este chamado da graça seria impossível. Por causa do sangue que Jesus derramou, nós podemos clamar: “Reconciliai-vos com Deus”, 2 Co. 5:20, pois Ele é a propiciação pelos nossos pecados, 1 Jo. 2:2. 
1. Buscai ao Senhor. 
Todos os homens buscam, mas não buscam a mesma coisa, Rm. 11:7. Busque-O enquanto se pode achar, Jo. 12:35,36. Ele não pode ser achado sempre, Jo. 7:33,34. 
Muitos procuraram tarde demais, Mt. 25:11,12; Hb. 12:15-17. Como devemos buscá-lO? Diligentemente, Lc. 15:8, e em oração, Dn. 9:3; Mt. 7:7. 
2. Invocai-O enquanto está perto. 
Como outrora, Sansão, Jz. 16:28; ou como Israel no Egito, Êx. 3:7. Como Ezequias, na agonia da morte, Jr. 38:2,3; ou como Davi em grande aflição por causa do pecado, Sl. 40:1,2. 
3. O perverso deixe o seu caminho. 
O caminho do pecado, que parecia tão atraente, Lc. 15:11-13; Pv. 14:12. O Senhor vê os maus pensamentos e exige que sejam deixados. Jo. 2:25; Mt. 15:18,19. 
4. Ele deve converter-se ao Senhor. 
Somente assim, e não de outro forma, que o homem encontra paz. Lc. 15:18 ss. Ele encontra felicidade, compaixão e perdão, e recebe as vestes da justiça. 

519. O MINISTÉRIO DO SENHOR VINDOURO. IS. 61:1-3. 
Nenhum profeta falou tão amplamente como Isaías sobre a vinda e o ministério do Senhor. 
1. O Senhor como pregador. 
a) Ensinou com autoridade e não como os escribas. Mt. 7:29. 
b) Falou de si mesmo: o Espírito do Senhor está sobre mim. Is. 61:1; Mt. 3:16. 
c) No poder do Espírito Ele realizou todos os milagres que a Escritura relata e que reforçam Sua mensagem. 
2. O Senhor como Médico. 
a) O testemunho de Pedro. At. 10:38. 
b) O testemunho do próprio Senhor. Mt. 11:5. 
c) A profecia do profeta Isaías. Is. 53:5. 
3. O Senhor como Libertador. 
a) A promessa do anjo a José. Mt. 1:21. 
b) A pregação de Pedro. At. 4:12. 
c) Um exemplo prático. Mt. 8:28-34. 
d) Sua impossibilidade, quando os amarrados não querem ser libertos: Judas Iscariotes e Herodes. Mt. 27:3ss; At. 12:23. 
4. O Senhor, como pregador do grande ano do jubileu. 
a) Sua pregação em Nazaré; a rejeição pelos judeus. Lc.4:16-30. 
b) A realização. Ap. 21. 
5. O Senhor, como o consolador compassivo. Is. 61:2,3. 

520. UM CLAMOR DA GRAÇA AOS DESVIADOS. JR. 3:12-17. 
1. Um convite maravilhoso. V.12. 
2. Uma promessa rica. V.12. 
3. Uma confissão necessária. V.13. 
4. Uma promessa acrescentada. Vv.14-17. 

521. VEDE OS PÁSSAROS. JR. 8:7. 
A palavra de Deus contém muitas comparações e exemplos da vida prática, para tomar a mensagem de Deus compreensível aos homens. Este texto refere-se ao comportamento dos pássaros. Compare com Mt. 6:26. 
1. Os pássaros migratórios mudam-se no tempo certo, para evitar as inclemências do inverno. 
2. Fazem esta longa viagem, não se acomodam. 
3. Não confiam no seu ninho quente. Gn. 19:15,16. 
4. Não se deixam enganar por outros pássaros que durante o inverno devem e podem ficar no lugar onde estão. 
5. Os pássaros migratórios não conhecem direção e destino. Viajam pela orientação de Deus, não pelo seu próprio critério. 
6. Por isto, são um exemplo de obediência para os homens. 
7. O homem natural não se deixa guiar. 1 Co. 2:14. 
8. Mas quem se entregar aos cuidados de Deus, será guiado seguramente. Jo. 14:5,6. 
9. Os pássaros migratórios não levam suprimento. São sustentados por Deus. Lc. 9:3; 10:4,35; Mt. 6:26. 
10. Durante a viagem os pássaros param para se alimentar e descansar, porém anseiam atingir o alvo. 
11. Assim também o cristão está no mundo, mas não é do mundo. 
12. Deus não permite, que os pássaros, nem Seus filhos pereçam na viagem. 
13. Os pássaros migratórios mais jovens seguem o exemplo dos mais velhos e experientes. Pv. 1:8; Ef. 6:1-3; Cl. 3:20. 

522. NÃO SE GLORIE. JR. 9:23,24. 
A vanglória do homem é grande, apesar de não ser nada. 
1. A glória errada. 
Não se glorie: 
a) Da sua sabedoria. V.23; Is. 29:14; 1 Co. 1:19ss. 
b) Do seu poder. Com a própria força não se consegue nada. Dn. 4:28-33. 
c) Da sua riqueza. V.23. 
Pois ela pode desaparecer rapidamente. 2 Rs. 20:12-19. 
2. A glória correta. 
Quem se gloria, glorie-se: 
a) No Senhor. V.24; 1 Co. 1:31. 
b) Do conhecimento de Deus. Rm. 11:33. 
c) Da cruz, como Paulo. Gl. 6:14. 
d) Na tribulação. Rm. 5:3. 
e) Da glória vindoura. Rm. 5:2. 
f) Da sua fraqueza. 2 Co. 11:30; 12:9,10. 

523. CONHECIMENTO, CONFISSÃO E SÚPLICA. JR. 14:17-22. 
1. Conhecimento. Um estado calamitoso: 
a) A quebra da fidelidade de Israel. Vv. lo,17. 
b) Os mortos nos campos. V.18.  
c) Fome tremenda. V.18. 
2. Confissão. V.20. 
a) Reconhecimento do próprio pecado é uma grande graça. V.20. 
b) O reconhecimento é um presente de Deus. At. 5:31; 11:18. 
c) Israel também reconheceu a sua triste origem. V.20. 
d) “Nós pecamos contra ti”. V.20; Sl. 32:5; Pv. 28:13. 
3. Súplica. 
a) Ela baseou-se no grande nome de Deus. V.21; Jo. 14:13,14. 
b) Eles pediram por amor da Sua glória. V.21. 
c) Eles suplicaram para que Deus não anulasse Sua aliança. V.21; Êx. 2:24; Is. 55:3. 
d) Eles lembraram a Deus Sua onipotência. V.22; Sl. 91:1. 

524. A MARAVILHOSA VONTADE DE DEUS. JR. 32:37-41. 
Sete desejos do nosso Deus, semelhante a Êx. 3:7,8. A situação: A terra de Israel estava destruída, mas Deus prometeu salvação. 
1. Eu os congregarei de todas as terras, a fim de separá-los para Meus propósitos. V.37; Ef. 2:3-7. 
2. Trarei-os de volta a este lugar, para habitarem nele seguramente. 
Segurança existe somente em Cristo. V.37; Jo. 10:27-30. 
3. Serei o seu Deus. V.38; 1 Jo. 3:1. 
4. Dar-lhes-ei um só coração, V.39. 
Não devem mais viver separados. Jo. 17:20,21. 
5. Farei com eles uma eterna aliança. V.40; 2 Co. 6:17,18. 
6. Porei o meu temor no seu coração, para não adorar mais aos ídolos, e sim somente a Deus. V.40; At. 9:31. 
7. Alegrar-me-ei por causa deles. V.41; Sl. 16:3. 

525. DEUS OFERECE SEU AMOR AOS INDIGNOS. JR. 33:1-9. 
1. A situação: 
Judá estava totalmente desviada. O profeta estava aprisionado, Jerusalém destruída, mas Deus revelou Sua maravilhosa graça. 
Este é o propósito de Deus com o pecador perdido. 
2. A condição divina para receber as bênçãos: 
Invoca-me, V.3. Todas as vezes que, estando em perigo, clamaram ao Senhor, Ele os salvou da mão dos inimigos. Jz. 3:9,15;4:3; 6:6. 
3. A grande promessa, Deus diz eu quero: 
a) Sará-los e dar saúde. V.6. 
b) Dar-lhes paz e segurança em abundância. V.6. 
c) Libertá-los do cativeiro. V.7. 
d) Restaurá-los. V.7. 
e) Purificá-los dos seus pecados. V.8. 
f) Perdoá-los. V.8. 
g) Seu testemunho deve glorificar a Deus. V.9. 

526. O JUÍZO DE DEUS SOBRE MOABE. JR. 48. 
1. A razão do juízo de Deus: 
a) Porque Moabe confiou nas suas próprias obras. V.7. 
b) Ficou indiferente. V.11. 
c) Era orgulhoso e arrogante. V.29. 
d) Sacrificou aos ídolos. V.35. 
2. O juízo vindouro: 
a) O juízo é certo. Deus anunciou-o. Vv.1,8. 
b) Está diante da porta. V.16; Mt. 24:33. 
c) Virá inesperadamente. Mt. 24:42. 
3. A ordem de Deus: 
“Fugi”. V.6; Mt. 24:16. 
4. O único refúgio: 
A rocha, que é Cristo. V.28; Êx. 17:6; Nm. 20:8; 1 Co. 10:4. 

527. O QUE O HOMEM SEMEAR ISTO TAMBÉM COLHERÁ. LM. 1. 
1. Judá colheu o fruto do pecado. 
2. O homem está preso e sem descanso. V.3. 
3. Passa fome e não tem pasto. V.6. 
4. Está necessitado e abandonado. V.7. 
5. Não tem consolador. V.9. 
6. É desprezado. Vv.7,11,21. 
7. É duramente oprimido. Vv.3,14. 
8. Foi enganado. V.19. 

528. DESCONTENTAMENTO E SUAS CONSEQÜÊNCIAS. LM. 3:39. 
Jeremias entristeceu-se pelo sofrimento de Jerusalém, causado por Nabucodonosor. Mas ele bem sabia que Israel é que havia provocado tal situação por causa do seu pecado. O povo também se queixou, mas resistiu em reconhecer a sua culpa. Lm. 1:1-10. 1. Reclamação e murmuração injustificadas, são pecado. 
a) Dirigem-se contra o próximo e contra Deus. 
b) São falsas e injustas, pois fazem outros responsáveis pelas conseqüências do seu próprio pecado. 
c) O homem murmurador não quer reconhecer que Deus, apesar da severidade do castigo, tem pensamentos de paz e não de mal. Jr. 29:11. 
d) De tanto murmurar, a humanidade tornou-se cega para com a graça presente, dada por Deus e das Suas promessas. Sl. 34:9,10; Hb.13:5,6; Fp. 4:19. 
e) Murmuração conduz ao juízo. Dt. 16; 21; Jd. 14-16. 
2. Descontentamento que traz salvação. 
a) Murmurar sobre o próprio pecado. 
b) Auto-exame. Mt. 15:19; Rm. 3 :23; Lc.15:17ss. 
c) Conversão. 
3. A recompensa maravilhosa. 
a) Comunhão com Deus. Ap. 3:19. 
b) A promessa do eterno galardão. Ap. 22:12. 

529. O SERVIÇO DE ATALAIA DOS FILHOS DE DEUS. EZ. 33:7-11. 
Deus lembra Ezequiel, que Ele o colocou como atalaia sobre Israel, V.7; 3:17-21. Atalaias são necessários, porque o inimigo age constantemente, Mt. 13:25,28. Existem atalaias infiéis, Is. 56:10, e fiéis. Is. 62:6. 
1. A responsabilidade dupla do atalaia. 
a) Deve ouvir a palavra. V. 7. 
Seus olhos devem ver e seus ouvidos ouvir. 
b) Deve advertir até os ouvintes reconhecerem a sua iniqüidade. V.8. 
Eles devem saber que merecem a morte por causa dos seus pecados. 
2. A responsabilidade dos advertidos. 
A advertência é igual a uma ordem de conversão. Conversão é um ato de obediência e é obra do homem. O resultado, o novo nascimento, é obra do Espírito Santo. 
3. O chamado da graça. V. 11. 
Deus se compadece das Suas ovelhas. Chama-as com Seu amor divino, que é bem evidente na Palavra da cruz. “Pai, perdoa-lhes”. Deus adverte e chama. Jr. 6:17; Lc. 13:2,3; Jo. 3:36. 
Quem ouve o chamado e vem, salva a sua alma. 

530. O BOM PASTOR. Ez. 34:11-16; (SL. 23). 
1. Procura as ovelhas. V.11. 
2. Salva-as e cuida delas. V.11. 
3. Guia-as da terra estranha para a terra prometida. V.13. 
4. Pastoreia-as. V.14. 
5. Quer ser tudo para elas. V.16. 
6. Mas elimina a ovelha gorda, que confia em si. V.16. 

531. O VELHO E O NOVO CORAÇÃO. EZ. 36:25-32. 
O coração do homem é por natureza rebelde e resiste a Deus, seu Criador. Jr. 17:9; Gn. 6:5. 
1. As características do velho coração. 
a) É de pedra, por isso a expressão “duro de coração”. Jr. 5:23. 
b) É cruel. Pv. 12:10; Lc. 16:19ss. 
c) É maligno como o de Nabal. l Sm. 25. 
d) Está morto em pecados como o de Manassés. 2 Cr. 33. 
2. A intervenção de Deus. 
Deus não tenta melhorar o homem, não faz remendos, mas dá ao homem um novo coração. Jr. 24:7; 31:33,34; Sl. 51:10. 
3. As características do novo coração: 
a) É de carne, portanto segundo o propósito divino. 
b) Neste coração o Espírito de Deus pode habitar. Ez. 39:29. 
c) Os frutos de sua obra são agradáveis a Deus. At.16:14,15; 9:36-42. 
d) Rejeita a natureza ímpia. Rm. 1:18 ss. 
e) Ama a palavra de Deus e permanece nela. SI. 119:105; Gn. 5:22 ss. 
f) As promessas de Deus são para ele. Ez. 36:29ss; Lc. 24:49. 

532. GRANDES PROMESSAS. EZ. 37. 
Ezequiel vê no Espírito a restauração vindoura de Israel. Ele vê o seu regresso ao lar terrestre, que já se iniciou, e mais claramente o regresso a Deus e a aceitação do Messias. 
No capítulo 36:24-38 é profetizada a restauração e, no capítulo 37, já é vista como realizada. 
O versículo 11 é o versículo-chave: “Os ossos são a casa de Israel”. O desenvolvimento é o seguinte: 
A) A saída de Israel das sepulturas. V.12. 
B) Sua entrada na terra de Israel. V.12. 
C) Seu enchimento com o Espírito Santo. V.14. 
1. Como ocorreu esta profecia. 
Ezequiel estava no Espírito do Senhor, como mais tarde João, Ez. 37:1 e Ap. 1:10. Somente no Seu Espírito é que compreendemos as coisas espirituais. Primeiramente, Deus leva-o para fora do tumulto do mundo e conduz a um lugar a sós com Ele, depois Ele dá revelações. 
2. O que Ezequiel viu. 
Um vale cheio de ossos secos, portanto sem esperança. Homens que, como Israel, desviam-se de Deus, são mortos para Deus. Esta é a imagem do cristianismo hoje. Ap. 3:14-22. 
3. A pergunta examinadora de Deus. V.3. 
“Acaso poderão reviver estes ossos?”. Inclinados para a carne não têm entendimento para isso, mas homens de olhos abertos vêem este campo de trabalho desconsolador. Eles somente agirão se se sentirem e se afligirem como Deus. 
4. A resposta de Ezequiel. V.3. 
“Senhor, tu o sabes”. Somente Deus pode fazer reviver. Ali os esforços humanos não têm poder. Somente Deus pode ressuscitar os mortos espirituais. Ef. 2:1 ss. 
5. A ação divina. 
Virá somente quando vermos a miséria e condoermo-nos dela. Como veio a ajuda? Ezequiel fez o que Deus lhe ordenou: 
a) Profetizou aos ossos. V.7. 
b) Chamou o fôlego divino. V.9. 
Em outras palavras: anunciou aos mortos espirituais a palavra da vida. A pregação da palavra e a oração foram sempre os meios para o novo nascimento. Diante de tal obediência não tarda a resposta divina. V. 10. 

533. O RIO DA VIDA. EZ. 47:1-12. 
O rio misterioso tem grande significado profético. No milênio vindouro fluirão rios de água viva do santuário para os desertos da terra, Zc. 14:8. Tudo viverá, por onde quer que passe este rio. V.9. 
1. O rio. 
Ele é extenso e lindo. É riquíssimo em bênçãos para a terra. 
a) Sua origem. (Nascente). V. 1. 
Flui do santuário e é uma figura do Espírito Santo que vem do Pai. Jo. 15 :26; Lc. 24 :49. 
b) Sua corrente. V. l ; Zc. 14: 8 ; Ap. 22:1. 
A água desce do altar (cruz), do lugar de todas as bênçãos, e corre para uru mundo sedento. O Espirito Santo foi dado somente após a morte de Jesus Cristo no Gólgota. 
c) Sua força. 
O rio cresceu em poder e plenitude, apesar de não haver afluentes. Os rios deste mundo não podem enriquecer o trono de Deus. 
– O rio traz saúde. V.8; 
– Ele revive. V.9; 
– Ele fertiliza. V.12; 
Assim age o Espírito Santo naqueles que crêem em Jesus. Jo. 7: 38,39. 
2. A experiência crescente neste rio. 
Enquanto o profeta obedecia, passava por experiências cada vez mais profundas: 
a) A água atingindo os artelhos, V.3, representa a idade infantil do crente, isto é, a fé daquele que se decide a Deus e entra no rio da vida divina. 
b) Atingindo os joelhos, V.4, indica claramente para a vida de oração, o espirito de oração. Dali jorram bênçãos em abundância.  
c) Atingindo os lombos, V.4, indica para o mistério da força e é uma imagem do serviço. O homem, que ora, é logo um homem que dá testemunho. 
d) Atingindo o nível para nadar, V.5, mostra-nos que quanto mais submersos estamos nas águas do rio, menos vemos o nosso próprio eu. Este estado indica a plenitude da graça divina e revela o auge da vida de fé. 

534. A PROVA DE FOGO. DN. 3. 
A grande imagem do sonho no capitulo 2 foi certamente para Nabucodonosor a motivação para levantar a estátua, a marca do culto aos ídolos. Gn. 11; Ap. 13:11-15. 
1. Uma grande festa. 
Com uma cerimônia de Estado, foi grandiosamente inaugurada a estátua. Todos os príncipes, altos funcionários e conselheiros foram convidados, entre outros, também os três hebreus. Todos deviam comparecer, por ordem do rei, e se prostrar diante da imagem para adorá-la. 
2. Três “desobedientes”. 
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego (os nomes judaicos estão em Dn. 1:7), não se prostraram diante do ídolo, porque queriam permanecer fiéis ao Deus único. Filhos de Deus são chamados para fora do mundo, um povo de testemunhas, que abandonou os falsos deuses para servir ao Deus vivo e verdadeiro, At. 14:15; 1 Ts. 1:9. O povo de Deus não entra em acordo com falsos deuses. 
3. Acusados. Vv. 8-12. 
Satanás não somente nos acusa diante de Deus, mas também diante dos homens. Os lideres religiosos são os acusadores destes “homens incomuns”. Os assassinatos mais cruéis em todos os tempos foram cometidos por motivos religiosos. Não se encontrou culpa neles senão a de ter uma fé diferente, Dn. 6:5. Satanás lançou José na prisão, Daniel na cova dos leões e o Senhor foi pregado na cruz, mas tudo conforme os planos de Deus. 
4. O comportamento dos fiéis. Vv. 13 -18. 
Seu comportamento não era de rebeldia contra o rei e sim de fidelidade para com Deus. 
a) Eram corajosos: não temiam o rei. 
b) Eram confiantes. V.17; Lc. 12:11. 
c) Eram obedientes ao máximo. V. 18. 
d) Serviram para a glorificação de Deus. Vv.2 8-30. 
5. As conseqüências. Vv.19-23. 
O mesmo Nabucodonosor, que ontem honrou os três homens, (Cap.2 ), lançou-os hoje na fornalha. Assim é o mundo. 
6. Um final honroso para Deus. Vv.26-30. 
A alegria dos inimigos de Deus é curta. Com grande agitação todos olharam para a fornalha ardente. Homens invejosos já deviam estar contando com os cargos que ficariam livres. 
Mas o que aconteceu? 
a) A grande fidelidade de Deus. 
Deus mesmo entrou com Seus servos fiéis no fogo, como com José na prisão. Gn.39:21. 
b) O grande poder de Deus. 
O fogo não pode lhes causar dano, porém Deus permitiu que os servos de Nabucodonosor perecessem. 
c) A impotência de Nabucodonosor. 
Ele percebeu que não era nada, masque Deus podia fazer tudo. Ao mesmo tempo, este milagre foi uma severa advertência de Deus aos judeus na Babilônia e a todos os participantes da cerimônia. 
Uma prova maravilhosa da fé que vence tudo. 1 Jo. 5:4. 

535. A SOBERBA PRECEDE A RUÍNA. PV. 16:18. 
A verdade destas palavras nós vemos claramente: 
1. No rei Nabucodonosor. Dn. 5:20,21. 
2. No rei Belsazar. Dn. 5:22-30. 
3. No rei Amazias. 2 Rs. 14:10-20. 
4.No rei Uzias. 2 Cr. 26:16-21. 
5.No rei Amom. 2 Cr. 33:21-24. 
6. No príncipe de Tiro. Ez. 28:2-10. 
7. No rei Herodes. At. 12:22,23. 

536. UMA SINCERA E MÚLTIPLA CONFISSÃO DE PECADOS. DN. 9:5-18. 
1. Temos pecado. 
2. Cometemos iniqüidades. 
3. Somos rebeldes. 
4. Apartamo-nos dos Seus mandamentos. 
5. Procedemos perversamente. 
6. Não obedecemos. 
7. Devemos nos envergonhar. 
8. Pedimos por misericórdia. 

537. A GRAÇA DE DEUS PARA SEU POVO. OS. 11:1-9. 
O profeta mostrou várias maneiras de como Deus cuidou de Israel. O que Deus foi outrora para Israel, é para nós hoje. 
1. “Eu amei Israel “. V. l. 
Isto comprova a afeição de Deus para com Israel, que em inúmeras vezes recebeu Sua aproximação e salvação. O amor faz os maiores sacrifícios. Jo. 3:16. Também não olha para a dignidade humana. Jo. 4:9, 10; 1 Jo. 4:9,10. 
2. “Eu chamei o meu filho”. V. 1. 
Deus chamou Israel de Seu filho. No Egito, Israel foi escravizado, mas para o amor de Deus foi impossível deixá-lo ali, assim como Deus não deixou Judá na Babilônia. 
3. “Eu ensinei a andar a Efraim”. V.3. 
Deus fez isto com o filho que tinha tirado do Egito. A coluna de nuvem ia adiante do povo. Conduziu Seus filhos carinhosamente. Sl. 32:8. Guia pelas veredas da justiça através do Espírito Santo. Sl. 23; Lc. 12:12; 2 Pe. 1:21. 
4. “Eu os tomei nos meus braços”. V.3. 
Assim o bom Pastor ainda faz hoje. Lc. 15:4-6. 
5. “Para que eu os curasse”. V.3. 
Ele não somente é o Pastor, mas também o Médico. Êx. 15:26; Sl. 103:3; Ez. 34:16. 
6. “Atraí-os com laços de amor”. V.4. 
A cruz atrai ainda hoje todos a Jesus, que se deixam atrair. 
7. Livrou-os do jugo. V.4. 
Duro é o jugo do pecado, fortes são as cadeias da paixão. Porém, coloca sobre nós o Seu jugo suave. Mt. 11:29,30. 
8. “Eu lhes dei de comer”. V.4. 
No deserto, Deus deu-lhes o maná e as codornas, e saciou sua sede através da rocha. Deus é um Pai que se compadece dos Seus filhos. Mt. 6:8. 

538. TU ESTÁS CAÍDO. OS. 14:1-8. 
Isto é uma queixa séria, um fato comovente. Porém ela não atinge somente a Israel, mas a todos os homens desde Adão. 
1. Caído, que doloroso! 
Chorando, a mãe recebe a noticia que sua filha caiu em pecado. 
Aqui Deus diz: 
a) Israel, tu caíste e te desligaste da tua aliança comigo. 
b) Caído da alegria com Ele. Jr. 2:2. 
c) Caído no pecado, desviado dEle. Is. 59:2. 
2. Um chamado amoroso: “convertei-vos!” Deus chamou Israel de volta para Si, a quem Ele teve de comparar com uma prostituta. Is. 1:21. 
3. Um chamado para a conversão: “tende convosco palavras de arrependimento”. V.2. 
a) Palavras de confissão: “Eu pequei.” 2 Sm. 12:13; Lc. 18:13. 
b) Palavras de arrependimento. Sl. 90:7-9. 
Deus quer perdoar. Precisaram se converter dos ídolos como os Tessalonicenses. 1 Ts. 1:9. Deus, que tinha motivos para rejeitá-los, não o fez, ao invés disso, fez paz com todos os homens através da cruz. 
4. As bênçãos que sucedem a conversão. 
a) “Curá-los-ei”. V.4.   
b) “Amá-los-ei”. V.4. 
c) “Serei para Israel como orvalho”. V.5. 
d) “Florescerão como o lírio”. V.5. 
e) “Frutificarão como a oliveira”. V.6. 
f) “Serão para mim fragrância como a do Líbano”. V.6. 
g) “Terão cereais e vinho”. V.7. 

539. CONVERTEI-VOS A MIM, DIZ O SENHOR. JL. 2:12-14. 
Joel viu a aproximação do terrível dia do Senhor, dia da vingança. Com alta voz ele gritou para o povo: “Convertei-vos!” Ainda há tempo, mas não há tempo a perder. 
1. Como o homem não deve se converter? 
Não de uma forma puramente exterior, no rasgar das vestes, que representava um ato simbólico. Muitos se comportam assim ainda hoje, apressadamente, principalmente quando vêem que o tempo do juízo se aproxima, Vv. 1-11. Queixaram-se de suas perdas, mas não do seu pecado. Realizaram obras exteriores, visíveis, mas o coração estava longe de Deus. 
2. Como o homem deve se converter? 
a) De todo seu coração. V.12; Sl. 32 e 51; Dn. 9. 
b) Com jejum, choro e lástimas. 2 Rs. 22:11,19. 
Seguir o exemplo do nosso Senhor, que jejuou quarenta dias, chorou muito. 
Hb. 5:7. E lamentou sobre Jerusalém. Mt. 23:37. 
c) Com coração quebrantado. l Sm. 1:15; Is. 6:5; Sl. 51:17; Jó 42:6. 
d) Conversão total. l Ts. 1:9. 
e) No restituir das fraudes como Zaqueu. Lc. 19:8. 
3. A obra de Deus para a conversão do homem. 
a) Chama-se: “O Deus de vossos pais”. Êx.3:15. 
b) É misericordioso e rico em perdoar. 
c) Não se ira perpetuamente. 
d) Deus aceita o pecador arrependido. Jo. 6:37. 
e) Ele dá novas bênçãos. V.14. 

540. PREPARA-TE, PARA TE ENCONTRARES O COM TEU DEUS. AM. 4:12. 
Uma mensagem a todos os homens. Todos deverão e irão se encontrar com Deus, ou em juízo ou em graça. 2 Co. 5:10; Ec. 12:14. É um atrevimento dizer: “Morreu, está morto” ou “Com a morte tudo acabou” ou “Deus é amor e não irá condenar os homens à eterna perdição”. Todos os homens serão responsabilizados por Deus pelos seus próprios atos. 
1. Não há escapatória, nem pretexto ou desculpa. 
a) Faraó rejeitou a fé. Êx. 5:2; 14:23 ss. 
b) Acã e Geazi não escaparam do juízo de Deus. Js. 7; 2 Rs. 5. 
c) Belsazar queria esquecer Deus e o seu próprio pecado. Dn. 5. 
d) Davi calava-se. Sl. 32:3. 
e) Honra humana. l Co. 1:26-29. 
f) Boas obras. Ei 2:8,9. 
g) Negócios terrestres. Lc.14:18. 
h) Ajuda humana. Lc. 16:19 ss. 
2. O convite divino. 
a) Um chamado da graça. Ez. 33:11. 
b) Um convite cordial para a conversão. Mt. l1:28-30. 
c) Um chamado para vir ao Salvador, não para o juiz. Lc. 18:7,8. 
d) Um chamado dAquele que já pagou na cruz. Rm. 5:8; 8:32; 1 Jo. 4:9,10. 
3. Sete provações anteriores foram inúteis. Am. 4:6-11. 
“Dentes limpos”, uma figura da fome; seca; crestamento e ferrugem; gafanhotos; peste; espada e guerras; subversão. A oitava advertência foi comunicada através de Amós. 
Ele notificou ao seu povo, que sua lástima era decorrente da miséria que o pecado causou e não propriamente do pecado, e por isso não representou um arrependimento genuíno. 
4. O momento do encontro com Deus. 
a) Pode ser na noite vindoura. Lc. 12:20. 
b) Pode ser em meio à aparente e máxima segurança. l Ts. 5:3; Mt. 24:39. 
c) Mas o melhor momento é o de agora. Lc. 4:18-19; Sl. 95:7b. 
5. Quem você deve encontrar? 
a) Seu Deus misericordioso, e não seu inimigo. 
b) Seu Deus, que entregou Seu Filho por você. Rm. 8:32. 
c) Seu Deus, que por você espera. Lc.15:20. 
d) Seu Deus, cujo Espírito lhe convenceu. Is. 1:18. 
e) Seu Deus, que não tem prazer na morte do ímpio. Ez.18:23; 1 Tm. 2:4; Sl. 103:3. 
6. O encontro é preparado através: 
a) Da confissão da culpa. l Jo. 1:9. 
b) Do arrependimento diante de Deus. Mt. 3:8-10; At. 3:19; 17:30. 
c) Da fé no sacrifício redentor no Gólgota. 1 Jo. 2:2; Is. 53:6; 1 Pe. 2:24. 
d) Do novo nascimento. Jo. 3:4; 1 Pe. 1:3,4. 
Esta mensagem é anunciada em toda escritura como a única saída da perdição, por isso: 
Venha! Jesus está te chamando. Mt. 11:28; Sl. 95:7,8. 

541. A SOBERBA PRECEDE A QUEDA. OB. 3; PV. 16:18. 
A soberba é o pecado mais antigo no mundo. Ela seduziu Satanás para rebelar-se contra Deus, e a conseqüência foi sua queda, Is. 14:12 ss. Através dela, a serpente (Satanás) enganou Eva. Gn. 3:5. Cada coração humano é susceptível a este pecado abominável. Pv. 16:5. Deus resiste aos soberbos. l Pe. 5:5; Dn. 4:25ss; Mc. 14:29; At. 12:21ss; Jr. 49:16. 
1. Os soberbos enganam-se a si mesmo. l Co. 10:12. 
a) O pecado de Edom e o seu destino. Ob. l ss. 
b) O exemplo dos fariseus. Mt. 23. 
c) Os judeus tinham orgulho de sua descendência. Mt. 3:9. 
d) O homem rico orgulhou-se de suas provisões. Lc.12:19,20. 
2. Os soberbos são desumanos. Ob. 10-14. 
Eles zombam do santuário. Ob. 16; Mt. 27:39ss; Dn. 5:1-4. 
3. Soberba significa auto-extermínio. Ob. 4. 
a) Orgulho e desobediência levaram Faraó á perdição. Êx.14. 
b) O entendimento do soberbo é loucura. Dn. 2:1-5. 
c) Os olhos do soberbo são cegos para suas próprias faltas. Ap. 3:18. 

542. A FUGA DE JONAS DO SENHOR E SUAS CONSEQÜÊNCIAS. JN. 1-3. 
1. Jonas quis fugir do seu Deus. 1:3. 
2. Isto os homens vêm tentando desde Caim. Gn. 4. 
Continuarão até o trono branco. Ap. 20:11 ss. 
3. Jonas acordou-se assustado. 1:6; At.16:27. 
4. Deus convenceu-o profundamente do seu pecado. 2:2-6; Sl. 116. 
5. A situação desesperadora de Jonas. 2:7; Sl. 18:5. 
6. A salvação. 2:10; Tt. 2:11ss. 
7. A libertação e seu testemunho. 3; Sl. 40:2. 

543. CINCO COISAS, QUE DEUS PREPAROU POR CAUSA DE JONAS. 
1. A tempestade. Jn. 1:4. 
Com ela, Deus despertou-o, para que ele despertasse os seus próximos do sono do pecado. 
2. O grande peixe. 
Que, o deveria engolir para salvar a tripulação, porém, também em sentido simbólico, a Jonas. Jn. 2:1. 
3. A planta maravilhosa. 
Deus dá-nos ânimo e conforto na hora certa e com a melhor intenção. Jn. 4:6. Porém devemos cuidar para que tal planta não vire um ídolo! 
4. O verme. Jn. 4:7. 
Também esta criação da mão do Senhor tinha uma tarefa para cumprir. Lembremo-nos do grande número de insetos e ervas daninhas que prejudicam os campos e os jardins. 
Com isto Deus também tem Seus propósitos. Gn. 3 :17,18. 
5. O vento oriental. 
O que falamos dos insetos e das ervas daninhas refere-se também ao tempo. Tudo devia servir para a educação de Jonas, e principalmente para a humanidade pecaminosa. 

544. O CLAMOR, DE JONAS, PELO SOCORRO DIVINO. JN. 2. 
1. Lembrou-se do Senhor na sua grande angústia. 
2. Reconheceu e confessou o seu estado desesperador. 
3. Foi atendido pelo Senhor no Seu santo templo. 
4. Experimentou a misericórdia de Deus. 
5. Levantou sua voz em gratidão a Deus. 
6. Comprometeu-se em obedecer ao Senhor. 
7. Foi salvo, porque: “a salvação pertence ao Senhor”. 

545. COMO DEUS PREPAROU JONAS PARA O SERVIÇO. JN. 1-4. 
1. A ordem de Deus: dispõe-te, vai à cidade de Nínive. 1:2. 
2. A desobediência e o caminho próprio de Jonas. 1:2-11. 
3. Jonas na escola de Deus. 1:12-17. 
4. O arrependimento e a oração de lonas. 2:1-9. 
5. Gratidão e louvor pela salvação. 2:9. 
6. Um novo ministério. 3:1-3. 
7. lonas revestido e bem-sucedido no serviço. 3:4-9. 
8. Jonas novamente na escola de Deus. 4:1-11. 

546. UMA BREVE E SÉRIA MENSAGEM DE ARREPENDIMENTO. JN. 3:4. 
O despertamento de Nínive foi singularmente notável e exemplar; Jesus mencionou-o perante Seus ouvintes para vergonha deles. Alguém maior do que Jonas pregou-lhes o arrependimento e foram testemunhas de Seus milagres. Eles, porém, rejeitaram Sua mensagem de juízo e graça e O levaram para a cruz. Lc. 11:32. 
E hoje? A mensagem ainda é anunciada, mas onde nós encontramos um arrependimento como em Nínive? 
1. Os habitantes de Nínive arrependeram-se. 
a) Não tiveram privilégios como Israel. 
b) Ouviram somente um profeta, e ainda um insensível, que não tinha interesse que os homens se convertessem e fossem salvos. 
c) Ouviram Jonas uma só vez e bem brevemente. 
2. A mensagem era muito desanimadora. 
a) Nínive ouviu somente ameaças, mas nenhum convite para a conversão. 
b) Jonas não anunciou perdão, nem mesmo arrependimento. 
c) Anunciou somente um severo juízo, ou seja, que só viveriam mais quarenta dias. 
3. Jonas não foi ajuda para as pessoas em suas necessidades. 
a) Pregou sem motivação. 
b) Sua mensagem não continha nenhum sinal de amor. 
c) Não pediu a misericórdia de Deus para eles, como Abraão, Gn. 18:22 ss., e Moisés, Êx. 32:32 ss. 
d) Não se agradou da compaixão de Deus para com Nínive. 
4. A esperança dos ninivitas era bem pequena. 
a) Não sabiam nada do amor de Deus. 
b) Não conheciam o sacrifício da propiciação. 
c) Não receberam nenhum convite como em Isaías 55. 
5. Como eles receberam a mensagem? 
a) Todos ouviram as palavras de Jonas. 
b) Toda cidade foi envolvida; todo trânsito parou, todo trabalho silenciou. 
c) Houve perguntas sérias sobre Deus.  
d) Do rei até ao último homem, todos se arrependeram e se prostraram perante Deus em pano de saco e cinzas. 
e) Todos clamaram a Deus. Apesar da mensagem de Jonas não oferecer nenhuma graça, mas somente conter juízo, ainda assim tiveram ânimo. Queriam aproveitar os 40 dias para salvação por meio da conversão. 
6. O amplo atendimento de suas orações. 
a) Deus ouviu seu clamor e se compadeceu. 
b) Seu arrependimento foi sincero: trouxe fruto. Jn. 3:10. 
c) A fé sem obras é morta. Tg. 2:17. 
d) Dizer: Senhor, Senhor, não é suficiente. Mt. 7:21. 
e) Deus exige frutos do arrependimento. Lc. 3:8. 
Que o arrependimento de Nínive foi sincero, vemos na palavra do Senhor em Mt. 12:41. 

547. DEUS CONVERSANDO SERIAMENTE COM SEU POVO. MQ. 6:1-5. 
Deus estava muito entristecido com o comportamento de Israel e chamou os montes como testemunhas. 
1. Uma retrospectiva. 
Deus lembrou nos versículos 4,5 os muitos benefícios dados a Israel: 
a) A libertação do Egito. 
b) Grandes lideres. V.4. 
c) A proteção diante de Balaque e Balaão. V.5. 
2. Uma exclamação queixosa. 
“Povo meu, que te tenho feito?” Soa quase como a palavra do Senhor a Judas: “Meu amigo, para que vieste?” Mt. 26:50. 
3. Uma pergunta dolorosa. 
“Com que te enfadei?” Israel se comportou reservadamente para com o seu Deus. 
Gostou mais de servir a Baal e Asera. V.16. 
Quando há uma terceira pessoa entre o esposo e a esposa, o matrimônio fica perturbado, assim foi em relação a Israel. Ele estava cansado de seus cultos, cansado da adoração, cansado da lei divina. E como está hoje? 
– Muitos não levam mais a sério o seu andar com Cristo. 
– Deixam a comunhão de oração. 
– Esfriam no serviço do Senhor. 
– Não gostam de ouvir da volta de Cristo. 
4. Uma pergunta paciente. 
“Que te tenho feito?” V.3. Deus perguntou a Israel, como perante a um juiz. Com que nós podemos nos desculpar, quando Deus diz: Testemunhai contra mim. Trazei-me vossa queixa. Ele não tem exigido de nós sacrifício. Não nos cansa com exigências. Neste texto não é possível nenhuma outra resposta a não ser, uma sincera confissão de pecados e um rompimento com o pecado. 

548. COMO NAUM DESCREVE DEUS. NA. 1:7. 
1. Jeová é bom. 
a) Em todos os sentidos. Bondade é o Seu caráter. 
b) Prova Sua bondade no Seu grande sacrifício. Rm. 5:8. 
c) Também a manifesta na direção do Seu povo. Jr. 31:3. 
d) Nós alegramo-nos de Sua bondade para sempre. Êx. 33:19; 34:6,7; Mt. 19:17; Sl. 144:12-15; 73:25,26. 
e) Manifesta-nos Sua bondade como Pai. Sl. 103:13. 
f) É bondoso em todos os Seus atos. Sl. 25:10. 
2. É uma fortaleza segura: 
a) No dia de angústia, como para Davi. 1 Sm. 30:6 ss. 
b) E refúgio na tempestade. Sl. 46. 
c) Em tempos de crise interior. Gn. 32:22-32. 
d) E nosso refúgio na hora da morte. 2 Tm. 1:10. 
3. Ele conhece os que nEle se refugiam. 
a) Deus conhece todos os nossos caminhos. Sl. 103:14. 
b) Conhece todas as nossas necessidades. Mt. 6:8. 
c) É um grande galardão para aqueles que nEle confiam. Sl. 84:12; 46:2; 144:2; Pv. 30:5; Is. 12:2; Jr. 31:3. 

549. “NÃO NOS DEIXE MORRER!” HC. 1:12. 
O profeta sabia do juízo ameaçador sobre o seu povo, Vv.5-1 1. Ele também sabia que Deus queria visitar Seu povo por causa do seu pecado e aplicar um castigo bem merecido. Mas ele pediu, que Deus evitasse o pior e não deixasse o povo perecer por completo. Devia haver uma restauração, e o capítulo 2:3,4 predisse essa salvação. 
– Um exemplo acertado forneceu-nos Jacó. Gn. 32 e 33. 
A sua restauração manifestou-se em sete maneiras: 
1. Um novo nome: não mais Jacó, mas Israel. 32:28,29. 
2. Uma nova benção. 32:29. 
3. Um novo lugar: Peniel (face de Deus). 32:30. 
4. Um novo dia: nasceu-lhe o sol. 32:31. 
5. Uma nova marca de recordação. 32:25. 
6. Um novo andar, também exteriormente. 32:31. 
7. Nova comunhão com seu irmão Esaú. 33. 

550. O JUSTO VIVERÁ PELA SUA FÉ. HC. 2:4. 
Já os antigos tiveram freqüentemente revelações maravilhosas, começando com Abel, o primeiro homem, cuja fé foi honrada. Hb. 11. Paulo citou o versículo de Habacuque por duas vezes, Rm. 1:17 e Gl. 3:11; veja também Hb. 10:38. Que bom saber que nós somos justificados diante de Deus pela fé em Cristo Jesus! 
1. Deus justifica-nos. Rm. 8:33,34. 
2. A graça é a fonte da justificação. Rm. 3 :24; Ef. 2:8; Tt. 3:7. 
3. A obediência de Cristo é o fundamento da nossa justificação. Rm. 5:19; Fp. 2:8. 
4. O sangue de Cristo é o preço da justificação. Rm. 5:9; Ef. 1:7. 
5. A fé apropria-se da justificação. Rm. 5:1; Gl. 2:16; At. 13:39. 
6. A ressurreição de Cristo é a prova da nossa justificação. Rm. 4:25; 6:5-12; Ef. 2:5,6. 
7. Nossas obras são o fruto da justificação. Lc. 8:15; Mt.5:16; Jo. 15:2; Fp. 1:11; Tt. 3:8. 

551. O GRANDE DIA DO SENHOR. SF. 1:14-18. 
1. De clamor amargo. V.14. 
2. De indignação e de angústia. V.15. 
3. De alvoroço e desolação. V.15. 
4. De escuridão e negrume. V.15. 
5. De extermínio. V.16. 
6. De grande medo. V.17. 
7. De destruição total. V.18. 

552. FRUTOS DA RESTAURAÇÃO. SF. 3:12-15. 
Qual será a aparência de Israel restaurado? 
1. Será um povo modesto. V.12. 
2. Confiará unicamente em Deus. V.12. 
3. Não praticará mais injustiça, nem mentirá. V.13. 
4. Viverá seguro e sem medo. V.13. 
5. Rejubilará e regozijar-se-á. Vv.14,15. 

553. UMA AJUDA OU UM OBSTÁCULO? AG. 1 E 2. 
Somos uma ajuda ou um obstáculo. 1. Os homens que impediram a obra. 
a) Os inimigos de Israel. Ed. 4:4,23,24. 
b) Os desanimados do próprio povo. Principalmente estes. 
– O desânimo veio pelo pouco progresso. 
– O egoísmo, que havia em seus corações, fez com que edificassem as suas próprias casas. 
– A desculpa era: “Não veio ainda o tempo em que a casa do Senhor deve ser edificada”. Ag. 1:2. 
Ageu animou-os com a palavra de Deus, e mostrou, ao mesmo tempo, que Deus reteve a Sua bênção, porque negligenciaram a Sua obra! 
2. Os homens que sustentaram a obra. 
a) Deus mandou Seus servos para motivar Israel. Ed. 5:2; 1 Co. 12:28. 
b) Disse através de Ageu: “Considerai o vosso passado”. 1 : 7 
c) Duas motivações: 
– Eu estou convosco. Êx. 3:12; Js. 1:5-7; Jz. 6:14,16; Mt. 28:20. 
– Sede fortes. Ag. 2:4,5; Ef. 6:10; 1 Co. 16:13; 1 Jo. 2:14. 
3. A esperança dos fiéis. 
É sempre o próprio Senhor. Ageu transmitiu sete promessas: 
a) Eu sou convosco. 2:4. 
b) Meu Espírito habita no meio de vós. 2:5. 
c) Abalarei o céu e a terra. 2:6,7. 
d) Todas as nações virão a Israel. 2:7. 
e) Deus promete riquezas. 2:8. 
f) A Sua glória encherá o templo. 2:7. 
g) Deus lhes dará Sua paz. 2:9. 
Por isso, mãos à obra. l Co. 15:58. 

554. OBRA HUMANA OU OBRA DE DEUS? ZC. 4:6. 
O homem quer ser sempre independente e acredita que consegue fazer tudo sozinho. Deus mostrou ao Seu povo, através de Zacarias, a fonte verdadeira de poder: Seu Espírito. 
Provou isto para Ezequiel (a ressurreição dos ossos secos). Ez. 37. 
No tempo de Zacarias, Deus utilizou vários homens, os quais enchia com Seu Espírito, para serem Sua ferramenta: Esdras, Neemias, Ageu, o próprio Zacarias, o sumo sacerdote Josué e o príncipe Zorobabel. 
1. O que não convém para o povo de Deus. 
a) Confiar num exército poderoso; portanto, não é por força humana. 
– A experiência de Gideão. Jz. 7. 
– A vitória de Davi sobre Golias. 1 Sm. 17. 
– A lei sobre o serviço militar. Dt. 10:5 ss. 
b) Acreditar na proteção humana. 
– Neemias desistiu da proteção do rei. Ne. 2:9,12. 
– O grito de vitória de Paulo. Rm. 8:31. 
– A confissão do salmista. Sl. 118:8,9. 
c) Confiar na sabedoria humana. 1 Co. 2:1 ss. 
d) Crer na riqueza humana. Lc. 12:16 ss.;16:19ss.; Ap. 3:17,18. 
– Isto também vale para o serviço na vinha do Senhor. At. 3:6; 20:33 -35. 
2. O que convém para os cristãos? 
a) Que se deixem encher pelo Espírito de Deus e dêem espaço para homens que realizam a obra no Seu Espírito. At. 1:13; 2. 
b) Que sejam cientes da dependência do Seu Espírito e da necessidade de pedir por Ele. Ef. 6:18; 1 Co. 12:8. 
c) Que saibam usar corretamente Sua palavra, Jr. 23 :29. 
d) Que se deixem usar como ferramentas em Suas mãos. 1 Pe. 1:12; 2 Co. 3:6; 1 Co. 2:4. 

555. O ESPÍRITO DA GRAÇA. ZC. 12:10. 
O profeta mostra-nos o arrependimento do povo de Israel. Deus derramará o Seu Espírito sobre Seu povo, e Seu Espírito fará com que reconheçam, Aquele que eles traspassaram. Um cumprimento parcial já se realizou no dia de Pentecostes, At. 2:37, quando Pedro anunciou Aquele que foi traspassado. Estas foram as primícias, acolheita seguirá na vinda de Jesus em glória. Este texto revela o que é arrependimento verdadeiro. 
1. Uma ação do Espírito Santo. 
a) Ele foi derramado e o arrependimento foi pregado. At. 2:37 ss. 
b) Este Espírito convence os homens. 
c) Sem este poder ninguém é convencido. Jo. 16:8. 
d) A ação do Espírito Santo é acompanhada com oração. At. 1:14. 
2. O arrependimento é causado pelo olhar para a cruz. 
a) Eles verão Aquele a quem traspassaram e lamentarão. Ap. 1:7. 
b) Para os incrédulos, a cruz é um escândalo, mas justamente a cruz revela o tamanho e a abominação do pecado. l Co. 1:23. 
c) Na cruz, vemos a grandeza do amor de Deus. Rm. 8:32. 
d) Nela, vemos nosso Substituto verter Seu sangue. Is. 53:4 
e) A cruz é o cumprimento da Escritura. Nm. 21:8; Jo. 3:14-16. 
3. Arrependimento verdadeiro causa profunda dor. 
a) Um dia Israel lamentará amargamente. Êx. 12:29-31; Jz.2:4. 
b) Autoridades religiosas e seculares – Pilatos e os líderes de Israel- condenaram Jesus á morte. O convencido pelo Espírito de Deus acusa-se e lamenta sobre seu próprio pecado. Is. 53:5; Jo. 19:37. 
4. O arrependimento verdadeiro abre a fonte da salvação. Zc. 13:1. 
Primeiro vem o arrependimento. Ap. 1:7. 
Depois, o pecador encontra a fonte da salvação: paz com Deus e recebe o Espírito Santo. 

556. MANANCIAL DA MISERICÓRDIA, FONTE DA GRAÇA. ZC. 13:1. 
1. Uma nova oferta da graça. 
a) Um manancial é aberto, mais profundo do que aquele poço de Jacó. Jo. 4:11. 
b) Tão profundo, que é suficiente para toda a eternidade. 
c) Está cheio de água, como o coração de Deus está cheio de amor para com o pecador. 
d) Ele corre livre e gratuitamente para todos. Is. 55. 
2. Quando se abrirá este manancial? 
a) Naquele dia em que Israel reconhecer o traspassado. Zc. 12:10. 
b) O Espírito Santo foi derramado após a morte e ressurreição de Cristo. 
3. Para que se abrirá este manancial? 
a) Para lavar o pecado e a impureza. Zc. 13:1. 
b) Saciar toda sede. Jo. 4:14. 
c) Fazer de todos, que bebem desta água, Seu povo. Zc.13:9b. 

557. TEMPO DE AVIVAMENTO. MT. 3. 
Com este fato inicia o Novo Testamento. Sempre encontramos tais tempos, principalmente em Atos dos Apóstolos. Israel dormia. Estava satisfeito com formas vazias e cerimônias, mas o coração apegava-se ao mundo, ao pecado, e não ao Deus vivo. Então Deus enviou uma poderosa testemunha: João Batista. 
Ele era: 
1. Uma ferramenta: 
Muito simples, como sempre são os verdadeiros homens espirituais. Homens mais simples do que Paulo e Pedro dificilmente encontramos. 
2. Os ouvintes. 
Todas as classes sociais iam até João, para ouvir sua poderosa mensagem. A todos ele pregava o arrependimento e a conversão a Deus. 
3. O lugar da pregação. 
Não era no templo ou na sinagoga, mas ele pregava no deserto. O coração dos ouvintes era tão desconsolado quanto o deserto. Jr. 2:2,3. 
4. A pregação. 
Era breve, mas tremenda e atingia o coração dos ouvintes. Seu “arrependei- vos” compreendia todas as classes. João tomava-se bem pessoal, assim como Natã para com Davi. 2 Sm. 12:7. Ele descobria o pecado. 1 Rs. 20:40; Pv. 28:13. Arrependimento era sempre o tema daqueles que Deus usava para conversão dos homens. At. 2:38; 17:30. 
5. O resultado da pregação. 
Muitos perguntaram por uma saída do seu pecado. Eles arrependeram-se, isto significa que mudaram seu modo de pensar. Após, seguia-se a confissão dos pecados, reparação, conversão a Deus, o batismo e uma nova vida. 

558. FUJA! 
1. Da ira de Deus. Mt. 3:7. 
2. Da prostituição. 1 Co. 6:18; 2 Pe. 1:4. 
3. Da idolatria. 1 Co. 10:14; 1Ts. 1:9; 1 Jo. 5:21. 
4. Das paixões da mocidade. 2 Tm. 2:22. 
5. Dos falsos pastores. Jo. 10:5. 
6. Do amor ao dinheiro. 1 Tm. 6:6-11. 

559. BUSCAI! 
1. O que o homem deve buscar? 
a) O reino de Deus e Sua justiça. Mt. 6:33. 
b) Não o terrestre, mas o celeste. Cl. 3:1,2. 
c) A paz com Deus e com os homens. Sl. 34:14; Hb. 12:14. 
2. Onde ele deve buscar? 
a) Na palavra de Deus. Is. 34:16; Sl. 119:105; Jo. 5:39. 
b) Na pregação da palavra. Rm. 10:17. 
3. Quando ele deve procurar? 
a) Antes do amanhecer. Pv. 8:17; Sl. 88:14. 
b) Hoje é o tempo oportuno. Hb. 3:7; 2 Co. 6:2. 
4. Como ele deve buscar? 
a) Em oração e súplicas ao Senhor. Sl. 27:7,8. 
b) De todo coração. Jr. 29:13; Dt. 4:29; Sl. 119:2. 
5. A promessa para aqueles que buscam. 
a) Buscai, e achareis. Lc. 11:9; Am. 5:4. 
b) Batei, e abrir-se-vos-á. Mt. 7:7. 

560. OS DOIS CAMINHOS. MT. 7:13,14. 
1. Duas portas: a porta larga e a estreita. 
2. Dois caminhos: o caminho largo e o estreito. 
3. Duas classes: os muitos e os poucos. 
4. Dois alvos: a vida eterna e a morte eterna. 
5. Frio ou quente. Ap. 3:15,16. 
6. Dentro ou fora. Mt. 25:1-13. 

561. PUREZA PARA IMPUROS. MT. 8:1-4. 
1. O estado desconsolador do leproso. 
Ele estava maculado, doente, expulso, impuro, incurável. 
2. O que o leproso fez. 
a) Foi até o Senhor Jesus na presença de todos. 
b) Confessou sua impureza. 
c) Foi em profunda veneração e com clamor ardente. 
d) Creu, como uma criança, que Jesus poderia curá-lo. 
3. O que o Senhor fez para ele. 
a) Ouviu sua súplica. 
b) Tocou no leproso, algo que ninguém faria. 
c) Praticou a misericórdia que havia anunciado. Mt. 7:7,8. 
d) Mandou-o ao sacerdote para testemunhar que estava limpo. A cura, a grande transformação, precisava ser manifestada. 

562. UM SEGUIDOR INCOMUM DE JESUS. MT. 8:18-22. 
Teólogos irem até o Senhor era uma raridade. Um desses foi o escriba. 
1. Uma grande resolução. 
Para este escriba não foi fácil chegar até o Senhor, porque Jesus era muito desprezado e Seus seguidores eram, em parte, pessoas simples e, em parte, pessoas desprezadas: pescadores e publicanos. Portanto o escriba pertenceu aos visitantes raros. l Co. 1:20,27-29. Sentiu-se atraído pelo Senhor, provavelmente por causa dos milagres que viu e do amor que sentiu. 
a) Falou resolutamente: “Eu quero Te seguir”. 1 Sm, 15:22b; Rt. 1:16,17; Ap. 14:4. 
b) Sua decisão foi sem reservas: “Seguir-Te-ei, para onde quer que fores”, mas foi tão irrefletidamente como Pedro, Mt. 26:33; Lc. 22:33,54-62. Mesmo assim sua decisão foi necessária, At. 4:12; Jo. 14:6. 
2. Sua atitude impetuosa. 
As palavras do escriba estavam corretas, mas ele não se conhecia. Falou num entusiasmo espontâneo, mas não por fé. Seu voto foi impensado. (Compare Jefté e Orfa, Jz. 11 e Rt. 1). O escriba agiu na própria força. Zc. 4:6. 
3. O exame do Senhor que: 
a) Conhece a todos, que chegam a Ele. Jo. 2:24,25. 
b) Esclareceu-lhe o significado de seguir a Cristo. Mt. 8:22. 
c) Chamou a atenção dele para Sua pobreza: “Você quer renunciar tudo como eu, ser pobre como eu?” 2 Co. 8:9. 
Jesus nasceu em uma manjedoura emprestada e foi colocado em uma sepultura alheia. 
“Se você quiser dividir comigo meu destino, então venha”. 

563. INVOCA-ME NA ANGÚSTIA. 
No evangelho de Mateus lemos sobre muitos gritos e clamores, como o grito: 
1. Dos desesperados. Mt. 8:29. 
2. Dos cegos. Mt. 9:27. 
3. Dos temerosos. Mt. 14:26. 
4. Em grande perigo. Mt. 14:30. 
5. De uma mãe preocupada. Mt. 15:22. 
6. Dos necessitados. Mt.20:31. 
7. Da mais profunda angústia. Mt. 27:46. 

564. O GRANDE MÉDICO. MT. 9:11-13. 
O Senhor havia curado muitos doentes em Cafamaum. Os fariseus estavam descontentes com o Senhor, porque aceitava os pecadores. O Senhor disse: “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o perdido”. Lc. 19:10. 
1. Quem é o doente? 
O pecador, seja fariseu ou publicano. Se os fariseus considerassem o Salmo 14 ou palavras parecidas, também iriam chegar-se ao Senhor, o grande Médico. Mas, assim o Senhor teve que censurá-los severamente. Mt. 23:13 ss.; Lc. 11:37 ss. 
2. A Doença. 
É, já há seis mil anos, uma velha moléstia crônica, da qual ninguém consegue se proteger. 
Penetrou até no jardim do Éden e, desde então, em todos os homens. Rm. 5:12. 
As doenças são bem diferentes: 
a) Visíveis. Podem ser vistas, tais como a embriaguez, as paixões da carne, a ira, a avareza, a soberba, e outras mais. 
b) Ocultas. Referem-se mais ao nosso interior. Is. 1:5,6; Mt. 15:18,19; mas são igualmente perigosas. 
3. O Médico. 
O grande médico chama-se Jesus, somente Ele pode curar a alma. 
a) Para este fim Ele veio ao mundo. Is. 61:1. 
b) Ele sempre pode ser consultado. Jo. 3:2; 6:37,38. 
c) O exame. Ele conhece qualquer enfermidade, e não precisa de meios e métodos terrenos. Somente pergunta: “Você quer ser curado?”. Ele sofre com o enfermo como nenhum outro e conhece a seriedade do seu estado. 
4. O medicamento. 
Jesus utiliza especialmente três medicamentos: 
a) A Palavra de Deus. Sl. 107:20; Jo. 6:63; Sl. 119:49,50. 
b) O Sangue de Cristo. 1 Jo. 1:9. 
c) O Espírito de Cristo, que nos unifica com o médico. At. 1:8; 9:17. 
5. O preço. 
Jesus cura gratuitamente. Venha a este Médico. Ele espera por você e somente Ele pode salvar você da morte eterna. Is. 55:1,2. 

565. A COMPAIXÃO DO SENHOR, QUANDO VÊ: 
1. O pecado. Mt. 9:36. 
2. O sofrimento. Mc.1:40-42. 
3. Os abandonados. Mc. 6:34. 
4. Os entristecidos. Lc. 7:11-15. 
5. Os desconsolados e desamparados. Lc. 10:33. 
6. Você mesmo. Mt. 18:33. 
7. Ele é o Deus de toda consolação. 2 Co. 1:3 ss. 

566. UM CONVITE QUÁDRUPLO. MT. 11:28-30. 
Ele diz: vinde, descansai, aprendei e servi! 
1. Para quem o Senhor diz este “vinde”? 
a) A todos: “Vinde a mim todos”. 
b) Àqueles que se esforçam para salvar-se a si mesmos. 
c) Aos sobrecarregados com pecados. 
2. A quem o Senhor oferece o “descanso”? 
a) Aos irrequietos, aos cansados. 
b) Oferece descanso àqueles que têm uma má consciência. Hb. 10:22. 
c) Dá descanso à alma aflita. Sl. 42:5. 
d) Oferece o eterno repouso sabático. Hb. 4:9-11. 
3. De quem o Senhor exige o “aprender” e o que Ele quer que aprendam? 
a) De todos, que vieram a Ele e encontraram o descanso. 
b) Que aprendam dEle, mansidão e humildade. 
c) Que aprendam do Seu exemplo. Jo. 13:13-17; 1 Pe. 2:21. 
d) Que aprendam da Sua palavra. Lc. 10:39. 
e) Que aprendam das Suas obras. Jo. 14:12; Mc. 16:19,20. 
4. Quem o Senhor convoca para servir? 
Os salvos: 
a) Tomai sobre vós o meu jugo, portanto: servi! 
b) Fomos salvos para servir. Tt. 3:8. 
c) Serviço é feito por amor ao Salvador. 2 Co. 5:14. 
d) Este serviço é nosso santo dever. l Co. 9:16. 

567. UM MILAGRE TRIPLO DO SENHOR. MT. 12:22-30. 
Os sinais e milagres do Senhor se tornaram cada vez mais poderosos. Todos deveriam saber que Ele era o Messias. Porém a incredulidade de Israel crescia da mesma forma que os milagres, até a crucificação de Jesus. 
1. A terrível força de Satanás. 
Este doente estava possesso, cego e mudo. Satanás havia feito dele uma fortaleza. Uma imagem do homem natural! 
2. Amigos amorosos e ajudadores levaram este enfermo até Jesus. 
Temos casos semelhantes: 
a) Um centurião veio por causa do seu criado. Mt. 8:5,6. 
b) Quatro homens trouxeram um paralítico. Mt. 9:2. 
c) Um pai intercedeu por sua filha. Mt. 9:18,23-26. 
Possessos podem ser perigosos, mas o verdadeiro amor não conhece o medo. Você já levou outros ao Senhor? 
3. O inimigo vencido. V.29. 
O Senhor compara Satanás com um valente, armado até os dentes que guarda a entrada da casa com segurança. O Senhor venceu o valente na cruz do Gólgota. Is. 49:24; Cl. 2:15. 
Em breve, o Senhor irá amarrá-lo e o lançará no abismo. Ap. 20:2,3. 
4. Um milagre triplo. 
Este possesso, cego e mudo foi curado pelo Senhor. Ele podia ver e falar, os demônios tiveram que deixá-lo por ordem do Senhor. 
5. O milagre deixou impressões indeléveis. 
Amigos e inimigos espantaram-se. Mas faltava como fruto a fé viva no Filho de Deus. 
6. Resistência obstinada. 
Os fariseus revelaram isto. Enquanto o povo declarava o Senhor como o Messias, os fariseus passaram a blasfemar e dizer que Ele fazia tais milagres por Belzebu, o maioral dos demônios. 
7. Convite para uma real decisão. V.30. 
Os fariseus decidiram-se contra o Senhor. Agora os indecisos devem finalmente tomar uma posição clara em relação a Jesus. 

568. PERDÃO DOS PECADOS. 
1. O perdão é prometido pelo Senhor Jesus. Mt. 12:31. 
2. Ele o obteve por nós na cruz. Ef. 1:7. 
3. É pregado no evangelho. At. 13:38. 
4. É um presente do nosso Senhor. At. 5:30,31. 
5. É dado pela fé. At. 26:18. 
6. É garantido para os crentes. 1 Jo. 2:12. 
7. Pelo perdão, temos acesso a Deus. Hb. 10:18 ss. 
8. Uma exceção: blasfêmia contra o Espírito Santo. Mt. 12:31,32. 

569. SEMENTEIRA E COLHEITA. 
1. O campo é este mundo. Mt. 13:38. 
2. O Semeador é o Senhor. Mt. 13:37; Lc. 8:5. 
3. A semente é a palavra de Deus. Lc. 8:11. 
4. O tempo da sementeira é o presente. Ec. 11:6; 2 Tm. 4:2. 
5. O crescimento e amadurecimento quem dá é Deus. l Co. 3:6. 
6. A colheita vem mais depressa do que pensamos. Jo. 4:35,36. 
7. A colheita é relativa à sementeira. Gl. 6:7; 2 Co. 9:6. 
8. Os ceifeiros receberão galardão. Os. 10:12; Gl. 6:9. 
9. Mas o número de ceifeiros é pequeno. Mt. 9:37. 

570. CONVERSÃO. 
1. É uma necessidade indispensável. Mt. 18:3; At. 3:19,20. 
2. É um ato radical. 1 Ts.1:9; At. 26:18. 
3. Tem uma motivação gloriosa. Fp. 3:8-11. 
4. Tem muitas barreiras. At. 28:27; 13:8; Jo. 6:66. 
5. Realiza-se através da fé. At. 26:18; Rm. 5:1. 
6. O Senhor Jesus preparou as condições para ela. Is. 53:6. 
7. É vista pelos que vivem ao nosso redor. 1 Ts. 1:9; Tg. 2:24. 

571. SETE CONVITES DO SENHOR, PARA: 
1. A confissão dos pecados. Mt. 18:15-17; 1 Jo. 1:9; Pv. 28:13. 
2. A conversão do homem. Mt. 18:3; 2 Co. 5:17,20. 
3. O discipulado. Lc. 9:23; 14:33. 
4. A vigilância e firmeza. Lc. 12:35,36; Ef. 6:10 ss. 
5. A abnegação. Mc. 8:34,35. 
6. O serviço (obra missionária). Mt.28:19,20; 9:37,38. 
7. A prontidão no dia da Sua volta. Mt. 25. 

572. UMA PERGUNTA MUITO IMPORTANTE. MT. 27:22. 
1. O que Jesus pode nos oferecer? 
a) Remissão de pecados. At.  10:43. 
b) Paz com Deus. Rm. 5:1. 
c) Alegria verdadeira. 1 Pe. 1:8. 
d) Vida eterna. Jo. 3:36. 
e) Filiação de Deus. Jo. 1:12. 
2. O que cada um fará com Jesus: 
a) Recebê-lO ou desprezá-lO. Lc. 19:6; Jo. 1:11,12. 
b) Estar por Ele ou ser contra Ele. Mt. 12:30. 
c) Confessá-lO ou negá-lO. Mt. 10:32,33. 
d) Deixá-lO entrar ou exclui-lO. Ap. 3:20. 
3. Quem é este Jesus sobre o qual temos que tomar uma decisão? 
a) É o Filho de Deus. Mt. 17:5. 
b) É o Salvador do mundo. Lc. 2:11,30. 
c) É o Senhor e Cristo. At. 2 :36. 
d) É o Rei dos reis. Ap. 19:16. 
e) Será um dia o Juiz. At. 17:30,31; 1o:42. 

573. A CURA DO ENDEMONINHADO. MC. 1:23-28. 
O milagre do Senhor foi tão poderoso, que todos os sinceros foram conduzidos à reflexão. Is. 61. 
1. Quando aconteceu o milagre? 
a) Imediatamente após a prisão de João Batista. Mc. 1:14. 
b) Exatamente onde João parou, o Senhor continuou. 
c) Aconteceu num sábado. 
2. O local, onde o milagre se realizou: 
a) Em Cafamaum, onde tantas coisas aconteciam. 
b) Na sinagoga, durante um culto. 
3. Um culto abençoado. 
a) Uma grande multidão ouvia atentamente. 
b) Um endemoninhado estava na sinagoga. Ele era uma habitação de Satanás. Homens em poder de Satanás também podem ser religiosos e ouvir uma pregação. O medo do endemoninhado era grande. 
Onde o Senhor se manifesta, tremem os maus espíritos. 
4. O poderoso libertador. 
a) Sua presença libertou rapidamente o endemoninhado. 
b) Jesus é o Salvador dos perdidos. Mt. 1:21; Hb. 7:25 ss. 
c) O Autor da salvação. Hb.2:10. 
d) O Doador do arrependimento e o Restaurador. At. 5:31. 
e) O único Salvador e Redentor do mundo. At. 4:12. 
5. A maravilhosa libertação. 
a) Jesus veio para destruir as obras de Satanás. 1 Jo. 3:8. 
b) O Senhor não dizia muitas palavras. Mc. 4:39. 
6. Grande espanto e perguntas. 
Infelizmente não lemos de pessoas que creram. 

574. A CURA DO PARALITICO. MC. 2:1-12. 
A fama de Jesus percorria o pais inteiro. Também os amigos do paralítico ouviram falar do Senhor e se prontificaram a levá-lo até Ele. 
1. O paralítico. 
a) Estava totalmente desamparado e não podia ir sozinho. 
b) Era completamente dependente e foi carregado por seus amigos. 
c) Estava interiormente e exteriormente na miséria. V.5. 
2. Os amigos do paralítico. 
a) Eram cheios de amor fraternal. 
b) Tiveram grande fé. 
c) Estavam em quatro, um sozinho não conseguiria nada. 
d) Eram em seu amor criativos e incansáveis. V.4. 
3. O grande Redentor. 
a) Ao primeiro olhar viu a fé dos carregadores. V.5. 
b) Depois olhou o enfermo. V.5. 
c) A fala amorosa de Jesus: “Meu filho”. 
d) Seu maior ato de amor: o perdão dos pecados. V.5. 
e) A palavra poderosa de Jesus: “Levanta-te e anda”. V.11. 
4. A multidão perplexa. 
Aquele que foi trazido carregado por quatro homens, agora carregava a sua própria cama j O perdão dos pecados traz vida nova e nova força pára o serviço. Ef. 2:5,6; Jo. 11:43,44; At. 3:7,8; Rm. 6:1-4; 1 Ts. 2:9. 

575. LIBERTAÇÃO DOS LAÇOS DE SATANÁS. MC. 5:1-20. 
1. Um homem debaixo do poder de Satanás. 
a) Estava possesso, uma legião de demônios habitava nele. 
b) Vivia nos sepulcros. Ef. 2:1; Lc. 1:79. 
c) Estava fora do juízo e em grande miséria. Ap. 3:17. 
d) Ele se auto-flagelava. Vv.4,5. 
e) Era um grande perigo para outras pessoas. Mt. 8:28. 
f) Ninguém podia subjugá-lo. V.4. 
2. O Senhor, poderoso para salvar. Rm. 5:20. 
a) O Senhor encontrou-o. Da mesma forma como o Senhor chegou àquele local, também veio ao mundo para salvar o perdido. Lc. 19:10; 7:41,42. 
b) O Senhor curou-o com uma palavra de autoridade. V.8; Sl. 104:7. 
c) Esta palavra não foi ouvida só pelos surdos, mas também pelos mortos. Jo. 11:43; Lc. 7:14; Mc.5:41. 
3. A grande mudança. 
a) O homem liberto não ficou mais entre as sepulturas. 
b) Todos o viram sentado aos pés de Jesus. V.15. 
c) Estava vestido. V.15; Is. 61:10; Lc. 15:22. 
d) Estava em perfeito juízo. V.15. 
4. Uma nova testemunha de Jesus Cristo. 
a) Devia testemunhar do Senhor, mas onde? V.19. 
b) Em casa junto aos seus. Deviam presenciar a grande mudança. O seu testemunho trouxe fruto. V.20. 

576. TRÊS PASSOS IMPORTANTES. MC. 5:25-34. 
Esta história é comovente. Observemos somente alguns fatos. A mulher estava sofrendo há doze anos e gastou tudo que possuía, Vv.25,26. Conforme a lei ela era impura e excluída, e totalmente sem esperança, porque toda ajuda humana tinha falhado. Nesta hora difícil apareceu uma mensagem alegre. 1. Ela ouviu do Senhor. E das Suas curas e milagres. Gn. 42:1; 1 Rs. 10:1-9. 
2. Foi ao Senhor. 
a) Somente ouvir não é suficiente, o homem precisa ir ao encontro de Jesus. 
b) Ele chama: “Vinde”. Mt. 11:28; 19:21; Lc. 6:47; 14:17; Jo. 6:35,37. 
3. Ela tocou no Senhor! 
“Se eu apenas lhe tocar as vestes”. 
“Tocando” em Cristo o homem é curado. Lc. 6:19. 
4. A rica bênção deste toque no Senhor. 
a) O poder divino curou-a do seu flagelo. 
b) O Senhor disse-lhe palavras de conforto. 
c) Deu-lhe mais do que cura: deu-lhe paz. 
d) Ela confessou a cura diante de todos. 
e) Seu testemunho foi uma ajuda para Jairo e outros. 

577. NOSSO CORAÇÃO PECAMINOSO E DESCONSOLADO. MC. 7:20-23. 
Com seriedade, o Senhor repreendeu a hipocrisia dos fariseus. Mc. 7:1-13. Nessa ocasião, o Senhor mostrou a todos como é o coração humano. (Gossner retratou bem no seu livrinho “O coração de Carlos”). 
1. Um fato humilhante. 
O coração do pagão não é pior do que qualquer homem não convertido. O juízo de Jesus sobre o homem natural é humilhante. Jo. 3:6. 
a) Toda cabeça está doente. Is. 1:5. 
b) O coração é corrupto e rebelde. Jr. 17:9. 
c) A língua é enganosa. Rm.3:13; Tg. 3:5,6. 
d) A boca está cheia de maldição e amargura. Rm. 3:14. 
e) As mãos estão repletas de obras más. At. 2:23; Is.1:15; Jo. 8:39 ss. 
f) Os pés andam em maus caminhos. Rm. 3:15; Is. 59:7,8. 
g) Seu caráter está contaminado. Rm. 8:7,8; Gn. 6:5. 
Assim é a natureza do homem. A imagem do homem religioso o Senhor mostra em Apocalipse 3:17,18. 
2. A origem do pecado. 
a) Sua origem está na queda de Satanás e na queda do homem no paraíso. 
b) Nada que nasce de mulher pode ser puro. Jó 25:4. 
c) Ouça a confissão de Davi. Sl. 51:3-7. 
3. Pormenores comoventes. 
a) Maus pensamentos. Mt. 15:19; Tg. 2:4. 
Eles não são “isentos”. Quem não julga seus pensamentos pecaminosos, logo cairá por causa deles. 
b) Assassinato. 
Do ódio escondido para o assassinato realizado. Mt. 5:21,22. 
c) Adultério – prostituição. 
O pecado de todos os tempos, de todas as classe, todos os povos e quase de todas as idades. 
Julgue-os nos pensamentos. Rm. 6:6-13; Gl. 5:24; Cl. 3:5. 
d) Furtos. 
Da gulodice da criança até a grossas desonestidades como Acã, Geazi, Ananias e Safira. 
e) Falso testemunho, blasfêmia. 
Incontáveis são os pecados, são de toda espécie: mentira, maldição, blasfêmia, calúnia, e muitos outros 
4. A única saída. 
a) O novo nascimento. Jo. 3. 
b) O novo coração. Ez. 36:26. 
c) Vir a Cristo e ser uma nova criatura. 2 Co. 5:17. 

578. QUEM PODE SER SALVO? MC. 10:26. 
Esta pergunta decisiva os discípulos fizeram ao Senhor, depois que o jovem rico O abandonou. Vv.23,24. 
1. Quem não pode ser salvo? 
a) Os ricos, que o Senhor aqui menciona, que põem a sua confiança nos bens terrenos. 
Amor ao dinheiro e amor a Deus distanciam-se infinitamente. 
b) Aqueles que se consideram ricos de justiça própria como os fariseus. Confiam na sua oração, jejum e ofertas. 
c) Os que não desistem conscientemente do seu pecado. Êx. 4:14. 
d) Quem não aceita Jesus. Jo. 1:11. 
e) Aqueles que não valorizam a salvação. Hb. 10:26; At. 4:12; Is. 30:9 ss. 
2. Quem pode ser salvo? 
a) Todo pecador pode ser salvo. l Tm. 1:15. 
b) Cativos podem ser salvos. Is. 61:1; Jo. 8:36. 
c) Mulheres como Maria Madalena, que foi possessa. Lc. 8:2; Rm. 8:2. 
d) Homens como Manassés, que foi um grande pecador. 2 Cr. 33:11 ss. 
e) E, também, homens honrados como Nicodemos. Jo. 3. 

579. SÓ UMA COISA. 
1. Só uma coisa falta-lhe, a salvação em Cristo. Mc. 10:21. 
2. Uma coisa sei, certeza plena de salvação. Jo. 9:25. 
3. Uma só coisa é necessária, a boa parte. Lc. 10:42. 
4. Uma coisa eu faço, prossigo para o alvo. Fp. 3:13,14. 

580. A MULTIDÃO O OUVIA COM PRAZER. MC. 12:37. 
Porque: 
1. O Senhor falava aberta e simplesmente. 
2. Eles sentiam nas Suas palavras um grande amor. Dt. 33:3; Jo. 11. 
3. Eles sentiam Sua compaixão. Mc. 8:2,3. 
4. Não fazia acepção de pessoas. 2 Cr. 19:7. 
5. Ele supria suas necessidades mais profundas. Mc. 1:34; Lc. 7:50. 
6. Ele falava como alguém que tem autoridade. Mt. 8:8; 7:29. 
7. NEle o ensinamento e a vida tinham concordância. Mt. 12:22 ss. 


581. SETE SIMBOLOS DA SALVAÇÃO. 
1. O chifre, a força da salvação. Lc. 1:69. 
2. O rochedo, a firmeza da salvação. Sl. 95:1. 
3. A cidadela, a segurança da salvação. 2 Sm. 22:2. 
4. O capacete, a conservação da salvação. Ef. 6:17. 
5. O cálice, a alegria da Salvação. Sl. 116:13. 
6. A fonte, o refresco da salvação. Is. 12:3. 
7. As vestes, a beleza da salvação. Is.61:10. 

582. O SENHOR, COMO PREGADOR EXEMPLAR. LC. 4:16-30. 
O Senhor chegou a Sua cidade natal, que é Sempre o lugar mais difícil para um pregador. 
1. Seu preparo. 
a) Ele estava bem familiarizado coma Escritura. V.17. 
b) Estava cheio do Espírito Santo. Lc.3:22. 
c) Estava aprovado nas tentações. Lc.4:1-13. 
2. Sua pregação. 
O Senhor pregava: 
a) Riqueza espiritual para os pobres. 2 Co. 8:9. 
b) Libertação para os cativos. Jo. 8:31-36. 
c) Visão para os cegos. At.26:18. 
d) Cura para os corações quebrantados. Sl.51:17;34:18. 
e) O ano aceitável. Lc. 4:19; 2 Co. 6:2. 
3. O conteúdo de Sua pregação. 
a) Exposição da Escritura. V.21. 
b) Palavras de graça. V.22. 
c) Verdades sem rodeios. Vv.23,24. 
d) Decisão imediata. Vv.23-27. 
4. O resultado. 
a) Em alguns, admiração. V.22. 
b) Em outros, rejeição. Vv.28,29. 
c) A proteção temporária para Cristo, até Sua obra estar consumada. V.30. 

583. O SALVADOR, RICO EM CONSOLAÇÃO. LC. 7:11-16. 
Insuportável seria o sofrimento se não existisse o Salvador. O Senhor conhece qualquer problema, e também a hora certa para socorrer. 
1. Uma viúva em profunda tristeza. 
a) O seu passado doloroso: era uma viúva pobre. 
b) Seu presente desconsolador: o último apoio acabou. 
c) Seu futuro desesperançado: o filho cheio de esperança, em cujo auxílio confiou, estava morto. 
2. Um Salvador cheio de compaixão. 
a) O Senhor viu a tristeza humana e ficou comovido. Ninguém pode condoer-se como Ele. 
b) Teve pena. Ele não pôde passar sem ajudar.  
c) Falou uma breve palavra de consolação: “não chores”. Ap. 21:4; Is. 25:8. 
d) Sua intervenção suave: tocou o esquife. 
3. Um Salvador que socorre. 
a) À palavra de poder seguiu a palavra de amor: “levante”. Sl. 33:9. 
b) Os mortos espirituais ressuscitam pela palavra do Filho de Deus. 
4. Uma mãe consolada. 
a) Quem pode descrever os sentimentos de mãe? 
b) Como será quando o Senhor ressuscitar todos os mortos em Cristo? l Ts. 4:18. 
5. Um milagre para a glória de Deus. 
a) O morto falou. 
b) A mãe ficou cheia de louvor e gratidão. 
c) Os entristecidos juntaram suas vozes ao louvor da mãe. 
d) Todo pais falou do milagre. V. 17. 
e) Assim deve ser com todos que passaram da morte para a vida. Ef. 2:4 ss.; 1 Ts. 1:8. 

584. JESUS E A PECADORA. LC. 7:36-50. 
1. A pecadora. 
a) Com certeza ela era conhecida por toda cidade como uma grande pecadora. 
b) Sua coragem. Não se deixou deter por nada para chegar até o Senhor, mesmo como pecadora rejeitada, entrou na casa do fariseu. 
c) Seu arrependimento. Seu coração desejou a paz. 
d) Sua humildade. Lavou os pés do Senhor. 
e) Seu amor. Enxugou, beijou e ungiu os pés do Senhor. O seu amor por Jesus também é tão genuíno? 
2. O Senhor. 
a) Deixou-a aproximar-se, o que fariseu não faria. V.39. 
b) Voltou-se para ela. V.48. 
c) Perdoou-lhe os pecados. V.48. 
O fariseu falou repreensivamente, o Senhor falou compassivamente. 
d) O Senhor justificou-a diante de Simão. V.47. 
e) Deu-lhe a Sua paz. V.50. 
3. O que nos ensina esta passagem? 
a) O que é verdadeiro arrependimento. 
b) A grandeza do amor de Cristo para com o pecador. 
c) Que você pode vir ao Senhor, assim como você é. 
d) Como você pode amar ao Senhor. 
e) Como o Senhor recompensa a fé. 




585. AOS PÉS DE JESUS: LC. 7:38. 
Esse é o lugar mais abençoado no mundo, Dt. 33:3. Essa é a posição mais apropriada para todos os homens. O pecador confessa, ali, seu pecado. O filho de Deus O adora ali. 
1. O lugar do perdão dos pecados. Lc. 7:38 ss. 
A grande pecadora encontrou a certeza do perdão dos pecados. 
2. O lugar de descanso. Lc. 8:35. 
O temido geraseno, sentou-se calmo e comportado. As forças de Satanás tiveram que se afastar. 
3. Aos pés de Jesus qualquer aflição é acalmada. Mc. 7:25,29,30. 
Neles, Jairo deixou o seu fardo. Mc. 5:22. 
4. Aprendemos a maior sabedoria. Lc. 10:39-42. 
Isto Maria experimentou, lá ela recebeu a “boa parte”. Sua obra em João 12 : 3 -8, teve aqui sua origem. 
5. Podemos adorar. Lc. 17:16. 
Isto fez o samaritano curado. Dez foram curados, mas somente um voltou para adorar. 
Pertencemos aos nove ingratos? 
6. Encontramos grande alegria. Lc. 24: 52,53. 
Mesmo na hora da despedida os discípulos foram enchidos com grande alegria. 
7. Recebemos ordens. Lc. 24:47-49. 
Quando o Senhor partiu ordenou, aos discípulos, de trabalharem por Ele. Mt. 28:16-20. 
8. Recebemos o poder para o serviço. 
O Senhor mostrou a Seus discípulos a fonte do poder: a oração. Lc. 24:50; At. 1:8,14. 

586. CRISTO, AMIGO DOS PECADORES. 
1. O homem é: 
a) Um pecador. Rm. 3:19b,20. 
b) Um escravo. Sl. 14:1-3. 
c) Envolto em trevas. Ef. 4:18. 
d) Desamparado. Lc. 10:30. 
2. O homem precisa de um amigo: 
a) Perdoador. Lc. 7:42a. 
b) Salvador. 1 Pe. 1:18,19. 
c) Iluminador. Jo. 8:12. 
d) Ajudador. Lc. 10:33 ss. 

587. O CAMINHO DO PECADOR. LC. 10:30-37. 
1. Seu caminho descendo. V.30. 
2. Seus inimigos. V.30. 
3. Seus próximos sem coração. Vv.31,32. 
4. Seu verdadeiro amigo. V.33. 
5. Sua salvação. Vv.34,35. 

588. O FAZENDEIRO RICO. LC. 12. 
1. Teve uma excelente colheita. V.16. 
2. Mesmo assim, preocupou-se inutilmente. V.17. 
3. Pensou somente nas coisas terrenas. V.18. 
4. Não pensou na eternidade. V.19. 
5. Aos olhos de Deus, era muito tolo. V.20. 
6. Foi pobre e sem esperança para a eternidade. V.20. 

589. QUATRO CEIAS DIFERENTES. 
1. A ceia da graça para o pecador. Lc. 14:16. 
2. A santa ceia para o crente. Lc. 22:19,20. 
3. A ceia da alegria para os bem-aventurados. Ap. 19:9. 
4. A ceia da ira para os que não se arrependeram. Ap. 19:17,18. 

590. ESTE RECEBE PECADORES. LC. 15:2. 
1. Quem os recebe? O Senhor. Lc. 5:30. 
2. A quem Ele recebe? A pecadores de toda espécie. Jo. 6:37. 
3. Como Ele os recebe? Com alegria. Lc. 15:5; Mt. 18:13. 
4. Quando Ele os recebe? Agora. 2 Co. 6:2; Hb. 3:7,13. 
5. Por que Ele os recebe? Pois somente Ele pode salvar. Ez. 34:11-16. 

591. A OVELHA PERDIDA. LC. 15. 
1. A dolorosa descoberta do pastor: uma ovelha está perdida. V.4. 
2. Alegria e descanso foram-se; surge a preocupação. 
3. Deixa as noventa e nove no deserto. 
4. Busca incansavelmente: até encontrá-la. 
5. Seu regresso feliz: carrega-a sobre seus ombros. 
6. Uma festa de alegria: convida amigos e vizinhos para participar dela.  

592. SETE PASSOS DO FILHO PRÓDIGO PARA A PERDIÇÃO. LC. 15. 
1. Sua exigência: “Pai dá-me”. V.12. 
2. Sua partida: foi-se para uma terra distante. V.13. 
3. Sua vida no pecado: dissipou todos os seus bens. V.13. 
4. Suas experiências: quando tinha gasto tudo. V.14. 
5. Sua última tentativa: tomou-se servo de um cidadão. V.15. 
6. Sua humilhação: estava satisfeito coma comida dos porcos. V.16. 
7. Sua grande miséria: ninguém lhe dava nada. V.16. 

593. O AGIR DE DEUS COM O PECADOR. LC. 15. 
1. Concede-lhe sua liberdade. V.12. 
2. Restringe sua liberdade. V.14. 
3. Leva-o para o arrependimento. V.17. 
4. Vai ao encontro do pecador. V.20. 
5. Perdoa a culpa do pecador. V.20. 
6. Transforma o pecador completamente. V.22. 
7. Faz dele Seu filho e dá nova vida. V.24. 
8. Justifica Seu filho. V.32. 

594. SETE PASSOS DO FILHO PRÓDIGO PARA REGRESSAR AO LAR. LC. 15. 
1. Seu despertar: caiu em si. V.17. 
2. Sua reflexão : eu aqui morro de fome. V.17. 
3. Sua decisão: levantar-me-ei. V.18. 
4. Sua confissão de pecados: eu pequei. V.18. 
5. Sua declaração: eu não sou digno. V.19. 
6. Sua prontidão: abrir mão de tudo. V.19. 
7. Seu regresso: levantou-se e foi. V.20a 

595. EM CASA COM O PAI. LC. 15. 
1. O Pai que espera: Ele viu-o de longe. V.20. 
2. A profunda compaixão do Pai : compadeceu-se. V.20. 
3. O cordial amor paternal: beijou-o. V.20. 
4. O cuidado paternal: vestiu-o. V.22. 
5. A homenagem do Pai: deu-lhe um anel. V.22.
6. A comunhão com o Pai: ceou com ele. V.23. 
7. A alegria na casa do Pai: regozijaram-se. V.24. 

596. OS DEZ LEPROSOS. LC. 17:11-19. 
1. Igualdade comum em: 
a) Sua miséria. 
b) Sua distância de Cristo. 
c) Seu grito por socorro. 
d) Sua fé. 
e) Sua cura. 
2. No que se diferenciavam: 
a) Somente um voltou até Jesus. 
b) Somente um deu glória a Deus. 
c) Somente um foi abençoado pelo Senhor. 

597. O NOVO NASCIMENTO. JO. 3. 
1. Sua necessidade é absoluta, pois: 
a) O homem natural é carnal. Rm. 8:7,8. 
b) Não pode entrar no reino de Deus. Jo. 3:3. 
c) Todo seu ser está contaminado. Mt. 15:19. 
d) Está morto em pecados. Ef. 2:1,5. 
2. Quem nos ajuda para o novo nascimento? 
a) A palavra viva de Deus. 1 Co. 4:15; Jo. 1:13; Lc. 11:28;1 Pe. 1:23. 
b) O próprio Cristo, dEle nós somos nascidos. 1 Jo. 2:29. 
c) O Espírito Santo. Jo. 3:6. 
3. Quais são as características do renascido? 
a) E uma nova criatura. 2 Co. 5:7. 
b) Possui nova vida. Rm. 6:4. 
c) Tem um novo coração. Ez. 36:26. 
d) Tem um novo Espírito. Ez. 36:26. 

598. É IMPOSSÍVEL AO HOMEM: 
1. Ser salvo, sem nascer de novo. Jo. 3:5-7. 
2. Ser redimido, sem o Sangue de Jesus Cristo. Hb. 9:22. 
3. Agradar a Deus, sem ter fé. Hb. l1:6. 
4. Converter-se, depois da morte. Lc. 16:26. 
5. Escapar do juízo vindouro. Hb. 2:3. 
6. Salvar-se, de outro modo a não ser por Jesus. Jo. 10:7-9. 
7. Crer em Jesus e mesmo assim, perder-se. At. 16:31; Mc. 16:16. 

599. O VERSÍCULO MAIS CONHECIDO NO MUNDO INTEIRO: JO. 3:16. 
1. Neste versículo se oferece: 
a) A graça mais rica: Deus ama o mundo. 
b) O maior sacrifício: o Filho de Deus. 
c) Salvação do maior perigo: a perdição eterna. 
d) Uma bênção imperdível : a vida eterna. 
2. Como chegamos a isto? 
Através da fé em Cristo, o Filho de Deus. 
3. E quem desfruta destas dádivas? 
Todos que andam pelo caminho da fé. 

600. A GRANDE DÁDIVA DE DEUS. JO. 3:16. 
1. Uma dádiva é avaliada segundo a intenção do doador. 
2. O que custou ao Doador: Seu Filho. 
3. O que oferece ao receptor: a vida eterna. 
4. A dádiva de Deus é: 
a) Ilimitada. Jo. 3:16. 
b) Inefavelmente preciosa. 2 Co. 9:15. 
c) Insondável. Ef. 3:8. 
d) Imutável. Hb. 7:24; 13:8. 
e) Imaculada. Hb. 7:26. 
f) Imerecida. Rm. 3:24. 
g) Universal. Rm. 8:32. 

601. FATOS DA SALVAÇÃO EM JOÃO 3. 
1. A essência de Deus é amor. V.16. 
2. A obra de Cristo foi trazer salvação. Vv.2,17. 
3. O poder do Espírito vivifica. V.8. 
4. Nossa necessidade mais profunda é o novo nascimento. Vv.6,7. 
5. O caminho para o novo nascimento chama-se fé. Vv.14,15. 
6. A incredulidade leva à perdição. Vv. IS,19. 
7. As boas obras são a prova da nova vida. V.21; Tg. 2:17. 

602. DOIS GRANDES CONTRASTES. 
1. Quem rejeita conscientemente Jesus Cristo: 
a) Está julgado e perder-se-á. Jo. 3:18. 
b) Está morto em seus delitos e pecados. Ef. 2:1. 
c) É um filho de Satanás. Jo. 8:44; 1 Jo. 3:8-10. 
d) Sobre este permanece a ira de Deus. Jo. 3:36. 
e) Caminha para o juízo. Hb. 9:27. 
f) Será lançado no lago de fogo. Ap. 21:8. 
2. A feliz sorte do cristão: 
a) É salvo pela graça. Ef. 2:8,9. 
b) Está morto para o pecado. Rm. 6:11. 
c) E um filho de Deus. Jo. 1:12. 
d) Tem acesso a graça de Deus. Rm. 5:2. 
e) Está perto de Deus. Rm. 5:2. 
f) Espera a glória do Senhor vindouro. Fp. 3:20,21. 

603. A ÁGUA DA VIDA. IS. 12:3. 
1. As características desta água: 
a) É água viva. Jo. 4:10. 
b) É pura e brilhante como cristal. Ap. 22:1. 
c) Corre abundantemente. Ez. 47:1-9. 
d) É gratuita. Ap. 21:6. 
2. A água corre para: 
a) Pessoas em aflições. Is. 30:20. 
b) Todos que querem bebê-la. Ap. 22:17. 
c) Pessoas sedentas. Ap. 21:6; Is. 55:1. 

604. A NECESSIDADE ENSINA ORAR. JO. 4:47-53. 
1. O pedinte: um alto funcionário. 
2. Sua grande necessidade: urna criança mortalmente doente. Vv.46,47. 
3. Boa notícia: ele ouve a respeito do grande médico. 
4. Sua calorosa súplica pela cura de seu filho. Vv.47,49. 
5. Sua simples obediência de fé. V.50. 
6. Foi atendido na mesma hora. Vv.51-53. 
7. O resultado para a glória de Deus: toda casa creu. V.53. 

605. A GRANDE OFERTA DE SALVAÇÃO. JO. 7:37. 
1. Os convidados. 
a) Os sedentos. Is. 55:1; Ap. 21:6. 
b) Os pecadores, portanto todos! Is. 1:18; Rm. 5:8; Is. 55:6,7; Lc. 19:10. 
c) Os cansados e sobrecarregados. Mt. 11:28. 
d) Todos que quiserem vir. Ap. 22:17; Os. 6:1; Jo. 5:6. 
2. Como e quando eles devem vir. 
a) Já, sem demora. 2 Co. 6:2; Hb.4:7. 
b) Deixando tudo pra trás. Lc. 5:11; Mt. 19:27-29. 
c) Confiantes, crentes. 1 Jo. 1:9; At. 5:31; Hb. 11:6; Gn. 12:4. 
d) Com toda seriedade. Jr. 29:13. 

606. VOCÊ ANDA EM QUAL CAMINHO? JO. 14:6; SL. 1:6. 
1. Dos próprios olhos? Pv. 21:2. 
2. No enganoso? Pv. 14:12. 
3. No perigoso? Pv. 4:14; 1:10-15. 
4. No escuro? Pv. 4:19. 
5. No de obediência como o caminho da vida? Pv. 10:17; 12:28. 
6. No caminho reto? Pv. 3:6. 

607. POR QUE O SENHOR VEIO A ESTE MUNDO? 
Alguns pensam que Ele veio para nos dar um bom exemplo: este Ele deu. Outros acham, que foi para nos ensinar: isto Ele também fez. Vamos ouvir o que Ele diz! 
1. Eu não vim: 
a) De moto próprio. Jo. 8:42. 
b) Para ser servido. Mt. 20:28. 
c) Para julgar o mundo. Jo. 12:47. 
d) Para revogar a lei. Mt. 5:17. 
e) Para chamar justos. Mc. 2:17. 
f) Para trazer paz. Mt. 10:34. 
2. Eu vim: 
a) Como luz para o mundo. Jo. 12:46. 
b) Para dar a minha vida. Mt. 20:28. 
c) Para buscar e salvar o perdido. Lc. 19:10. 
d) Para causar divisão. Lc. 12:51. 
e) Para ser rei de Israel e dar testemunho da verdade. Jo. 18:37. 

608. EU SOU A PORTA. JO. 10:9. 
Jesus é a única porta para a vida eterna: 
1. É a porta mais segura. Vv.28,29; Fp.1:9; Rm. 8:31ss. 
2. É a porta para a comunhão, Ele permite a passagem. V.9. 
3. É a porta para a liberdade, os Seus entram e saem. V.9. 
4. É a porta para glória do Pai. Jo. 14:6. 
5. É a porta que está sempre aberta. Jo. 6:37. 

609. DIVERSOS LUGARES ONDE O EVANGELHO FOI ANUNCIADO. 
1. Nas ruas de Jerusalém. At. 2:14; Mt. 22:9. 
2. Diante da porta do templo, chamada Formosa. At. 3:2,11,12. 
3. No Sinédrio. At. 5 :27 ss. 
4. Na viagem. At. 8:30 ss. 
5. Nas sinagogas. At. 9:20; 13:14,15; 19:9. 
6. Em diferentes moradias. At. 10:24; 16:32; 28:30. 
7. Ao ar livre. At, 16:13. 
8. Nas prisões. At. 16:28,31. 
9. Na própria casa. At. 28:30,31. 
10. Em praça pública. At. 17:22. 
11. De casa em casa. At. 20:20. 
12. Diante de juízes e reis. At. 24:24; 26:1. 



610. A CONVERSÃO. 
1. É uma ordem divina. At. 3:19. 
2. É possível pela misericórdia de Deus. Tt. 3:5. 
3. É uma transformação total. 2 Co. 5:17. 
4. É obra do Espírito Santo. Jo. 3:3-5. 
5. É indispensável para o perdão dos pecados. At. 3:19. 
6. É recebida através da fé. At.16:31. 
7. É manifestada através dos frutos. Mt. 7:20. 

611. O PARALITICO NA PORTA FORMOSA. AT. 3. 
1. Sua necessidade. 
a) Dependente, precisava ser carregado. 
b) Pobre, vivia de esmolas. 
c) Era um peso para outros. 
2. Sua experiência. 
a) Foi atendido além do esperado. 
b) Uma cura maravilhosa. 
c) Uma transformação, manifestada diante de todos. 
3. Sua gratidão e seu testemunho. 
a) Deu um salto e passou a andar. 
b) Louvou a Deus. 
c) Era uma testemunha viva e visível do Senhor. 

612. A CONVERSÃO DE SAULO. AT. 9. 
Ele foi: 
1. Um inimigo declarado de Cristo. At. 7:57,58. 
2. Vencido: caiu por terra. 
3. Um indagador: “Quem és Tu, Senhor?”. 
4. Obediente: “Que farei, Senhor?”. At. 22:10. 
5. Humilde na oração: “Eis que ele está orando”. 
6. Salvo: “Levantou-se, e foi batizado”. 
7. Um testemunho: “E logo pregava nas sinagogas a Jesus”. 

613. SAULO – PAULO; OUTRORA – AGORA. 
1. Fez muitas cousas más. At. 9:13. 
Porém, mais tarde muitas cousas boas. 2 Tm. 4:7. 
2. Causou muito sofrimento. At. 9:14. 
Porém, mais tarde sofreu muito por causa de Jesus. 2 Co. 11:23-28. 
3. Respirou ameaças. At. 9:1. 
Porém, posteriormente – “eis que está orando”. At. 9:11. 
4. Perseguiu a Cristo. At. 9:5. 
Porém, depois O serviu. At. 27:23. 
5. Correu para Damasco para fazer o mal. At. 9:3. 
Porém, prosseguiu em direção ao supremo alvo. Fp. 3:14. 
6. Tinha justiça própria. Fp. 3:4-6. 
Porém, mais tarde, procurou a justiça de Cristo. Fp. 3:7-9. 
7. Foi um terrível perseguidor. Gl. 1:13. 
Depois foi uma poderosa testemunha do Senhor. Gl.  1:15-24. 

614. SALVAÇÃO PARA TODOS. 
1. Ser um perseguidor, como Saulo. At. 9:1. 
2. Negar o Senhor, como Pedro. Mt. 26:74. 
3. Ser cego, como Bartimeu. Mc. 10:46. 
4. Ser tão pobre e doente, como Lázaro. Lc. 16:20. 
5. Ser impuro, como um leproso. Mt. 8:2. 
6. Estar longe, como o filho pródigo. Lc. 15:13. 
7. Estar cheio de pecados, como a samaritana. Jo. 4:18. 
8. Ser um pagão rude como o carcereiro, mas crer em Jesus Cristo e ser salvo. At. 16:31. 

615. UMA PREGAÇÃO CORAJOSA PERANTE OUVINTES INDIGNADOS. AT. 3:13-26. 
1. Uma acusação esmagadora. 
a) Entregaram o Filho de Deus a Pilatos. V.13. 
b) Negaram o Santo e Justo. V.14. 
c) Mataram o Autor da vida. V.15. 
2. Sua escolha incrível. 
a) Vocês preferiram um assassino. V.14. 
b) Rejeitaram o Messias de Deus. V.14. 
3. Uma ordem importante. 
a) Arrependei-vos. V.19. 
b) Convertei-vos a Deus. V,19. 
4. Uma promessa maravilhosa. 
a) O terrível pecado pode ser cancelado. V.19. 
b) Então virão tempos de refrigério. V.20. 
c) O Senhor voltará para eles. V.20. 

616. UMA PREGAÇÃO SUBSTANCIOSA. AT. 10:38-43. 
A tônica da mensagem é: paz através de Jesus. 
Pedro anunciou o Senhor como: 
1. O nazareno desprezado – Jesus de Nazaré. V.38. 
2. O ungido de Deus, portanto, como Filho de Deus. V.38. 
3. O grande benfeitor e médico. V.38. 
4. O libertador dos laços de Satanás. V.38. 
5. O crucificado por Israel. V.39. 
6. O ressuscitado por Deus. V.41. 
7. O juiz vindouro. V.42. 
8. Aquele que perdoa os pecados. V.43. 
Os ouvintes creram na mensagem, foram salvos e cheios do Espírito Santo. 

617. LIBERTAÇÃO VERDADEIRA. AT. 12:1-18. 
Utilizemos esta maravilhosa libertação como figura da libertação de um pecador, em cadeias, por Jesus. 
1. A situação perigosa. 
Herodes, a figura de Satanás, e Pedro, a figura do pecador, no poder de Satanás, acorrentado e vigiado. O cárcere, guardado por quatro escoltas de quatro soldados. 
Assim, o pecador está acorrentado. 1 Jo. 3:8; Cl. 1:13; Sl.116:3. 
2. Crentes fiéis na oração. V.5. 
Por aquele encarcerado a igreja intercedeu na oração de fé. Este é o único caminho para libertar presos de Satanás. 
3. Um poderoso Redentor. 
a) “Apareceu um anjo” V.7.  
O anjo trouxe luz (o evangelho). 
b) Despertou quem dormia. Ef. 5:14. 
c) Ordenou: “Levanta-te e cinge-te”. Vv.7,8. 
4. O pecador despertado. 
a) Obedece imediatamente. 
b) As cadeias caem no momento da aceitação confiante da salvação. 
c) Não olha para os obstáculos, ele crê. 
d) Dispõe-se. 
e) Segue ao anjo, sem medo, por entre todos os guardas. 
5. Certeza bem-aventurada. 
a) Todas as cadeias foram rompidas. 
b) O portão de ferro está atrás dele. 
c) O encarcerado está totalmente livre. 
6. O novo caminho do salvo (do novo convertido). V.12. 
a) Freqüenta a reunião de oração. 
b) Alegra aqueles, que por ele oraram. 
c) Testemunha a sua libertação maravilhosa. V.17. 
d) Alvoroça o mundo. V.18. 

618. VIRÁ O DIA. AT. 17:30, 31. 
Paulo ordena, em nome de Jesus, aos ouvintes que se arrependam, pois, em breve, chegará o dia do juízo. 
1. O que as Escrituras falam do dia do juízo? 
a) Paulo confirma, que Deus determinou esse dia. V.31; Ml. 3:2-4. 
b) Muitos exemplos confirmam isso claramente: 
– Deus determinou o dia do dilúvio. Gn. 6:3. 
– Deus marcou o juízo sobre o Egito. Êx.3. 
– Os muros de Jericó ruíram no tempo determinado. Js. 6. 
– O juízo caiu sobre Nabucodonosor no dia certo. Dn. 4. 
– E assim aconteceu com Israel no ano 70. Mt. 23 :37,38. 
2. O que as Escrituras falam sobre o Juiz? 
a) Ele foi escolhido por Deus. V.31; Jo. 5:26,27. 
b) Ele é apto, sabe todas as coisas. Hb.4:12. 
3. O que as Escrituras falam das bases da jurisdição? 
a) Livros serão abertos. Ap. 20:12. 
b) Deus julgará todos os segredos. Rm. 2:16. 
c) O Senhor julgará os pecados da língua. Mt.12:36. 
d) Julgará a incredulidade. Jo. 3 :18. 
e) Perante Ele tudo está descoberto. Hb.4:13; 2 Cr. 16:9. 
4. O que as Escrituras falam sobre as sentenças? 
a) Que existirão uns à direita, outros à esquerda; uns dentro, outros fora. Dir-se-á: 
“Entra no gozo do Teu Senhor” ou: “Retira-te de mim maldito”. 
b) O resultado é imutável. Lc. 16:26; Mt. 25:14-30. 
5. A única saída. 
a) O apóstolo mostra esta saída no versículo 30. Mt. 3:7,8.  
b) Confessar os pecados ao Senhor. 1 Jo. 1:9. 
c) Ter fé no precioso Sangue. At. 16:31. 
d) Sem este passo, estará perdido para sempre. Hb. 2:3; 9:27. 

619. O CARCEREIRO. AT. 16:25-34. 
1. O pecador seguro de si: dorme. 
2. O pecador despertado: vem tremendo. V.29. 
3. O pecador que procura, pergunta: “Que devo fazer?”. V.30. 
4. O pecador instruído: crê no Senhor. V.31. 
5. O pecador salvo: rejubila e agradece. V.34. 

620. O ARREPENDIMENTO. 
1. Ele é ordenado por Deus. At. 17:30. 
2. O Senhor Jesus pregou o arrependimento. Mt. 4:17. 
3. Ele é pregado em nome de Jesus. Lc. 24:47. 
4. É indispensável para o perdão dos pecados. At. 8:22; 3:19; Ap. 2:16. 
5. Deus é o doador do arrependimento. 2 Tm. 2:25. 
6. É dado pela bondade de Deus. Rm. 2:4. 
7. Deve ocorrer pela fé. Mc. l :15. 
8. Desencadeia alegria no céu. Lc. 15:7,10. 
9. Pode ocorrer tarde demais. Hb. 12:17. 

621. O GRANDE DIA DA HISTÓRIA DO MUNDO. AT. 17:30,31. 
Que dia é este? Certamente não é um dia de vinte e quatro horas, mas uma época perturbadora, um tempo de manifestações de Jesus Cristo, em poder e glória. 
1. Um dia de revelação. 
a) Do Senhor, que somente foi conhecido como o desprezado, porém agora Ele está assentado no Seu trono. Todo joelho se dobrará diante dEle. Fp. 2:9-11. 
b) As pessoas, das quais o mundo, não era digno, reinarão e julgarão com Cristo. Hb. l1:39;Ap. 20:4; 22:5. 
c) Em relação aos incrédulos. Os seus olhos se abrirão como os do homem rico em Lc. 16:19 ss., mas será tarde demais. 
2. Um dia de descobertas. Então abrir-se-ão os livros. Ap. 20:12. 
Todos os segredos chegarão à luz e serão julgados. Rm. 2:16. 
3. Um dia de retribuição. 
Aqueles que semearam para sua própria carne, colherão perdição. Gl. 6:6,7. 
4. Um dia de separação. Mt. 25:1-13,32. 
5. Como o homem se prepara dignamente para este dia? 
a) Deus notifica a todos os homens que se arrependam. 
b) Jesus é dado a nós como propiciação (trono da graça). Rm. 3:25. 
c) Somente Ele é a porta e o caminho para a salvação. Jo. 10:9; 14:6. 

622. UMA ORDEM Do REI. AT. 17:30, 31. 
1. Quem dá a ordem é Cristo. 
2. Quando o Senhor ordena: hoje! At. 3:19. 
3. A quem Ele ordena: a todos os homens. At. 5 :31; 11:18; 2 Pe. 3:9. 
4. Para onde se dirige esta ordem: a todos os lugares. 
5. O que contém esta ordem: o convite para o arrependimento. 
6. Por que Ele ordena: para salvar os homens da perdição. 

623. PAULO PERANTE FÉLIX. AT. 24:24-27. 
Félix ouviu Paulo com interesse, porém somente a indicação clara para seu pecado pessoal, conseguiu abalá-lo. 
1. O pregador. 
a) Um homem simples, que não fez acepção de pessoas. Vv.24,25. 
b) Apesar de ser um prisioneiro, era o mais livre entre eles. Não se envergonhou em testemunhar. Rm. 1:16 
c) Era exigente consigo mesmo. At. 24:16. 
2. Os ouvintes. 
a) A palavra menciona somente Félix e sua esposa, com certeza, também havia outros presentes.  
b) Quem era Félix? Um homem com cargo elevado. 
c) Um homem de má fama, um escravo do pecado. 
3. A pregação. 
a) As mensagens de Paulo eram diferentes. Em Listra, falou do Criador bondoso. At. 14:15-18. 
b) Aos atenienses, pregou arrependimento. At.17:30. 
c) Ao boêmio Félix, falou de quatro espécies: 
– A fé no Senhor Jesus. V.24; Hb. 11:6. 
– A justiça, que é aceita por Deus. Vv.16,25. 
– O domínio próprio. V.25. 
– O juízo vindouro. V.25. 
4. O resultado da pregação. 
a) A palavra viva tocou o coração e a consciência. Sl. 119:120; Hb. 4:12,13. 
b) Convenceu-se completamente. 
c) Permaneceu desonesto, queria que Paulo o subornasse. 
d) Queria agradar aos judeus e mostrou-se injusto. 
e) Perdeu o tempo oportuno. 2 Co. 6:2; Hb. 3:7-13; Sl. 69:13. 

624. CUIDE-SE DO AUTO-ENGANO. 
Você pode:
1. Tremer diante da palavra, como Félix. At. 24:25. 
2. Estar persuadido, como Agripa. At. 26:28. 
3. Trazer grandes ofertas, como Ananias e Safira. At. 5:2. 
4. Fazer um bom começo, como Demas. 2 Tm. 4:10. 
5. Estar entre crentes, como Geazi. 2 Rs. 5:20-27. 
6. Zelar por Deus, como Israel. Rm. 10:2. 
7. Gostar de ouvir a palavra, como Herodes. Mc. 6:20. 
8. Pertencer ao povo escolhido, como Coré. Nm. 16:32. 
9. Estar próximo do reino de Deus. Mt. 19:16-22. 
E mesmo assim, ir para a perdição. Mt. 25:41 ss. 

625. A GRANDE MUDANÇA NA VIDA DE PAULO. AT. 26. 
1. O que fez outrora. 
a) Perseguiu a igreja do Senhor. Vv.9-11.
b) Tornou-se cúmplice das sentenças de morte. V.10. 
c) Na sua raiva, agiu como um possesso. V.11. 
2. O que viu de repente. At. 9:12,13. 
a) Uma luz clara ao meio-dia. V.13; 1 Co. 9:1. 
b) O Senhor Jesus. 1 Co. 15:8.
3. O que ouviu. 
a) A voz do Senhor. V.14. 
b) Uma ordem do Senhor. V.16. 
4. O que era. 
a) Não era louco como Festo disse, pelo contrário, falou palavras de verdade e de bom senso. V.25. 
b) Convencido do seu testemunho. V.26. 
c) Muito contente, apesar de ser um prisioneiro. V.29. 

626. O EVANGELHO DE DEUS. 
1. É de origem divina. Rm. 1:1; Mc. 1:1; Jo. 1:1,2. 
2. É o Evangelho da graça de Deus. At. 20:24. 
3. Indica o caminho que conduz para a vida. Mt. 7:13,14. 
4. Traz salvação a todos que crêem. Ef. 1:13. 
5. É o Evangelho da paz. Ef. 6:15. 
6. Transmite bênção plena. Rm. 15:29. 
7. É o poder de Deus para a salvação. Rm. 1:16. 
8. É a mensagem da glória de Jesus Cristo e de Deus. 2 Co. 4:4. 
9. Crentes devem transmiti-lo pelo seu viver. Fp. 1:27. 

627. DEUS FALA-NOS ATRAVÉS: 
1. Da criação. Rm. 1:20. 
2. Da consciência. Rm. 2:15. 
3. Dos profetas. Hb. 1:1.
4. Do Seu Filho. Hb. 1:2. 
5. Do Espírito Santo. Hb. 3:7 ss. 
6. Da Palavra de Deus. 2 Tm. 3:16,17.
7. Do Sangue de Jesus. Hb. 12:24. 

628. NÓS FOMOS LIBERTOS: 
1. Da perdição eterna. Rm. 8:1. 
2. Da maldição da lei. Gl. 3:13. 
3. Do jugo do pecado. Rm. 6:18; Jo. 8:34-36. 
4. Deste mundo perverso. Gl. 1:4. 
5. Do poder das trevas. Cl.1:13. 
6. Do pavor da morte. Hb.2:15. 
7. Do próprio eu. Gl. 2:20. 

629. BOA ESPERANÇA. 2 CO. 5:1. 
A vida de Paulo era árdua e turbulenta, mas ele possuía uma viva esperança. 
1. Paulo viu a aproximação do final de sua vida. 
Viu como outros morriam e alegrou-se muito na expectativa de chegar à glória de Deus. 
2. A bem-aventurada esperança futura que Paulo conheceu. 
a) Ele tinha um edifício preparado por Deus. 
b) Mas como Paulo soube disto? 
– Porque se encontrou com o Senhor. 
– Porque foi lavado dos seus pecados, e a herança lhe estava assegurada. 
– Pois já havia visto o paraíso. 2 Co. 12:4. 
3. Como é este edifício de Deus? 
a) Glorioso, porque é comparado com um templo. 
b) Habitável, porque é chamado “casa do Pai”. Jo. 14:2,3. 
c) Seguro, nele não entram ladrões. Mt. 6:20.  
d) Permanente, é eterno no céu. 
4. O grande valor da plena certeza. 
a) A morte física termina coma ressurreição. l Co. 15:52 ss. 
b) Paulo teve esta certeza desde sua conversão. At. 9. 
c) Cada nascido de novo tem livre acesso. Hb. 10:19 ss. 
d) Os lavados pelo Sangue de Jesus estão diante de Deus. Ap. 7:14. 
e) Anjos estão a disposição, para nos levar ao lar. Lc.16:22. 
f) O Senhor recepciona os Seus. At. 7:55. 

630. A CONVERSÃO E O NOVO NASCIMENTO SÃO: 
1. Uma transformação radical. 2 Co.5:17 
2. Uma experiência espiritual. Jo. 3:6. 
3. Dádivas da graça de Deus. Tt. 3:5. 
4. Pré-condições para a vida eterna. Jo. 3:3. 
5. Ordenados por Deus. At. 3:19. 
6. Reconhecidos pelos frutos. Mt. 7:20. 
7. Apropriados pela fé. At. 16:31. 

631. EM CRISTO TUDO É NOVO. 2 CO. 5:17. 
1. O crente experimentou um novo nascimento. Jo. 3:3; 5:7. 
2. Recebeu nova vida. Rm. 6:4. 
3. Possui um novo coração. Ez. 11:19. 
4. Recebeu um novo Espírito. Ez. 36:27. 
5. Ganhou um novo nome. Ap. 3:12. 
6. É um homem completamente novo. 2 Co. 4:16. 
7. Canta alegremente o novo cântico. Sl. 40:3; Ap. 5:9. 

632. NÓS FOMOS LIBERTOS: 
1. Da culpa do pecado. Ef. 1:7. 
2. Da maldição da lei. Gl. 3:13. 
3. Do poder das trevas. Cl. 1:13. 
4. Do presente mundo mau. Gl. 1:4. 
5. Do poder de Satanás. Ap. 12:10,11. 
6. De todo temor. Sl. 34:4. 
7. Da ira vindoura de Deus. 1 Ts. 1:10. 



633. O HOMEM NO CAMINHO DA VIDA: 
1. É salvo, pela graça. Ef. 2:1-5. 
2. É justificado, pela fé. Rm. 5:1. 
3. Está redimido pelo Sangue de Jesus. At. 20:28. 
4. Tem plena certeza, através da Palavra. 1 Jo. 5:13. 
5. É guardado, pelo poder de Deus. 1 Pe. 1:5. 
6. Está cheio do Espírito Santo. 1 Co. 6:19. 
7. É apresentado imaculado diante de Deus. Jd. 24. 

634. O QUE DEUS FAZ COM NOSSO PECADO? 
A Escritura responde a esta pergunta de diferentes maneiras. Ela pertence às mais importantes da nossa vida. 
1. Perdoa-os totalmente. Ef. 1:7; 1 Jo. 2:12. 
2. Pré-figurado no bode mandado para o deserto. Lv. 16:21,22; Jr. 50:20; Mt. 8:17; Jo. 1:29; Hb. 9:28; 1 Pe. 2:24. 
3. Apaga-os completamente. Is. 43:25; 44:22. 
4. Cobre-os diante de Si. Sl. 32:1. 
5. Elimina-os, toma-os invisíveis. Sl. 103:12.  
6. Lança-os nas profundezas do mar. Mq. 7:18,19. 
7. Lança-os para trás de Si. Is. 38:17. 
8. Esquece-os. Is. 43:25; Hb. lo:17. 

635. O AMOR DE DEUS É: 1 CO. 13. 
1. Grande. Ef. 2:4,5; Jo.15:13. 
2. Perdoador. Os. 14:4; Pv. 10:12. 
3. Sobrenatural. 1 Jo. 3:1. 
4. Inefável. 2 Co. 9:15. 
5. Infinito. Jo. 3:16. 
6. Uma aliança perpétua entre Deus e os Seus. Rm. 8:38,39.  
7. Eterno. 1 Co. 13:8. 


636. DEGRAUS DA GRAÇA. CL. 1:9-14. 
1. A remissão dos pecados. V.14. 
2. A redenção através do sangue de Cristo. V.14. 
3. A libertação do poder das trevas. V.13. 
4. A transposição para o reino do amor. V.13. 
5. Feitos idôneos para a herança dos santos. V.12. 
6. Fortalecidos com todo poder. V.11. 
7. Frutificando em toda boa obra. V.10. 
8. Enchidos com toda a sabedoria e entendimento espiritual. V.9. 

637. NOSSO CAMINHO PARA A GLÓRIA. 
Nossa vida assemelha-se a uma viagem. O mundo é o grande oceano. O navio (ou a arca) é a igreja (ecclésia). Nela, temos plena segurança. O destino da viagem é a glória celestial. O que necessitamos para chegar, em segurança, a este porto? 
1. O Senhor, como Capitão. Hb. 2:10; Js. 5:14. 
2. Ele é testado e aprovado. Hb. 7:25,26; 13:8. 
3. A Bíblia contém o plano da viagem. Sl. 119:105. 
4. O Espírito Santo mostra-nos o caminho. Jo. 16:13. 
5. O navio tem uma forte âncora. Hb. 6:18,19. 
6. A corrente da âncora é a fé. Hb. 11:1; Rm. 1:17. 
7. Esta fé salva e protege. Ef. 2:8; 1 Pe. 1:5. 
8. A tripulação está bem equipada. Ef. 4:11,12; 2 Tm. 2:2; At. 5:42. 
9. A viagem é gratuita. Is. 55:1. 

638. NOSSO CORAÇÃO NA CARTA AOS HEBREUS. 
Ele é um coração: 
1. Errante. 3:10. 
2. Mau e obstinado. 3:12; Jr. 17:9. 
3. Perverso. 3:12; Jr. 30:12. 
4. Julgado pela palavra de Deus. 4:12. 
5. Purificado por sangue. 10:22; 1 Jo. 1:7. 
6. Sincero. 10:22. 
7. Confirmado. 13:9. 

639. A SALVAÇÃO. 
1. O autor da salvação: o Senhor Jesus. Hb. 5:9. 
2. O único caminho para a salvação é Jesus. Jo. 14:6; At. 16:17. 
3. Deus abre o conhecimento para a salvação. 1 Jo. 5:13; Lc. 1:77; Jr. 31:34. 
4. A salvação enche o coração de alegria. Sl. 5:11; 40:16: Is. 12:3. 
5. O dia da salvação é o tempo oportuno. 2 Co. 6:2. 
6. A fonte da salvação alimenta a nossa vida espiritual. At. 4:12. 
7. A esperança da salvação não confunde. Gn. 49:18; Sl. 119:166. 
8. O finalidade é a vida eterna. 1 Pe. 1:9. 

640. COMO NÓS ESCAPAREMOS? HB. 213. 
O apóstolo diz que a salvação é uma grande bem-aventurança. 
1. A necessidade da salvação. 
Todos estão em rebelião e inimizade contra Deus. Rm. 3:22,23; 8:7. 
2. O grande perigo, que todos encontrarão. Hb. 9:27. 
Depois da morte, a situação é imutável. Deus, porém, oferece-nos a salvação. 
3. O Redentor, que Deus enviou. Jo. 3:16. 
Deus vem ao nosso encontro como Salvador e Senhor. l Tm. 2:3; Tt. 3:4. 
4. O grande preço que Deus estabeleceu. 
Nada pode remover o pecado a não ser o Sangue de Cristo. Hb. 9:22; 12:24. 
A negligência terá conseqüências terríveis. Hb. 4:1,11; 10:28,29; 12:25; Mt. 23:33; Rom. 2:3-6. 
5. O pleno perdão que esta salvação oferece. Is. 55:7. 
Qualquer pecado é perdoado. l Tm. 1:13. 
6. A grande bênção que surge disto. 
Deus não somente perdoa. Justifica, santifica e nos faz co-herdeiros de Cristo, e, por isto, estamos preparados para a glória vindoura. 
Como nós escaparemos, se negligenciarmos uma bem-aventurança tão grande? 

641. CRISTO, O GRANDE REDENTOR. 
1. Suas qualidades como condições para o sucesso da obra da redenção: 
a) Santo, inculpável, sem mácula, separado dos pecadores. Hb. 7:26. 
b) Preparado para o sacrifício extremo: a morte na cruz. Is. 53. 
c) Cheio de amor por nós, que éramos Seus inimigos. Jo. 13:1; Gl. 2:20b; Rm. 5:10. 
2. A abrangência e o significado da salvação: 
a) Cristo pode salvar agora e para sempre. Hb. 7:25; Lc. 23:43. 
b) Da escravidão do pecado; à liberdade dos filhos de Deus. Rm. 6:14; 8:21. 
c) Do pavor da morte; para o eterno descanso e salvação. Hb. 2:14,15; Ap. 14:13. 
d) Da ira vindoura de Deus; para a filiação de Deus. l Ts. 1:10; 1 Jo. 3:1. 
3. Os benefícios desta salvação são para: 
a) Todos que se achegam a Ele. Hb. 7:25. 
b) Os que ainda estão longe. Is. 57:19. 
c) Os pecadores. Is. 1:18. 
d) Todos que não transformam Sua graça em libertinagem. Jd. 4. 

642. UM PEREGRINO EXEMPLAR. HB. 11:8-10. 
1. Abraão creu em Deus. 
2. Deixou tudo, para fazer a vontade de Deus. 
3. Sacrificou coisas do presente por coisas do porvir. 
4. Trocou a terra natal pelo desconhecido. 
5. Foi, para onde Deus o mandou. 
6. Sacrificou, em obediência da fé, o filho da promessa. 
7. Aguardou a cidade vindoura de Deus. 

643. A CONSCIÊNCIA. 
As Escrituras falam muito da consciência: 
1. Má. Hb. 10:22; Tt. 1:15. 
2. Convicta. Gn. 42:21; Jo. 8:9; At. 2:37. 
3. Limpa. 1 Tm. 3:9; Hb. 9:14. 
4. Boa. At. 23:1; 24:16; 1 Tm. 1:19. 
5. Atenciosa, respeitosa. Rm. 14:21; 1 Co. 10:25-29. 

644. PECADOS CITADOS PELAS ESCRITURAS. 
1. Omissão. Tg. 4:17; Mt. 25:45,46. 
2. Transgressões deliberadas. Dt. 9:7 ss. 
3. Pecados escondidos. Sl. 32:1-3. 
4. Ocultos. Sl. 90:8. 
5. Da mocidade. Sl. 25:7. 
6. Vermelhos como escarlate. Is. 1:18. 
7. Pecado duplo. Jr. 2:13. 

645. QUEM É UM MENTIROSO? 
Aquele que: 
1. Nega seu pecado. 1 Jo. 1:8,10. 
2. Confessa a Cristo e transgride Seus mandamentos. l Jo. 2:4. 
3. Nega que Jesus é o Cristo. 1 Jo. 2:22. 
4. Não dá crédito a Deus. 1 Jo. 5:10. 
5. Confessa que tem comunhão com Ele, ruas anda em trevas. 1 Jo. 1:6. 
6. Acrescenta à Palavra de Deus. Pv. 30:6. 
– O pai da mentira é o diabo. Jo. 8:44. 

646. PORQUE MUITAS ORAÇÕES NÂO SÃO RESPONDIDAS. TG. 4:3. 
1. Por causa de pecados não perdoados. Sl. 66:18; Is. 59:1,2. 
2. Devido á incredulidade. Tg. 1:6,7; Hb. 11:6; Jo. 11:39,40. 
3. Em razão de prazeres carnais. Tg. 4:3. 
4. Por causa da desumanidade. Pv. 21:13. 
5. Em virtude da soberba. l Pe. 5:5; Jó 35:12,13. 
6. Por falta de perseverança na oração. 2 Rs. 13:18,19; Lc. 11:5-9. 
7. Devido à irreconciliação. Mc. 11:25,26; Mt. 18:35. 
8. Pelo pouco ouvir da Palavra de Deus. Pv. 28:9. 

647. DEUS É AMOR. 1 JO. 4:8. 
Este é o versículo-chave de toda Bíblia. É um dos menores versículos, porém o mais profundo e substancial. 
1. Deus prova Seu amor para conosco, ao lembrar-se de todas as nossas necessidades. Mt. 5:45-48; Dt. 32:9-14; Tg.1:12. 
2. Prova Seu amor, ao lembrar-se de todas as nossas angústias. Is. 63:9; 43:2; Sl. 34:6. 
3. Prova Seu amor, nunca se esquecendo dos Seus filhos. Is. 49:15,16. 
4. Prova Seu amor, ao perdoar nossos pecados. Is. 38:17; 55:7. 
5. Prova Seu amor, ao dar-nos Seu Filho amado. Jo. 3:16; Rm. 8:32; Is. 53:6. 
6. Prova Seu amor para conosco, ao disciplinar-nos. Hb. 12:6-11. 
Todo homem sábio agradece a Deus pela disciplina. 

648. CARACTERÍSTICAS DE UM NASCIDO DE NOVO. I JOÃO. 
1. Tem a fé viva em Deus. 5:1. 
2. Vive e pratica a justiça. 2:29. 
3. Guarda os mandamentos de Deus. 2:3. 
4. Abandona a prática do pecado. 3:9. 
5. Não é compreendido, mas odiado pelo mundo. 3:13. 
6. Ama seus irmãos na fé. 3:14. 
7. Vence o mundo. 5:4. 

649. UMA VISITA DA GLÓRIA CELESTIAL. AP. 3:20. 
1. O Senhor bate: “Eis, que estou à porta.” 
a) Sua pessoa: “a fiel testemunha.” Ap. 3:14. 
b) Seu amor: “Eu disciplino a quem amo.” Ap. 3:19. 
c) Sua paciência: Ele já espera há tempo. Lc. 13:6-9; Mt. 23:37. 
2. Como o Senhor bate? 
a) Através da Palavra de Deus. 
b) Por angústias e necessidades. 
c) Pela disciplina do Espírito. 
d) Com a morte e juízo. 
3. As intenções dAquele que bate. 
O que deseja de nós; o que Ele nos traz? 
a) Quer nosso coração. Pv. 23:26. 
b) Oferece-nos perdão dos pecados. Ap. 3:19. 
c) Comunhão: quer cear conosco. 
d) Honra: que os Seus sentem-se com Ele no Seu trono. Ap. 3:21. 
4. As condições colocadas por Aquele que bate. 
a) Devemos ouvir Sua voz. 
b) Abrir a porta e deixá-lO entrar. 
c) Arrepender-nos. Ap. 3:19.  
d) Vencer. Ap. 3:21. 

650. CRISTO ESTA À PORTA E BATE. AP. 3:20. 
1. Um Senhor presente e paciencioso: “Eis que estou à porta.” 
2. Um Senhor ansioso: “Eu bato à porta.” 
3. Um Senhor que pede: “Se alguém abrir a porta.” 
4. Um Senhor prometedor: “Eu entrarei em sua casa.” 
5. Um Senhor abençoador: “Cearei com ele.” 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *